Gérard de Nerval

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Gérard de Nerval
Nascimento 22 de maio de 1808
Paris, França
Morte 25 de janeiro de 1855 (46 anos)
Paris, França
Nacionalidade francesa
Ocupação poeta
Escola/tradição romantismo

Gérard de Nerval (Paris, 22 de Maio de 1808 - 25 de Janeiro de 1855) foi um notório poeta do século XIX, considerado um expoente da poesia francesa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Seu nome verdadeiro era Gérard Labrunie. Foi educado pelo pai, uma vez que sua mãe teve morte prematura.

Conhecia a literatura de diversos países, bem como as línguas clássicas. Aos 20 anos traduziu Fausto, de Goethe, tradução na qual Berlioz se baseou para criar a sinfonia A Danação de Fausto. No ano seguinte chegou a se associar a Théophile Gautier na elaboração de um folhetim dramático que era publicado regularmente na imprensa.

Em 1836, apaixonou-se por Jenny Colon, atriz que o inspirou para a construção de sua "Aurélia", mas que o deixou para se casar com outro.

Em 1841, começou a apresentar sinais de esquizofrenia, sendo internado por um tempo. Viajou pela Alemanha em companhia de Alexandre Dumas, e depois sozinho, pelo restante da Europa.

Em 1843 viajou ao oriente, passando a envolver-se com cultos esotéricos, estudando com afinco as diversas religiões e as doutrinas ocultistas do iluminismo.

Em 1851 sofreu nova crise de esquizofrenia, sendo internado por diversas vezes. Por fim, após anos de esquizofrenia, acabou cometendo o suicídio, enforcado-se em um beco de Paris, sua terra natal.

Características literárias[editar | editar código-fonte]

Desde cedo foi atraído pela literatura alemã, em especial "Contos Fantásticos", de Hoffmann, e "Fausto", de Goethe, que começou a traduzir em 1828.

Sua viagem ao oriente, que despertara o interesse pelo esoterismo e ocultismo, a esquizofrenia que o acompanhava, e a forte influência alemã foram fatores que o tornaram pouco alinhado com o romantismo francês de seu tempo.

Há uma certa melancolia em sua obra que o marginaliza ou, segundo pensam alguns críticos, o aproxima de um pré-simbolismo.

Obras principais[editar | editar código-fonte]

Referências bibliográficas[editar | editar código-fonte]

VÁRIOS (1991), Poetas franceses do século XIX, Editora Nova Fronteira. ISBN Organização e tradução José Lino Grünewald, Biografias e comentários. ISBN 85-209-0349-5