Gabriel Vargas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Personagens de Gabriel Vargas no Museo del Estanquillo na Cidade do México

Gabriel Vargas Bernal (Tulancingo, Hidalgo, 5 de fevereiro de 1915 - Cidade do México, 25 de maio de 2010)[1] foi um desenhista e caricaturista mexicano.

Foi criador dos quadrinhos La Familia Burrón, uma das referências mais importantes desta arte no México.

Vargas também foi reconhecido com o Prêmio Nacional de Ciências e Artes em 1993, outorgado pelo Conselho Nacional para a Cultura e Artes do México, era considerado o "cronista urbano" da capital mexicana do século XX[1] e um ícone da caricatura mexicana.[2]

Vida[editar | editar código-fonte]

Órfão de pai com apenas 4 anos, sua mãe o levou para a capital mexicana para viver com 11 irmãos[2] , onde desde jovem passou a se destacar como desenhista, atividade que seguiria por toda a vida. Assim, em 1930, com 15 anos, obteve o segundo lugar em uma prêmio internacional de desenho acontecido em Osaka, no Japão.[3]

O diretor de cultura do Instituto Nacional de Belas Artes Alfonso Pruneda[4] lhe ofereceu uma bolsa de estudos em Paris para aperfeiçoar a habilidade em desenhar, mas ele passou a trabalhar como ilustrador do periódico Excélsior.[3]

Com 17 anos, já se tornaria chefe do Departamento de Ilustração.[5]

Antes de perder sua primeira esposa, com a qual teve dois filhos[5] , casou em 1976 com a jornalista Guadalupe Appendini.[6]

Em 1980, sofreu uma embolia por trabalhar mais de 20 horas por dia, mas, ainda assim, seguiu desenhando.[7]

Faleceu em 2010 com complicações cardiovasculares.[8]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Los Superlocos
  • La Familia Burrón (1937-2009)
  • La vida de Cristo
  • Sherlock Holmes
  • Pancho López
  • El gran Caperuzo
  • Los Chiflados
  • Los del Doce
  • Sopa de perico

Legado[editar | editar código-fonte]

A Familia Burrón foi uma revista em tamanho médio publicada de 1978 a 26 de agosto de 2009, totalizando 1616 edições.[7]

Uma antologia impressa pela Editorial Porrúa e selecionada pelo autor é publicada em 2010. A coleção completa está no Museu de Florença, Itália e na Universidade de Sorbonne, na França, e retrata a sociedade mexicana.[7]

O Museo del Estanquillo (de Carlos Monsiváis) na Cidade do México também dedica uma sala apenas à série mais famosa do caricaturista.[7]

Prêmios[editar | editar código-fonte]

  • Em 1983, Gabriel Vargas obteve o Prêmio Nacional de Periódicos do México na categoria Caricatura pelo trabalho realizado na Editorial Panamericana
  • Recebeu em 2003 o Prêmio Nacional de Artes e Tradições Populares[4]
  • No dia 21 de novembro de 2007, recebeu o reconhecimento do governo da capital mexicana, que lhe concedeu o título de cidadão distinto[4]

Referências

  1. a b El Universal. (25 de maio de 2010). Muere el caricaturista Gabriel Vargas, acesso em 26 de maio de 2010
  2. a b Ansa Latina. (25 de maio de 2010). Murio el caricaturista Gabriel Vargas, acesso em 26 de maio de 2010
  3. a b El Financiero en linea. (21 de novembro de 2007). Gabriel Vargas, Ciudadano Distinguido del DF, acesso em 26 de maio de 2010
  4. a b c El Universal. (25 de maio de 2010). Gabriel Vargas, el pintor de la cultura popular, acesso em 26 de maio de 2010
  5. a b El Universal. (25 de maio de 2010). Cenizas de Gabriel Vargas irán a la Catedral, acesso em 26 de maio de 2010
  6. Excelsior. (25 de maio de 2010). 'La Familia Burrón' pierde a su padre, acesso em 26 de maio de 2010
  7. a b c d Milenio. (16 de novembro de 2008). Todos somos La familia Burrón, acesso em 26 de maio de 2010
  8. Sintesis. (25 de maio e 2010). Muere Gabriel Vargas, el historietista mexicano más importante del siglo XX, acesso em 26 de maio de 2010