Guerra anglo-egípcia de 1882

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Segunda Guerra Anglo-Egípcia
Tel-el-Kebir.JPG
Data 1882
Local Egito
Desfecho Forças de Urabi derrotadas e Urabi é exilado
Mudanças
territoriais
Ocupação britânica do Egito
Combatentes
Reino Unido Reino Unido
Índia Índia britânica
Flag of Egypt (1882-1922).svg Quediva Tawfiq
Flag of Egypt (1882-1922).svg Forças de Urabi
Principais líderes
Maj. Gen. Garnet Wolseley
Almirante Beauchamp Seymour
Col. Ahmed Orabi
Forças
40,560 regulares número não confirmado de regulares

A Segunda Guerra Anglo-Egípcia ou Guerra anglo-egípcia de 1882 ocorreu em 1882 entre as forças de Ahmed Urabi e do Reino Unido da Grã-Bretanha e Irlanda.

Invasão[editar | editar código-fonte]

Em 1882, a oposição ao controle europeu levou à crescente tensão entre os notáveis nativos, a oposição mais perigosa, porém, era proveniente do exército. Uma grande manifestação militar em setembro de 1881 forçou o Quediva Tawfiq a demitir seu primeiro-ministro. Entre os soldados amotinados, nessa ocasião, um era oficial que se chama Ahmed Urabi. Ele era um líder carismático que foi seguido por um grupo de oficiais do exército e muitos colegas, entre as classes mais baixas. Tornou-se o centro de um protesto que visa proteger os egípcios da tirania de seus opressores turcos e europeus. O movimento começou entre os oficiais árabes, que se queixavam da preferência demonstrada com os agentes de origem turca, que, em seguida, expandiu-se para um ataque à posição privilegiada e influência predominante de estrangeiros, e finalmente, foi dirigida contra todos os cristãos, estrangeiros e nativos. O governo, por ser demasiado fraco para reprimir a agitação e desordem, teve que fazer concessões, e cada concessão produziu novas exigências. Urabi foi promovido, em seguida, para subsecretário para a guerra e, finalmente, um membro do gabinete. Em abril de 1882, Tawfiq mudou-se para Alexandria, com medo de sua própria segurança como oficiais do exército liderado por Ahmed Urabi começaram a tomar o controle do governo. Em junho, o Egito estava nas mãos dos nacionalistas contra a dominação européia do país.

O perigo de um grave aumento da revolta levou a França e a Grã-Bretanha a enviar navios de guerra para Alexandria para reforçar o Quediva em meio a um clima turbulento, espalhando o medo da invasão por todo o país. Devido a preocupações com a segurança do canal de Suez e dos maciços investimentos britânicos no Egito, os europeus procuraram intervir. Os franceses hesitaram, porém, e os ingleses só tentaram suprimir a revolta. Em 11 de julho de 1882, depois de amplas revoltas em Alexandria, a frota britânica bombardeou a cidade. Os líderes do movimento nacional preparados para resistir à agressão ainda mais pela força. Uma conferência de embaixadores foi realizada em Constantinopla, o sultão otomano e foi convidado para sufocar a revolta, mas ele hesita em empregar suas tropas contra o que era mais uma ameaça aos interesses europeus.

O governo britânico decidiu empregar a força armada, e convidou a França a cooperar. O governo francês se recusou, e um convite semelhante para a Itália encontrou-se com uma recusa semelhante. A Grã-Bretanha, portanto, agindo isoladamente, desembarcou tropas em Ismailia de Sir Garnet Wolseley, e suprimiu a revolta pela batalha de Tel-el-Kebir, em 13 de setembro de 1882

O bombardeio naval britânico de Alexandria teve pouco efeito sobre a oposição que levou ao desembarque de uma força expedicionária britânica em ambas as extremidades do canal de Suez, em agosto de 1882. Os ingleses conseguiram derrotar o exército egípcio em Tel El Kebir, em setembro e tomaram o controle do país, colocando Tawfiq de volta no controle. O objetivo da invasão foi de restaurar a estabilidade política para o Egito sob o governo dos Quedivas e o controle internacional que estavam no local para agilizar o financiamento do Egito desde 1876.

Consequências[editar | editar código-fonte]

Julgamento de Urabi[editar | editar código-fonte]

O primeiro-ministro Gladstone inicialmente procurou colocar Orabi em julgamento e executá-lo, retratando-o como "... um tirano egoísta cuja opressão do povo egípcio ainda deixou tempo suficiente, na sua qualidade de Saladino nestes últimos dias, para massacrar cristãos". [1] Depois de observar seus diários capturados e outras provas diversas, havia pouco com que "demonizar" Orabi em um julgamento público. [1] Suas acusações caíram, depois que ele admitiu à rebelião e foi enviado para o exílio. [1]

Ocupação britânica[editar | editar código-fonte]

Hopkins afirma que os britânicos continuaram a ocupação do Egito, depois de 1882, a fim de garantir os investimentos britânicos "a Grã-Bretanha tinha interesses importantes para defender no Egito e estava disposta a retirar somente se as condições que garantam a segurança desses interesses foram atendidas - e eles nunca foram". [1] De acordo com esse ponto de vista, o investimento no Egito aumentou durante a ocupação britânica, as taxas de juros caíram, e os preços dos títulos subiram. [1]

A ocupação britânica terminou nominalmente com o estabelecimento de um protetorado e a instalação do Sultão Hussein Kamil em 1914, mas a presença militar britânica no Egito durou até 1936 com a assinatura do Tratado anglo-egípcio de 1936.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Hopkins, A.G. "The Victorians and Africa: A Reconsideration of the Occupation of Egypt, 1882." The Journal of African History. 27, No. 2: 372.

Fontes[editar | editar código-fonte]