Línguas na-dene

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Distribuição das línguas na-dene

As línguas na-dene (também chamadas na-dené, nadene, atabascano-eyak-tlingit) é uma família de línguas nativas americanas que inclui as línguas atabascanas, o eyak, o tlingit, e possivelmente o haida. A ligação do haida com essa família é controversa. Em fevereiro de 2008, uma suposta ligação entre a família na-dene e a língua ket, pertencente às línguas ienisseianas, faladas na Sibéria, foi publicada e tem sido bem recebida pelos linguistas[1].

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Nesse núcleo não controverso, o na-dene consiste em dois subgrupos: tlingit e atabaskano-eyak.

Para os linguistas que apoiam a tese de Edward Sapir que conecta o haida às línguas acima, o isolamento do haida representa nada mais do que um braço adicional da família na-dene, sendo o atabascano-eyak-tlingit o outro braço. O dene ou dine (as línguas atabascanas) é um grupo etnolinguístico largamente distribuído nos estados e territórios de Alberta, Colúmbia Britânica, Manitoba, Territórios do Noroeste, Nunavut, Saskatchewan, Yukon, Alasca, partes do Oregon e norte da Califórnia. O eyak era falado no sul do Alasca; o último falante da língua morreu em 2008. O navajo é a língua com o maior número de falantes dentro da família na-dene, sendo falado no Arizona, Novo México e em outras regiões do Sudoeste americano.

Perfil tipológico do atabascano-eyak-tlingit[editar | editar código-fonte]

Todas as línguas desse grupo compartilham uma complexa estrutura de prefixos verbais nos quais os indicadores de tempo e modo são situados entre os indicadores de sujeito e concordância do objeto. A principal característica morfológica dessa família é uma série de prefixos encontrados diretamente antes da raiz do verbo que aumenta ou diminui e transitividade do verbo. Esses prefixos, tradicionalmente conhecidos "classificadores", derivam historicamente da combinação de três classes distintas de morfema não encontrada em nenhuma outra família de línguas nativas americanas.

Modelo geral da morfologia do atabascano-eyak-tlingit

concordância do objeto prefixo para forma ou anatomia prefixo para tempo-modo-aspecto 1,2p concordância do sujeito prefixo perfectivo-estativo prefixo(s) classificador(es) raiz do verbo sufixo para tempo-modo-aspecto

O sistema fonético contém um grande número de consoantes gluterais (velares ou uvulares) (em muitas línguas atabascanas modernas se posicionando em frente às palatais e velares, correspondentemente) e também a ausência geral de obstruentes labiais (exceto onde o /b/ se eleva do *w). Na fonologia histórica, há uma disseminada tendência, observada ao longo das línguas atabascanas, por distinções fonêmicas tonais que se elevam dos sons glotais originalmente encontrados no final da sílaba. Os sons glotais em questão são muito evidentes no eyak e no tlingit. É incomum encontrar extensa prefixação nessas línguas, ainda que sejam SOV e pos-posicionais, características normalmente associadas à línguas sufixais.

Propostas de classificação do atabascano-eyak-tlingit em famílias maiores[editar | editar código-fonte]

A ligação genética entre o tlingit, o eyak e o atabascano foi sugerida pela primeira vez no início do século XIX, mas não foi universalmente aceita durante muito tempo. O haida, com 15 falantes fluentes (M. Krauss, 1995), fora originalmente ligado ao tlingit por Franz Boas em 1894. Tanto o haida quanto o tlingit foram relacionados ao atabascano por Edward Sapir em 1915. Lingüistas como Lyle Campbell (1997) hoje consideram essa evidência inconclusiva e classificam o haida como língua isolada. Com a finalidade de realçar a exclusão do haida, Campbell refere-se à família de línguas como atabascano-eyak-tlingit ao invés de na-dene. Jeff Leer têm proposto recentemente o nome "tlina-dine" ao invés do cansativo AET, mas que também enfatiza a exclusão do haida.

