Marinha Imperial Russa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde outubro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
A Frota Imperial no Mar Negro, 1916.

A Marinha Imperial Russa refere-se à frota czarista anterior à Revolução Bolchevique,

A Marinha Imperial Russa sendo originalmente composta de 4(quatro) Esquadras; em que figuravam como belonaves os "Couraçados" (grandes navios de guerra, construídos em estaleiros da Rússia Imperial) que capitaneavam e davam suporte à Armada. Tal comportamento russo, segundo diversos estudiosos da área de estratégia e geopolítica, tem como norte - doutrinário a obra do conhecido pelo renomado estrategista de procedência norte-americana o comandante Alfred Thayer Mahan, que dizia em seus compêndios - "... que a defesa militar de País marítimo não fica na costa. Mas começa no mar..." - Dai os investimentos russos do Império em estaleiros e tecnologia naval de ponta. Estaleiros esses, que terão no futuro a partir de 1917, sob influência de Lenin (também um estrategista) e sua revolução comunista.

É a doutrina de A. T. Mahan, segundo historiadores da área militar, que justifica e esplica a construção de inúmeros navios como o famoso Couraçado Potemkin (que era um dos menores, considerado "de - bolso") e outros tantos maiores chamados na época de "couraçados - de - batalha", "cruzadores - de - batalha (Couraçados - de - Bolso, mais rápidos)", "Enouraçados - torpedeiros(depois substituidos pelos submarinos nas marinhas de outros Países)", "contratorpedeiros encouraçados", "mineiros encouraçados" e "caça - minas encouraçados" e, principalmente os submarinos, de nova tecnologia, tecnologia de ponta, sendo a Rússia, um dos poucos países do mundo, na época, que já tinham os submarinos, construído em seus estaleiros.

O poder naval russo, sempre procurou ser, segundo parecer de alguns engenheiros, estrategistas e almirantes russos, na época e acabou o sendo, pelos estudos dos diversos cenários navais dos teatros em que o poder russo se inseria e tornavam-se necessários os submarinos e continuaram o sendo, após a chegada dos comunistas(visão estratégica de Lenin, segundo pesquisadores da História Naval da Russia).

Como curiosidade Histórica, quando os comunistas chegaram ao poder, venderam esses navios, ditos por eles "sucatas" devido a inúmeras perdas, historicamente isso é comprovado. Venderam por entender que a estratégia naval estava mudando pelo exame do teatro naval mundial e depois da derrota da Batalha de Tsushima, frente aos japoneses, onde os russos tiveram uma redução da sua Armada em 2/3, começaram então a dar maior ênfase ao submarino para repor sua Armada e na transformação paralela das naves de superfície por outras com maior rapidez e menos couraças.

Dessa forma foram vendidos esses navios de maior couraça por bom preço aos alemães, por Lenin, que preferia investir em frota de submarinos.

Os alemães compraram a maior parte dos 1/3 restantes da Armada couraçada, para repor às perdas da Batalha da Jutlândia, que tiveram baixas frente a Armada Britânica.

Esses mesmos navios pesados, ditos 'sucatas russas(segundo Lenin)', deram bastante trabalho aos países vitoriosos da Primeira Guerra Mundial (vide Museu Naval do Rio de Janeiro Brasil), juntamente com informações do Serviço Naval de Inteligência (SNI - Naval) da época em documentário (o Brasil participou da Primeira Guera Mundial), com sua Marinha.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Marinha Imperial Russa
  • Sondhaus, Lawrence (London, 1980) NAVAL WARFARE 1915 - 1919
  • Lambert, Andrew (London, 1980) BATTLESHIP IN TRANSITION THE CREATION OF THE STEAM BATTLEFLET 1815 - 1860
  • Colbert, Sir Julian (London, 1984) MARITIME OPERATIONS IN THE RUSSO - JAPANESES WAR 1904 -1905
  • SNI - Naval (Serviço Naval de Inteligência do Brasil), Documentário Histórico no Museu Naval da Cidade do Rio de Janeiro (Brasil)