Guerra Russo-Turca (1828—1829)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Guerra Russo-Turca
Parte da(o) Guerras Russo-Turcas
January Suchodolski - Akhaltsikhe siege.jpg
Batalha de Akhalzic (1828), por January Suchodolski
Data 1828–1829
Local Bálcãs e Cáucaso
Desfecho vitória russa
Mudanças
territoriais
Tratado de Adrianópolis
Combatentes
Império Russo Império Russo
Apoiado por
Reino de França França
Reino Unido Reino Unido
Império Otomano Império Otomano
Forças
100.000 homens, inicialmente[1]

A Guerra russo-turca de 1828–1829 foi despertada devido à Guerra de independência da Grécia. A guerra acabou depois que o Sultão fechou Dardanelos para os navios russos e revocou a Convenção de Akkerman em represália à participação da Rússia na Batalha de Navarino.

Inicio das hostilidades[editar | editar código-fonte]

No inicio das hostilidades, o exército russo de 92 mil homens foi comandado pelo Imperador Nicolau I, enquanto as forças otomanas eram comandadas por Hussein Pasha. Entre abril e maio de 1828, o comandante-chefe russo, Peter Wittgenstein, moveu-se aos Principados Romenos da Valáquia e Moldávia. Em junho de 1828, as principais forças russas sob o imperador atravessaram o rio Danúbio e avançaram até Dobruja.

Os russos então colocaram cercos prolongados a três principais citadelas otomanas na Bulgária moderna: Shumen, Varna, e Silistra. Com o apoio da Frota do Mar Negro sob as ordens de Aleksey Greig, Varna foi capturada em 29 de setembro. O sítio de Shumen se provou muito mais difícil, quando a forte guarnição de 40.000 otomanos excederam as forças russas. Além disso, os otomanos conseguiram cortar os russos fora de suas linhas de abastecimento.


Referências

  1. A Global Chronology of Conflict: From the Ancient World to the Modern Middle ... , by Spencer C. Tucker, 2009, p.1152
Ícone de esboço Este artigo sobre conflitos armados é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.