Dene-Ienissei[editar | editar código-fonte]

Recentemente, o professor Edward Vajda da Western Washington University têm apresentado evidências de que as línguas na-dene (atabascano-eyak-tlingit) são de fato relacionadas à família ienisseiana (ou ienisseica) da Sibéria.[1] , a qual possui como representante uma única língua viva, a língua ket. As principais evidências incluem analogias na prefixação verbal e também correspondência sistemática entre a distribuição dos tons do ket e a as articulações sistemáticas encontradas no atabascano-eyak-tlingit. Essa teoria têm sido bem avaliada por vários especialistas em línguas na-dene e ienisseianas, incluindo Michael Krauss, Bernard Comrie, Johanna Nichols, Victor Golla, Michael Fortescue, e Eric Hamp. Dessa teoria também conclui-se que a comparação entre o ienisseico e o na-dene mostra que o haida não pode ser classificado como unidade genética com o atabascano-eyak-tlingit se dados das línguas ienisseianas forem considerados. [2]

Antigas propostas[editar | editar código-fonte]

De acordo com a controversa classificação de Joseph Greenberg das línguas norte-americanas, na-dene (incluindo haida bem como atabascano-eyak + tlingit) é um dos três maiores grupos de línguas nativas faladas nas Américas, e representa uma onda de migração distinta da Ásia para as Américas. A relação genética do tlingit, eyak e atabascano é comumente aceita, enquanto a inclusão do haida permanece controversa. As outras duas famílias reconhecidas por Greenberg para as Americas é a bem aceita família esquimó-aleúte, falada na Sibéria, Alasca, no Ártico canadense e na Groenlândia, e a muito menos aceita ameríndia, a classificação mais controversa de Greenberg, que inclui toda língua nativa das Américas que não pertence ao esquimó-aleúte ou ao na-dene.

Apoiadores contemporâneos da teoria de Greenberg como Merritt Ruhlen têm sugerido que a família linguística na-dene representa uma onda migracional distinta da Ásia para o Novo Mundo. Ruhlen afirma que essa migração teria ocorrido de seis a oito mil anos atrás, o que seria quatro mil anos mais tarde após a primeira migração empreendida pelos falantes de línguas ameríndias. Ruhlen especula que os falantes do na-dene poderiam ter chegado em embarcações, inicialmente aportando nas Ilhas da Rainha Carlota, na Colúmbia Britânica, Canadá. [2]

De acordo com Sergei Starostin e seus seguidores, na-dene (incluindo haida) pertence à muito mais vasta superfamília dene-caucasiana, que também conta com as famílias caucasiana setentrional, sino-tibetana, ienisseiana e o basco. Algumas das ligações pertinentes à superfamília dene-caucasiana foram propostas muito antes. A hipótese de que o sino-tibetano é geneticamente relacionado ao na-dene (incluindo o haida) já fora considerada por Edward Sapir há quase um século atrás.[3]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. See Vajda 2008b
  2. Dene-Yeniseic Symposium. Alaska Native Language Center, University of Alaska Fairbanks
  3. Campbell, Lyle (1997). American Indian Languages: The Historical Linguistics of Native America. Oxford: Oxford University Press

