Llullaillaco

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Llullaillaco
Llullaillaco
Llullaillaco está localizado em: Chile
Llullaillaco
Coordenadas 24° 43' 12" S 68° 32' 12" O
Altitude 6 739 m (22 110 pés)
Proeminência 2 344 m
Localização  Chile/ Argentina
Cordilheira Puna de Atacama, Andes
Última erupção 1877
Primeira ascensão Final do século XV ou início do século XVI por indígenas com fins rituais

Llullaillaco é um estratovulcão localizado na fronteira entre Argentina e Chile, na Cordilheira dos Andes. O vulcão atinge 6.739 metros de altitude e sua última explosiva erupção ocorreu em 1877.

Fica na Puna de Atacama, região de altos picos vulcânicos, que conforma um planalto no deserto de Atacama, entre a Argentina e o Chile que é considerado por muitos como o começo ou o fim do Altiplano Boliviano, um dos locais do mundo com menos precipitação. É a sétima montanha mais alta dos Andes.[1]

A primeira ascensão com fins desportivos foi feita em dezembro de 1952, por Bión González e Juan Harseim.

O acesso ao Llullaillaco é feito por meio de veículos 4x4 ou mulas. Estas últimas podem ser alugadas aos habitantes dos vilarejos da zona. Do lado chileno, pode-se aceder atravessando o parque nacional homônimo, por meio de caminhos de terra em mau estado e pistas escassamente sinalizadas, correndo o risco de terminar em campos minados. Tais caminhos terminam numa zona onde habitualmente os montanhistas estabelecem o seu acampamento base, a 4600 m de altitude.[2]

Pela Argentina o acesso é feito pela província de Salta[3] , através do povoado de Tolar Grande, após percorrer cerca de 200 km por trilhas 4x4 em um local bastante remoto.

Sítios arqueológico no Llullaillaco[editar | editar código-fonte]

O Llullaillaco é famoso por ter o sítio arqueológico mais alto do mundo, de onde foram retiradas 3 crianças mumificadas. Tais crianças encontra-se hoje no acervo do MAM, Museo Arqueológico de Alta Montanha, localizado na cidade de Salta[4] .

O excecional estado de preservação das múmias encontradas no topo do vulcão suscitou a curiosidade do especialista em microbiologia Steve Schmidt, da Universidade do Colorado, que deduziu que os micróbios que poderiam existir neste ambiente extremo, se algum efetivamente exista, deveriam tratar-se de extremófilos muito especiais.[5]

Imagens[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Llullaillaco

Referências

  1. Andes 6000m peak list
  2. Los 6000's de Chile - Volcán Llullaillaco
  3. Pedro Hauck (22/01/2014). O difícil caminho até o Llullaillaco. Blog do Pedro Hauck. Página visitada em 08/06/2014.
  4. Cristian Vitry. Colección del Museo Arqueológico de Alta Montaña. MAM. Página visitada em 08/06/2014.
  5. Douglas Main (Jun 20, 2012). OurAmazingPlanet: Extreme Microbes Found Near Mummy Burial Site (em inglês).
Ícone de esboço Este artigo sobre vulcões é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.