João, Duque de Berry

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de João de Berry)
Ir para: navegação, pesquisa
Imagem de João, Duque de Berry do Très Riches Heures.

João de Valois, o Magnífico (Vincennes, 30 de Novembro de 1340 - Nesles, 15 de Março de 1416) está sepultado em Bourges. Foi Duque de Berry e de duque de Auvergne, Conde de Montpensier, de Etampes, de Boulogne e de Mâcon, conde de Poitiers, par de França. Era o 3º filho do Rei João II de França e irmão de Carlos V de França, Luis I de Nápoles e de Filipe II, Duque da Borgonha.

Depois da batalha de Poitiers, em virtude do Tratado de Brétigny, permaneceu como refém na Inglaterra até 1367. Reinando o sobrinho, Carlos VI, assinalou-se no governo do Languedoc de 1380 a 1388 por extorsões e malversações. Privado do cargo quando da chegada ao poder dos Marmousets, vingou-se quando o rei enlouqueceu. Repartiu então a autoridade com o irmão, duque da Borgonha e o sobrinho, duque de Orleans. Entre ambos, teve de início um papel conciliador, embora manifestando preferências por Borgonha. Reprovou o assassinato de Orleans por João Sem Medo em 1407 mas não o impediu de fugir. Mal recompensado por sua boa disposição natural, a partir de 1410 mudou bastante - sem abandonar o papel de mediador, favoreceu os Armagnacs e depois negociou com os Ingleses, em 1412. Nomeado capitão de Paris, tenente do Languedoc em 1412, dotado de pensões, pode pagar suas dívidas - cuja importância se explica por seus gostos dispendiosos. Vaidoso, sensual, sem escrúpulos, protegeu as artes e letras e foi grande mecenas. Decorou com magnificência seus castelos (em Mehun-sur-Yèvre, Riom, Poitiers, Bicêtre). André Beauneveu, Jacquemart de Hesdin, os irmãos Limbourg das belíssimas iluminuras, trabalharam para ele - sua biblioteca continha os mais belos manuscritos do século XIV.

Apesar de ser um político experiente, tinha pouco interesse na vida militar e gastava grande parte do seu tempo e do seu dinheiro (muito do qual recebido dos impostos da região do Languedoc que governava) na sua colecção de objectos de arte e curiosidades. Seus interesses, que incluíam um Jardim Zoológico e um casal de ursos que o acompanhava por toda a parte, tornaram-no bastante impopular. Em 1388, Carlos VI tirou os tios do conselho de estado e Berry retirou-se para suas propriedades.

Na segunda fase da Guerra dos Cem Anos, Berry foi uma figura respeitada e um político moderado que influenciou como negociador nos conflitos entre os sobrinhos João, Duque da Borgonha e Luís de Valois, Duque de Orléans que fracturavam a unidade francesa.

Casamentos e posteridade[editar | editar código-fonte]

Casou em Carcassone em 24 de junho de 1360 com Joana ou Jeanne d´Armagnac (morta em março de 1387), filha de JOÃO I, conde de Armagnac, e de Beatriz de Bourbon, condessa de Charolais; teve cinco filhos.

Casou depois em Riom em 5 de junho de 1390 com Joana II (1378-1424), condessa de Auvergne e Boulogne, filha de João II, conde de Bolonha, Delfim de Auvergne e de Eleonora de Comminges; sem posteridade.

  • 1 - Carlos de Berry (1362-1382), Conde de Montpensier. Casou com Marie de Sully, senhora de Sully, filha de Luís de Sully.
  • 2 - João II de Berry ( morto em 15 de abril de 1416), conde de Montpensier, Duque de Berry. Casado em Saint-Ouen em agosto de 1386 com sua prima Catarina de France (Paris 4 de fevereuro de 1377-outubro de 1388 sepultada na abadia de Maubuisson), filha de Carlos V e de Joana de Bourbon; casou em 1401 com Anne de Bourbon-La Marche (morta em setembro de 1408 em Paris), filha de João I de Bourbon, Conde de Vendôme, e de Catarina de Vendôme. Sem posteridade.
  • 3 - Luís de Berry (1364-1383).
  • 4 - Bona ou Bonne de Berry (1365-30 de dezembro de 1435 em Carlat, sepultada em Rodez. Casada em Paris em 18 de janeiro de 1377 com Amadeu VII (24 de fevereiro de 1360-1º de novembro de 1391), Conde de Savóia; casou depois em Mehun-sur-Yevre em 2 de dezembro de 1393 com Bernardo VII (1364-1418), Conde de Armagnac.
  • 5 - Maria de Berry (1370-junho de 1434 em Lyon, sepultada em Souvigny), Duquesa de Auvergne (1400). Casada em 29 de março de 1386 com Luís II de Châtillon (morto em 5 de julho de 1391), Conde de Dunois e de Blois; casada depois em Paris em 27 de janeiro de 1392 com Filipe d'Artois (1358-1397 Micalizo (Anatólia) conde de Eu, condestável de França, filho de João de Artois, o sem terra, Conde d´Eu, e de Isabel de Melun; casada por terceira vez em Paris em 22 de junho de 1400 com João I de Bourbon (1380-1434 Londres aprisionado), Conde de Clermont (1406) et de Montpensier, duque de Bourbon, filho de Luís II de Bourbon, Duque de Bourbon (1356) e de Ana de Auvergne.