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Dürr, Michael & Egon Renner. 1995. The history of the Na-Dene controversy: A sketch. Language and Culture in North America: Studies in Honor of Heinz-Jürgen Pinnow, ed. by Egon Renner & Michael Dürr, 3-18. (Lincom Studies in Native American Linguistics 2). Munich: Lincom Europa.
  • Enrico, John. 2004. Toward Proto – Na-Dene. Anthropological Linguistics 46(3).229 – 302.
  • Goddard, Pliny E. 1920. Has Tlingit a genetic relationship to Athapascan. International Journal of American Linguistics 1.266 – 279.
  • Hamp, Eric P. 1979. Tongass Tlingit and Na-Dene. Berkeley Linguistics Society 5.460 – 463.
  • Hymes, Dell. 1956. Na-Dene and positional analysis of categories. American Anthropologist 58.624 – 628.
  • Hymes, Dell. Na-Dene ethnopoetics: A preliminary report: Haida and Tlingit. Language and Culture in North America: Studies in Honor of Heinz-Jürgen Pinnow, ed. by Egon Renner & Michael Dürr, 265 – 311. (Lincom Studies in Native American Linguistics 2). Munich: Lincom Europa.
  • Krauss, Michael E. 1964. Proto-Athapaskan-Eyak and the problem of Na-Dene: The phonology. International Journal of American Linguistics 30(2).118 – 36.
  • Krauss, Michael E. 1965. Proto-Athapaskan-Eyak and the problem of Na-Dene II: The morphology. International Journal of American Linguistics 31(1).18 – 28.
  • Krauss, Michael E. 1968. Noun classification systems in Athapaskan, Eyak, Tlingit, and Haida verbs. International Journal of American Linguistics 34(3).194 – 203.
  • Krauss, Michael E. 1973. Na-Dene. Linguistics in North America, ed. by Thomas A. Sebeok, 903-78. (Current Trends in Linguistics 10). The Hague: Mouton.
  • Leer, Jeff. 1979. Proto-Athabaskan verb stem variation, part one: Phonology. (Alaska Native Language Center Papers 1). Fairbanks, Alaska: Alaska Native Language Center.
  • Leer, Jeff. 1989. Directional systems in Athapaskan and Na-Dene. Athapaskan linguistics: Current perspectives on a language family, ed. by Eung-Do Cook & Keren Rice, ch. 15, pp. 575 – 622. (Trends in linguistics: State of the art reports 15). Berlin: Mouton de Gruyter. ISBN.
  • Levine, Robert D. 1979. Haida and Na-Dene: A new look at the evidence. International Journal of American Linguistics 45(2).157 – 70.
  • Pinnow, Heinz-Jürgen. 1962. Two problems of the historical phonology of Na-Dene languages. International Journal of American Linguistics 28.162 – 166.
  • Pinnow, Heinz-Jürgen. 1964. On the historical position of Tlingit. International Journal of American Linguistics 30.155 – 164.
  • Pinnow, Heinz-Jürgen. 1966. Grundzüge einer historischen Lautlehre des Tlingit. Wiesbaden: Otto Harrassowitz.
  • Pinnow, Heinz-Jürgen. 1968a. Genetic relationships versus borrowing in Na-Dene. International Journal of American Linguistics 34(3).194 – 203.
  • Pinnow, Heinz-Jürgen. 1968b. Sprachhistorische Studien zur Verbstammvariation im Tlingit. Orbis 17.509 – 531.
  • Pinnow, Heinz-Jürgen. 1970. Notes on the classifiers in the Na-Dene languages. International Journal of American Linguistics 36(1).63 – 67.
  • Pinnow, Heinz-Jürgen. 1976. Geschichte der Na-Dene-Forschung. (Indiana : Beihefte ; 5). Berlin: Mann. ISBN 3-7861-3027-2
  • Rubicz, R., Melvin, K.L., Crawford, M.H. 2002. Genetic Evidence for the phylogenetic relationship between Na-Dene and Yeniseian speakers. Human Biology, Dec(6).743 – 761.
  • Ruhlen M. 1998. "The Origin of the Na-Dene". Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America. 95, no. 23: 13994-6.
  • Sapir, Edward. 1915. The Na-Dene languages: A preliminary report. American Anthropologist 17.534 – 558.
  • Thompson, Chad. 1996. The Na-Dene middle voice: An impersonal source of the D-element. International Journal of American Linguistics 62(4).351 – 378.
  • Vajda, Edward (2008). A Siberian Link with Na-Dene Languages (PDF). Dene-Yeniseic Symposium, Fairbanks.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]