Jardim Botânico de Lineu

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Linnéträdgården.
Desenho do jardim botânico de Rudbeck, em 1675.
Gravura de 1770 do jardim de Lineu.
Pormenor do jardim.

Jardim Botânico de Lineu (em sueco: Linnéträdgården) é um jardim botânico existente na cidade de Uppsala, na Suécia. Foi o primeiro jardim botânico da Suécia, sendo actualmente chamado de Lineu, em homenagem ao cientista Carlos Lineu, naturalista sueco que construiu as bases da taxonomia moderna. Este jardim botânico depende administrativamente do Jardim Botânico da Universidade de Uppsala, do qual é um jardim satélite. É membro do BGCI e apresenta trabalhos para a Agenda Internacional para a Conservação nos Jardins Botânicos, sendo o seu código de identificação internacional como instituição botânica UPS.

História[editar | editar código-fonte]

O Linnéträdgården foi fundado em 1655 por Olof Johannis Rudbeck, professor de medicina. Encontrava-se na rua Svartbäcksgatan de Uppsala, no centro da cidade, perto do rio Fyrisån. Era então usado para ensinar botânica e farmácia aos estudantes da universidade. O jardim de Olof Rudbecks foi significativamente destruído por um incêndio em 1702, que também afectou outros pontos da cidade. A universidade não pôde restaurá-lo naquela altura e foi deixado abandonado por cerca de 40 anos.

Localização do jardim de Lineu, numa planta de Uppsala datada de 1770.

Em 1741, sendo Carlos Lineu professor de medicina na Universidade de Uppsala, foi tornado responsável pelo jardim abandonado. Alterando-o de acordo com as suas ideias, documentadas no seu trabalho Hortus Upsaliensis (1748), converteu-o num dos melhores jardins botânicos do seu tempo. Através de contactos com cientistas de todo o mundo, Lineu pôde recolher milhares de plantas estrangeiras para cultivar.

A localização próxima do rio Fyrisån era inadequada para cultivar um horto, dado que as suas terras eram muito pantanosas. Para além disto, antes do século XVIII, o jardim tornou-se pequeno e foi preciso mais espaço. Em 1787, Carl Peter Thunberg, discípulo de Lineu e seu sucessor, persuadiu o rei Gustavo III da Suécia a doar o jardim do castelo de Uppsala à universidade, de forma a que lá pudesse ser colocado um novo jardim botânico, que hoje constitui o Jardim Botânico da Universidade de Uppsala.

O velho jardim botânico foi então deixado ao abandono. Em 1917, foi comprado pela Sociedade Lineana Sueca (Svenska Linnésällskapet) e restaurado de acordo com a descrição detalhada presente no Hortus Upsaliensis. Mais tarde, o jardim passou a ser administrado pela Universidade, enquanto o museu de Lineu, instalado na casa onde vivia o cientista, é ainda administrado pela Sociedade Lineana Sueca.

Colecções[editar | editar código-fonte]

O jardim barroco foi restaurado segundo os desenhos de 1750. As plantas mais velhas que ali se encontram são os loureiros de Lineu, quatro árvores com 250 anos de idade.

As tarefas principais do jardim botânico são proporcionar plantas de apoio à investigação e à educação na Universidade de Uppsala e promover a consciência pública sobre todas as publicações relacionadas com a diversidade biológica. Todos os anos, mais de mil estudantes aprendem nos espaços do jardim botânica, farmacologia, horticultura ou ecologia.

A entrada no jardim é livre. É apenas necessário pagar para assistir a acontecimentos e exposições especiais.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Jardim Botânico de Lineu