Guerra Napolitana

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Napolitana
Cem Dias
Neapolitan War.jpg
Mapa da região das guerras napolitanas.
Data 15 de março - 20 de maio de 1815
Local Itália
Resultado
  • Vitória Austríaca
  • Tratado de Casalanza
Combatentes
Império Austríaco Império Austríaco
Flag of the Grand Duchy of Tuscany (1840).svg Toscana
Bandiera del Regno di Sicilia 4.svg Sicília
Flag of the United Kingdom.svg Reino Unido
Flag of the Kingdom of Naples (1811).svg Reino de Nápoles

Apoio:
Flag of France.svg França
Forças
120 000 (em Lombardia)
35 000 (combateram)
82 000 (segundo Murat)
50 000 (mobilizados)
Baixas
5 000 mortos ou feridos 10 000 mortos ou feridos

A Guerra Napolitana foi um conflito militar entre o Reino de Nápoles e o Império Austríaco. Começou em 15 de março de 1815 quando Joachim Murat declarou guerra contra a Áustria e se encerrou em 20 de maio do mesmo mês, após a assinatura do tratado de Casalanza.[1]

Em 1814, o imperador francês Napoleão Bonaparte fora derrotado na Guerra da Sexta Coalizão. Joachim Murat, rei de Nápoles, começou a negociar com as potências europeias com o propósito de preservar seu próprio trono e traiu a França. Contudo, durante o Congresso de Viena, ele começou a suspeitar que este acordo não iria durar. O Reino Unido, que nunca reconheceu seu governo em Nápoles, queria reinstaurar na Europa os velhos regimes e derrubar os reis fantoches que Napoleão instaurou, incluindo Murat.[2]

Em 1815, quando Napoleão retornou de seu exílio e restabeleceu seu regime na França (o Governo dos Cem Dias), Murat declarou guerra aos austríacos e tentou começar um levante pró Bonapartista em Nápoles. Sem o apoio generalizado da população local ou de outros Estados italianos, ele não conseguiu mobilizar um exército grande o bastante para combater os austríacos ou os seus aliados. Napoleão, que fora derrotado pelos britânicos e prussianos na batalha de Waterloo, também não poderia mais ajudar Nápoles.[3] No começo de maio, Joachim Murat foi derrotado na batalha de Tolentino. Após a luta, Fernando IV foi reinstituído como rei de Nápoles e da Sicília. Contudo, a intervenção da Áustria causou ressentimento na Itália, o que formentaria o sentimento nacionalista italiano, que guiaria o país a unificação.[4]

Referências

  1. Capt. Batty, Robert. An Historical Sketch of the Campaign of 1815, Londres (1820).
  2. Cust, Edward. Annals of the wars of the nineteenth century, (1863).
  3. Browning, Oscar. The Fall of Napoleon, J. Lane (1907)
  4. Burke, Edmund. Chapter VII, The Annual Register or A View of the History, Politics, and Literature for the Year 1815, J. Dodsley (1816)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.