Lúcio Cecílio Metelo Diademato

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
NoFonti.svg
Este artigo ou se(c)ção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde Abril de 2013). Por favor, adicione mais referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Lúcio Cecílio Metelo Diademato foi um político da República Romana.

Diademato era o segundo filho de Quinto Cecílio Metelo Macedônico. Recebeu a sua alcunha (cognome) devido a uma úlcera na cabeça, que o fazia usar uma espécie de bandana. A palavra diadematus, em latim, era uma alusão aos diademas usados pelos reis do Oriente.[1] Diademato uniu-se ao grupo de opositores de Caio Semprônio Graco.

Foi eleito cônsul junto a Quinto Múcio Cévola, o Áugure, para o ano de 117 a.C.[2] Por causa de erros no calendário romano,[Nota 1] eles tomaram posse no dia 1o de janeiro do calendário, correspondende ao dia 5 de setembro do calendário juliano proléptico.[1] [Nota 2] Durante o seu consulado foi dedicada a promover obras de desenvolvimento pela Itália, projetando a Via Caecília. Um ano depois foi procônsul na Gália Cisalpina.

Diademato foi eleito censor em 115 a.C. junto a Cneu Domício Enobarbo, e durante o seu censorado ditaram a expulsão de 32 senadores do senado romano.[3]

Opôs-se às reformas de Lúcio Apuleio Saturnino e quando este tentou opor-se ao senado por meio da força, Diademato uniu-se aos senadores que foram arrestá-lo.[4]

Em 99 a.C., tentou junto a Caio Cecílio Metelo Caprário chamar do desterro ao que fora castigado o seu primo, Quinto Cecílio Metelo o Numídico, por não jurar defender uma lei de Saturnino.[5]

Segundo Charles de Brosses, ele foi o pai de Lúcio Cecílio Metelo, cônsul em 68 a.C.,[Nota 3] e que morreu enquanto ocupava o consulado.[6]

Notas e referências

Notas

  1. O calendário romano acumulou erros, que só foram corrigidos a partir de 47 a.C.
  2. O texto de Saint-Allais se refere, imprecisamente, ao calendário juliano, que só foi estabelecido cerca de 70 anos depois.
  3. No tabela composta por Charles de Brosses, 685 ab urbe condita.

Referências

  1. a b Nicolas Viton de Saint-Allais, L'art De Vérifier Les Dates Des Faits Historiques: Des Inscriptions, Des Chroniques Et Autres Anciens Monuments, Avant L'ère Chretiénne, Volume 5 (1819), p.308 [google books]
  2. George Crabb, Universal Historical Dictionary: Or Explanation of the Names of Persons and Places in the Departments of Biblical, Political and Eccles. History, Mythology, Heraldry, Biography, Bibliography, Geography, and Numismatics, Volume 2 (1833), History of Rome [google books]
  3. Cícero, Pro A. Clontio 191; Tito Lívio, Periochae 62; Plutarco, Mario 5.
  4. Cícero, Pro C. Rabirio perdollionis reo 21.
  5. Cícero, Oratio post reditum in senatu 37.
  6. Charles de Brosses, tradutor de Salústio para o francês, Histoire de la République Romaine, dans le cours du VIIe siècle; par Salluste; en partie traduite du latin sur l'original; en partie rétablie et composée sur les fragmens qui sont restés de ses livres perdus (1777), p.84 [em linha]

Árvore genealógica baseada neste artigo e no artigo do pai. Por simplificação, não estão incluídos tios, primos ou sobrinhos:

 
 
 
 
 
 
Quinto
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quinto
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Quinto
 
Lúcio
 
Marco
 
Caio
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
Lúcio

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por:
Quinto Márcio Rex e Marco Pórcio Catão
Cônsul da República Romana
com Quinto Múcio Cévola, o Áugure

117 a.C.
Sucedido por:
Caio Licínio Geta e Quinto Fábio Máximo Eburno