Hugh Thomas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Hugh Thomas, Barão Thomas de Swynnerton (Windsor, 21 de outubro de 1931) é um historiador e romancista britânico.

Thomas foi educado em Sherborne School, em Dorset, antes de obter o bacharelado em Artes no Queens' College, na Universidade de Cambridge, no ano de 1953. Também estudou na Sorbonne, Paris.

Em 1961, seu livro The Spanish Civil War ganhou o prêmio Somerset Maugham para 1962. Uma terceira edição, maior e significantemente revisada, foi lançada em 1977. Cuba, or the Pursuit of Freedom (1971) é um livro de aproximadamente mil e quinhentas páginas que trata sobre a história de Cuba, de colônia espanhola até a revolução de Fidel Castro. Thomas realizou pesquisas ao longo de dez anos para escrever tal livro.

De 1966 a 1975, foi professor de História na Universidade de Reading. Foi Diretor do Centro para Estudos Políticos em Londres (1979-1991) e um aliado da ex-primeira-ministra Margaret Thatcher. Em 1981, recebeu o título vitalício de Barão Thomas de Swynnerton, de Notting Hill, na Grande Londres.

Ele tem escritos trabalhos políticos associados com a União Europeia, bem como histórias. Além disso, é autor de três romances.

Hugh Thomas é casado com Vanessa Jebb, filha do primeiro secretário-geral das Nações Unidas, Gladwyn Jebb.

Trabalhos[editar | editar código-fonte]

  • The Spanish Civil War (1961); 2° edição revisada (1977); 4° edição revisada (2003).
  • Cuba or the Pursuit of Freedom (1971)
  • Europe: the Radical Challenge (1973)
  • An Unfinished History of the World (1979), publicado nos Estados Unidos como "A History of the World"
  • Armed Truce (1986)
  • Ever Closer Union (1991)
  • Conquest: Montezuma, Cortés and the Fall of Old Mexico (1994)
  • World History, The Story of Mankind from Prehistory to the Present (1996)
  • Slave Trade (1997)
  • Rivers of Gold (2003)
  • El Imperio Español: de Colón a Magallanes, (2006), Planeta, ISBN 84-08-06683-8. Este livro é o primeiro de uma trilogía sobre o Imperio Español.
  • Carta de Asturias, (2006), Gadir, ISBN 84-934748-8-6
  • La conquista de México, (2007), Planeta, ISBN 84-08-07353-2
  • Beaumarchais of Seville (2007)
  • Yo, Moctezuma, emperador de los aztecas, (2007), Planeta, ISBN 84-08-07262-5
  • Barreiros, el motor de España, (2007), Planeta, ISBN 84-08-06834-2
  • Goya: el tres de mayo de 1808, (2008), Planeta, ISBN 84-08-08240-8
  • El Imperio Español de Carlos V, (2010), Planeta, ISBN 9788408094609. Segundo livro da trilogía sobre o Imperio Español.


Prêmios[editar | editar código-fonte]

Lord Thomas ganhou o Prêmio Somerset Maugham (1962), o Prémio Nonino (2009), o Prêmio Boccaccio (2009), o Prêmio Gabarron(2008) e do Calvo Serer Prize (2009). O governo francês nomeou-o comandante da Ordem das Artes e Letras, em 2008, e ele recebeu a Grã-Cruz da Ordem de Isabel a Católica de Espanha, bem como Ordem da Águia Asteca mexicana.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Hugh Thomas