Asterales

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Como ler uma caixa taxonómicaAsterales
Coreopsis lanceolata ou Margarida-funcionária

Coreopsis lanceolata ou Margarida-funcionária
Classificação científica
Reino: Plantae
Divisão: Magnoliophyta
Classe: Magnoliopsida
Ordem: Asterales
Lindl., 1833
Famílias
Ver texto.
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Asterales

A ordem das Asterales reúne plantas dicotiledóneas, incluindo a família Asteraceae, a que pertencem os malmequeres, margaridas e girassóis.

É uma ordem cosmopolita, incluindo diversas espécies herbáceas, ainda que incluía um pequeno numero de árvores (Lobelia) e arbustos.

As Asterales podem ser caracterizadas a um nível morfológico e molecular. As sinapomorfias incluem a utilização do oligossacarídeo inulina no armazenamento de nutrientes, e o facto de os estames aparecerem densamente agregados em volta do carpelo ou mesmo fundidos num tubo em torno do estilete.

Famílias[editar | editar código-fonte]

As Asterales incluem cerca de onze famílias, a maior das quais é a das Asteraceae, com cerca de 25 000 espécies, e a das Campanulaceae com cerca de 2 000 espécies. As restantes famílias contam, em conjunto, com menos de 500 espécies. As duas famílias principais caracterizam-se por serem muito cosmopolitas, centrando-se essencialmente a sua área de distribuição no hemisfério norte, as outras confinam-se quase exclusivamente à Austrália e áreas adjacentes - e, por vezes, na América do Sul.

Segundo o sistema de Cronquist, as Asteraceae constituíam a única família do grupo, mas segundo os novos sistemas de classificação (por exemplo, os sistemas APG.) criaram novas famílias. No sistema APG III, as famílias são:

No sistema APG, as famílias são:

legenda
a família com "[+ ...]" é opcional

Posicionamento[editar | editar código-fonte]

Clasificação filogenética[editar | editar código-fonte]

                    ,_____________ Rousseaceae
                    |                
  ,_________________|_____________ Campanulaceae
  |                 |   
  |                 |_____________ Pentaphragmataceae 
  |
  |                  ,____________ Alseuosmiaceae
  |                  |                
  |            ,_____|____________ Phellinaceae
  |            |     |   
  |____________|     |____________ Argophyllaceae 
  |            |
  |            |__________________ Stylidiaceae
  |
  |_______________________________ Menyanthaceae
  |
  |_______________________________ Goodeniaceae
__|    
  |_______________________________ Calyceraceae
  |
  |_______________________________ Asteraceae

Evolução e biogeografia[editar | editar código-fonte]

A ordem das Asterales originou-se provavelmente no Cretáceo no supercontinente Gondwana, nas áreas que pertencem actualmente à Austrália e Ásia. Ainda que a maior parte das espécies extintas sejam herbáceas, o exame das famílias basais da ordem, sugere que o ancestral comum da ordem fosse uma planta arborescente.

O património fóssil disponível sobre as Asterales é raro e limita-se principalmente a épocas mais recentes, de modo que qualquer estimativa precisa sobre a idade da ordem seja muito difícil. Encontrou-se pólen do Oligoceno de Asteraceae e de Goodeniaceae. As famílias Menyanthaceae e Campanulaceae deixaram também sementes fossilizadas pertencentes ao Oligoceno e Mioceno, respectivamente.

Importância económica[editar | editar código-fonte]

As Asteraceae incluem algumas espécies cultivadas para a alimentação humana, como, por exemplo, o girassol (Helianthus annuus) ou a chicória (Cichorium). Inclui igualmente muitas espécies medicinais e aromáticas.

Em termos de horticultura e floricultura, são de referir o género chrysanthemum ou a família das Campanulaceae.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • K. Bremer, M. H. G. Gustafsson (1997). East Gondwana ancestry of the sunflower alliance of families. Proceedings of the National Academy of Sciences U.S.A. 94, 9188-9190. (Edição online: Abstract | Full text (HTML) | Full text (PDF))
  • W. S. Judd, C. S. Campbell, E. A. Kellogg, P. F. Stevens, M. J. Donoghue (2002). Plant Systematics: A Phylogenetic Approach, 2nd edition. pp. 476–486 (Asterales). Sinauer Associates, Sunderland, Massachusetts. ISBN 0-87893-403-0.
  • J. Lindley (1833). Nixus Plantarum, 20. Londini.
  • Smissen, R. D. (December 2002). Asterales (Sunflower). In: Nature Encyclopedia of Life Sciences. Nature Publishing Group, London. (Edição online: DOI | ELS site)
O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Asterales