Hypochaeris radicata

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaHypochaeris radicata
Hypochaeris radicata 3285.JPG

Classificação científica
Reino: Plantae
(sem classif.) angiospérmicas
(sem classif.) eudicotiledóneas
(sem classif.) asterídeas
Ordem: Asterales
Família: Asteraceae
Tribo: Cichorieae
Género: Hypochaeris
Espécie: H. radicata
Nome binomial
Hypochaeris radicata
L.
Sinónimos
  • Hypochoeris radicata L. orth. var.

Hypochaeris radicata é uma planta da família Asteraceae. Os seus nomes comuns são erva-das-tetas, leiteirigas, leituga, leitugas, leituregas e orelha-de-gato.[1] No Brasil é também conhecida como almeirão-do-campo ou almeirão-de-roseta.[2]

A espécie ocorre em Portugal.

Também ocorre no Brasil, como invasora,[2] nos estados de São Paulo, Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Hypochaeris radicata é uma espécie nativa da Europa, mas foi introduzida na América, Japão, Austrália e Nova Zelândia. É similar a Hypochaeris glabra, mas com folhas hirsutas e capítulos amarelos de maiores dimensões, com flores liguladas maiores que o invólucro

É uma planta perene com roseta basal de folhas amplamente oblongo-lanceoladas, dentadas ou lobuladas. O talo floral mede de 20 a 60 cm, geralmente ramoso e com escamas debaixo dos capítulos. Os capítulos alcançam 2,5 a 4 cm de diâmetro; as brácteas involucrais são lanceoladas e puntiagudas, de pêlo hirsuto na costela central. Floresce no final da Primavera e durante o Verão.

Habitat[editar | editar código-fonte]

Habita em pradarias, dunas e junto a caminhos.

as espécies de Hypochaeris são usadas como alimento pelas larvas de alguns lepidópteros, incluíndo Cucullia umbratica.

Usos culinários[editar | editar código-fonte]

Todas as partes da planta são comestíveis, no entanto as folhas e raízes são aquelas mais colhidas. As folhas têm um gosto brando e podem ser utilizadas cruas em saladas, cozinhadas a vapor ou salteadas. As folhas mais velhas podem tornar-se duras e fibrosas. Ao contrário das folhas comestíveis do dente-de-leão, as folhas desta espécie apenas raramente têm sabor amargo. Em Creta (Grécia) as folhas de uma variedade chamada pachies (παχιές) ou agrioradika (αγριοράδικα) são comidas fervidas ou cozinhadas em vapor, pelos locais.[4]

A raíz pode ser tostada para formar um substituo do café.

Toxicidade[editar | editar código-fonte]

Esta espécie é suspeita de causar esparavão em cavalos, se consumido em excesso.[5] [6]

Variedades[editar | editar código-fonte]

  • Hypochoeris radicata var. heterocarpa Moris
  • Hypochoeris radicata var. radicata

Galeria[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Hypochoeris_radicata. Flora Digital de Portugal. jb.utad.pt/flora. Página visitada em 4 de Dezembro de 2012.
  2. Schneider, A. 2010. Hypochaeris in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. (http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/FB112212).
  3. Kleonikos G. Stavridakis , Κλεόνικος Γ. Σταυριδάκης. Wild edible plants of Crete - Η Άγρια βρώσιμη χλωρίδα της Κρήτης. [S.l.]: Rethymnon Crete, 2006. ISBN 960-631-179-1
  4. John Kohnke. Australian stringhalt. South East Victoria Equine Network.
  5. *Merck Veterinary Manual - Stringhalt.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  1. Abrams, L. & R. S. Ferris 1960. Bignonias to Sunflowers. Ill. Fl. Pacific States 4: 732 pp.
  2. Brako, L. & J. L. Zarucchi 1993. Catalogue of the Flowering Plants and Gymnosperms of Peru. Monogr. Syst. Bot. Missouri Bot. Gard. 45: i–xl, 1–1286.
  3. Correa A., M. D., C. Galdames & M. S. de Stapf 2004. Catálogo de las Plantas Vasculares de Panamá. Cat. Pl. Vasc. Panamá 1.
  4. Cronquist, A. 1980. Asteraceae. Vasc. Fl. S.E. U. S. 1: i–xv, 1–261.
  5. Cronquist, A., A. H. Holmgren, N. H. Holmgren, J. L. Reveal, P. K. Holmgren (eds.) 1994. Vascular Plants of the Intermountain West, U.S.A.. Intermount. Fl. 5: 1–496.
  6. Fernald, M. 1950. Manual (ed. 8) i-lxiv, 1-1632.
  7. Flora of North America Editorial Committee, e. 2006. Magnoliophyta: Asteridae, part 6: Asteraceae, part 1. Fl. N. Amer. 19: i–xxiv.
  8. Forzza, R. C. & et al. 2010. 2010 Lista de espécies Flora do Brasil. http://floradobrasil.jbrj.gov.br/2010/.
  9. Gibbs Russell, G. E, W. G. Welman, E. Reitief, K. L. Immelman, G. Germishuizen, B. J. Pienaar, M. van Wyk & A. Nicholas (PRECIS) 1987. List of species of southern African plants. Mem. Bot. Surv. S. Africa 2(1–2): 1–152(pt. 1), 1–270(pt. 2).
  10. Gleason, H. A. 1968. The Sympetalous Dicotyledoneae. Ill. Fl. N. U.S. (ed. 3) vol. 3. 596 pp.
  11. Hickman, J. C. 1993. Jepson Man.: Higher Pl. Calif. i-xvii, 1-1400.
  12. Hitchcock, C. L., A. Cronquist, M. Ownbey & J. W. Thompson 1984. Compositae. Vasc. Pl. Pacific N.W. Part V. 343 pp..

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Hypochaeris radicata
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Hypochaeris radicata