Ismael Nery

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ismael Nery
Autorretrato (1930)
Nome completo Ismael Nery
Nascimento 9 de outubro de 1900
Belém do Pará
Morte 6 de abril de 1934 (33 anos)
Campo Grande
Nacionalidade  Brasil
Ocupação Pintor e cenógrafo
Influências
Movimento estético Surrealismo

Ismael Nery (Belém do Pará, 9 de outubro de 1900Rio de Janeiro, 6 de abril de 1934) foi um pintor brasileiro de influência surrealista.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Ismael Nery - "Namorados" - óleo sobre tela - 58.5 x 58.5 cm - circa 1927

Descendente de indígenas, africanos e neerlandeses (holandeses),[1] em 1909 mudou-se com a família para o Rio de Janeiro. Em 1917, ingressou na Escola Nacional de Belas Artes. Viajou pela Europa em 1920, tendo frequentado a Academia Julian, em Paris. De volta ao Brasil, trabalha como desenhista na seção de Arquitetura e Topografia da Diretoria do Patrimônio Nacional, órgão ligado ao Ministério da Fazenda. Lá conhece o poeta Murilo Mendes que se tornaria seu grande amigo e incentivador de sua obra.[2]

Em 1922, casou-se com a poetisa Adalgisa Ferreira. Nessa época realizou obras de tendência expressionista. Em 1926, deu início ao seu sistema filosófico de fundamentação católica e neotomista, denominado de Essencialismo. Em 1927 fez nova viagem a Europa, onde entrou em contato com Marc Chagall, André Breton e Marcel Noll, dentre outros surrealistas. Sua obra sofreu, também, a influência metafísica de Giorgio de Chirico e do cubismo de Picasso. Seus temas remetem-se sempre à figura humana: retratos, auto-retratos e nus. Não se interessou pelos temas nacionais, indígenas e afro-brasileiros, que considerava regionalistas e limitados. Dedicou-se a várias técnicas aplicadas em desenhos e ilustrações de livros. Foi, também, cenógrafo. Em 1929, depois de uma viagem à Argentina e Uruguai, um diagnóstico revelou que ele era portador de tuberculose, o que o levou a internar-se num sanatório pelo período de dois anos. Saiu de lá aparentemente curado porém, em 1933, a doença voltou de forma irreversível.

A partir daí, suas figuras tornaram-se mais viscerais e mutiladas. Morreu em 1934, aos trinta e três anos de idade, no Rio de Janeiro. Foi enterrado vestindo um hábito dos franciscanos, numa homenagem dos frades à sua ardorosa católica.

A obra de Nery permaneceu ignorada do público e da crítica até 1965, quando teve seu nome inscrito na 8ª Bienal de São Paulo, na Sala Especial de Surrealismo e Arte Fantástica. Suas obras foram expostas também na 10ª Bienal de São Paulo. Foram feitas retrospectivas em 1966, no Rio de Janeiro, e em 1984, no MAC-USP (Retrospectiva Ismael Nery - 50 Anos Depois).

Fases da obra de Ismael Nery[editar | editar código-fonte]

"Figura", 1927. Acervo do Museu de Arte Contemporânea da USP.

Costuma-se dividir a obra de Ismael Nery em três fases:

  • de 1922 a 1923, a fase Expressionista;
  • de 1924 a 1927, a fase Cubista, com evidente influência da fase azul de Pablo Picasso;
  • de 1927 a 1934, fase do Surrealismo, sua fase mais importante e promissora.

Referências

  1. Artistas da Arte Moderna. Brasilescola.com. Página visitada em 3 de novembro de 2007.
  2. Enciclopédia Itaú Cultural. Itaucultural.org.br. Página visitada em 5 de setembro de 2012.

Ver também[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Ismael Nery

Ligações externas[editar | editar código-fonte]