George Lakoff

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
George Lakoff

George Lakoff (24 de maio de 1941) é um professor de Lingüística da Universidade da California, em Berkeley. Foi um dos fundadores da Lingüística Gerativa dos anos 60 e da Lingüística Cognitiva nos anos 70.

Cronologia[editar | editar código-fonte]

Entre 1965 e 1969 pertenceu ao corpo docente na Universidade de Harvard. Entre 1969 e 1971 foi docente da Universidade de Michigan. Durante 1971 e 1972, trabalhou no Center for Advanced Study in the Behavioral Sciences em Stanford. Desde 1972 é professor da Universidade da California, Berkeley.

Teoria e investigações[editar | editar código-fonte]

Como lingüista cognitivo, Lakoff pesquisou a natureza dos sistemas conceituais humanos, em temas como os conceitos de tempo, espaço, causalidade, emoções, moral, política, etc., através da teoria sobre o pensamento metafórico que desenvolveu com Mark Johnson, no livro Metaphors We Live By (em português, Metáforas da Vida Cotidiana). A idéia central da teoria é de que as metáforas, mais além de representar um aspecto formal da linguagem, nos permitem estruturar conceitos a partir de outros conceitos mais básicos e concretos. A forma pela qual desenvolvemos este processo depende da experiência direta do mundo, que é proporcionada por nosso corpo. Assim, estruturamos o conceito de tempo, mais abstrato, em função de nossa experiência espacial; por isso nos referimos ao futuro como algo que está adiante de nós e ao passado como algo que ficou para trás.

Outra linha de investigação importante, também desenvolvida por Lakoff em conjunto com Johnson, lançou a idéia de uma filosofia encarnada ou corporificada. Lakoff e Johnson propõem, no livro Philosophy in the Flesh, the embodied mind and its challenge to Western Thought, que nossas metáforas mais fundamentais estão diretamente ligadas às nossas percepções do mundo, a começar pela relação com nosso próprio corpo. Ou seja, a mente e o corpo não são independentes, como preconiza a tradição metafísica do mundo ocidental, consagrada pelo cartesianismo. O começo de toda a atividade cognitiva seria a experiência humana de lidar com o mundo externo.

A partir destes conceitos, George Lakoff procurou aplicar os métodos e resultados da Lingüística e Semântica Cognitivas a problemas das ciências sociais e da política, assim como à filosofia e à epistemologia. Partindo da concepção de um pensamento estruturado com base em metáforas, chegou a estudar, em colaboração con Rafael Núñez, no livro Where Mathematics Comes From: How the Embodied Mind Brings Mathematics Into Being, a conformação de um pensamento aparentemente tão distante do domínio metafórico como o da matemática.

Lakoff fez também incursões no campo das neurociências, em cooperação com Jerome Feldman, com quem estudou os modelos biológicos conexionistas que determinam a aprendizagem de sistemas conceituais e suas representacões neuronais.

Publicações importantes[editar | editar código-fonte]

  • Metaphors We Live By, com Mark Johnson. University of Chicago Press, 1980.
  • Women, Fire, and Dangerous Things, University of Chicago Press, 1987.
  • More than Cool Reason, com Mark Turner, University of Chicago Press, 1989.
  • Moral Politics, University of Chicago Press, 1996.
  • Philosophy in the Flesh, the embodied mind and its challenge to Western Thought, com Mark Johnson, Basic Books, New York, 1999
  • Where Mathematics Comes From: How the Embodied Mind Brings Mathematics Into Being, com Rafael Núñez, Basic Books, New York, 2000
  • Don't Think of an Elephant: Know Your Values, Frame the Debate, Chelsea Green Publishing, 2004