Ma Barker

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde maio de 2010).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoScirusBing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Ma Barker
Nome Kate Barker
Nascimento 8 de outubro de 1873
 Estados Unidos
Morte 16 de janeiro de 1935 (61 anos)
Situação Morta pelo FBI

Kate "Ma" Barker (8 de outubro de 1873 - 16 de janeiro de 1935) foi uma notória criminosa norte americana que viveu na época da chamada "Era dos Inimigos Públicos", fenômeno da Depressão e que teve lugar na região do Meio-Oeste do país. Com a sua morte sendo bastante explorada pela imprensa sensacionalista, Ma Barker tornou-se "lenda" da crônica policial, se juntando nisso a Bonnie e Clyde e John Dillinger, outros malfeitores conhecidos da época.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Kate Barker nasceu em Ash Grove (Missouri), perto de Springfield e recebeu o nome de Arizona Donnie Clark. Seus pais eram cristãos conservadores que criaram os filhos respeitando os valores tradicionais e o trabalho duro. Em 1884 ela se casou com George Barker, com quem teve quatro filhos: Herman, Lloyd, Arthur e Fred. George Barker abandonou a família, logo após o nascimento do quarto filho. Kate Barker o considerava um "bêbado" que não trabalhava e que a abandonou. Kate teve que educar seus filhos sozinha. Mas, aos poucos, sem a presença paterna, eles se tornaram delinquentes juvenis. Ma Barker frequentemente livrava seus filhos das condenações, intercedendo por eles a policiais e delegados.

Controvérsia[editar | editar código-fonte]

A casa na Flórida onde "Ma" e seu filho Fred morreram

Os filhos de Kate Barker formaram a quadrilha Barker-Karpis, foram autores de vários roubos, sequestros e outros crimes, cometidos entre 1931 e 1935. Kate Barker ajudou nas atividades do bando, mas sua imagem de líder e estrategista das ações criminosas parecem ser mito. Não existem provas da participação ativa de Kate em nenhum dos crimes da quadrilha. Sua ação consistia em oferecer abrigo aos quadrilheiros e disfarçar-se como uma inocente "mãe" com seus filhos.

Muitos, inclusive o quadrilheiro Alvin Karpis, levantaram a hipótese de que o mito da "mãe criminosa" fora engedrado por J. Edgar Hoover e o FBI, para justificar a morte da anciã. Ma Barker morreu no tiroteio que aconteceu quando o FBI cercou a cabana em que ela e seu filho Fred se escondiam, localizada no Lago Weir, na região de Ocklawaha (Flórida), em 16 de janeiro de 1935. Fred Barker, que também morreu com os disparos, seria verdadeiramente o alvo do FBI.

Cultura popular[editar | editar código-fonte]

  • O mito de Ma Barker inspirou a novela de James Hadley Chase, "No Orchids for Miss Blandish" (1939), que mostra uma mãe com seus filhos mafiosos;
  • A "verdadeira" história de Ma Barker foi contada pelo cinema no filme "Bloody Mama" (1970), dirigida por Roger Corman e com Shelley Winters no papel de Ma e o jovem Robert de Niro como Lloyd Barker;
  • Há o seriado "Dick Tracy Returns" (1938), no qual aparece Pa Stark e seus filhos; e Mama Fratelli, em "The Goonies" (1985);
  • O personagem cômico Ma Dalton da série de Lucky Luke, também foi inspirado na criminosa lendária;
  • Outros personagens inspirados em Ma Barker: Ma Parker, inimiga do Batman na série dos anos 1960; e "Mãe Metralha", dos quadrinhos Disney dos Irmãos Metralha;
  • A canção de 1977 do grupo Boney M, denominada "Ma Baker", faz referência à criminosa.
  • O nome da banda cristã americana de rock "Maylene and the Sons of Disaster" faz referência à lenda de Ma Barker, como descrito no website da banda: http://www.mayleneandthesonsofdisaster.us/.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]