Mazda MX-5

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita nenhuma fonte ou referência, o que compromete sua credibilidade (desde abril de 2014).
Por favor, melhore este artigo providenciando fontes fiáveis e independentes, inserindo-as no corpo do texto por meio de notas de rodapé. Encontre fontes: Googlenotícias, livros, acadêmicoYahoo!Bing. Veja como referenciar e citar as fontes.
Wikitext.svg
Este artigo ou seção precisa ser wikificado (desde abril de 2014).
Por favor ajude a formatar este artigo de acordo com as diretrizes estabelecidas no livro de estilo.
Mazda MX-5
91MazdaMiataGreen.jpg
Visão Geral
Nomes
alternativos
Mazda MX-5 Miata
Mazda Miata
Eunos Roadster
Mazda Roadster
Mazda mx5
Mazdaspeed MX-5
Produção 1989- presente
Fabricante Mazda
Modelos relacionados
Alfa Romeo Spider
Fiat Barchetta
MG F
MG Midget
Toyota MR2
Pontiac Solstice
Último
Último
Próximo
Próximo


Também conhecido como "Eunos" no Japão e "Miata" nos EUA, o Mazda Mx-5 é um carro de culto.

Em Novembro de 1983 a Mazda Motor Corporation lançou um programa inovador, denominado “Offline 55”. O objectivo era o de promover alterações de fundo no desenvolvimento de novos produtos da marca. Por outras palavras, tentar antever o que deveriam ser as propostas da marca para o futuro, e preferencialmente que fossem encorajadoras. De todas as propostas apresentadas, uma destacou-se de imediato: a de um carro desportivo com um peso muito reduzido. O desenvolvimento desta proposta foi entregue em simultâneo aos centros de design da Mazda em Tokyo e na Califórnia, sob a orientação do responsável de projecto Masakatsu-san. A proposta definitiva recaiu sobre a que foi apresentada pela equipa da Califórnia, para um roadster de motor à frente e tracção traseira, com o nome de código P279. O protótipo motorizado desenvolvido em seguida, o V705, foi concebido e construído em Inglaterra pela International Automotive Design, e em 1985 um modelo único deste V705 rolou pela primeira vez nas estradas de Santa Bárbara, nos Estados Unidos.

Em Fevereiro de 1986, Toshihiko Hirai foi nomeado Responsável do Programa de Produto para a fase de produção. O seu desafio era o de tornar exequível para produção em série o protótipo concebido manualmente, em peças de aço e carroçaria de plástico. Enquanto isso Tom Matano e Koichi Hayashi procediam a pequenos ajustamentos estéticos ao modelo no centro de design da Califórnia. O resultado conjunto do seu trabalho veio a resultar no design único e exclusivo do Mazda MX-5.

O nascimento de um mito[editar | editar código-fonte]

Surgia uma estrela. Em Fevereiro de 1989 o Mazda MX-5 apareceu ao público pela 1ª vez no Salão Automóvel de Chicago. Um mês mais tarde estava já à venda em Hiroshima. O resto, como se diz, é história. A comunicação social apaixonou-se pelo carro e os pedidos de clientes ultrapassavam a capacidade de fornecimento. Era um misto de clássico britânico com a pureza de um roadster italiano, tudo com muita sensualidade e promessa de prazer de condução, disponível para todos. Foi uma autêntica revolução. O Mazda MX-5 foi considerado o renascimento do conceito do roadster. Ainda hoje o pequeno roadster, dotado de um motor 1.6 com 116cv, com uma distribuição perfeita de pesos (50% sobre cada eixo) permite um "gozo" de condução só comparável a grandes máquinas pouco acessíveis às bolsas comuns, esta é a versão mais purista do Mx-5 (conhecida como NA) e é nela que o culto por este modelo tem inicio.

Não será exagero dizer que este carro fez renascer um segmento do Mercado automóvel. E qual a origem do nome? MX vem de “Mazda Experimental”, “5” porque era o número sequencial na série de projectos concept da Mazda. Mazda MX-5, um nome que iria marcar a história do automóvel.

Evolução[editar | editar código-fonte]

Em 1993, a necessidade de cumprir normas de emissões de gases poluentes mais apertadas e de requisitos acrescidos de segurança, levaram à introdução de alterações ao motor 1.6L. Estas surgiram sob a forma de um novo motor 1.8L BP-ZE, que viria em 1995 a ter nova actualização, em Portugal continuou a ser vendido o motor 1.6 agora com 90Cv, sendo o 1.8 a alternativa mais cara. Esta última geração foi beneficiada pela introdução de uma unidade de comando da admissão, que optimizava a mistura, bem como de reduções significativas no peso geral do conjunto.

Foram também lançadas diversas séries limitadas, nomeadamente s STO, comemorativa dos últimos veículos desta geração. A sigla traduzia-se por “Still The One”, em sinal de homenagem a Toshihiko Hirai, considerado o criador da 1ª geração. Em 1999 foram introduzidas novas alterações ao Mazda MX-5, ao nível do design exterior. O resultado, expresso em novas ópticas e uma nova silhueta, voltaria a revelar-se um sucesso comercial. Nas palavras de Tom Matano “O MX-5 foi até ao ginásio, ganhou músculo e fibra”, esta versão passou a ser conhecida por NB e manteve as motorizações 1.6 e 1.8 agora com 110 e 140cv respectivamente. A primeira edição especial desta versão foi feita para comemorar o 10º aniversário do Mx-5 é denominada "10º aniversário", vem com a carroçaria em azul mica (cor ainda hoje apenas usada nesta edição), jantes cromadas, suspensão e decoração interior especiais. Foram feitos 7500 exemplares numerados para todo o mundo, em Portugal foram vendidas cerca de 25 unidades. Em 2001 o NB foi alvo de "face lift" ligeiro que lhe mudou os faróis e pouco mais.

A nova geração[editar | editar código-fonte]

No Salão Automóvel de Genebra de 2005 foi apresentada a 3ª geração do Mazda MX-5, conhecido por NC. Apresenta uma grande mudança a nível de motores (agora vem com um 1.8 de 126cv ou um 2.0 de 160cv, ambos bastante diferentes dos usados até agora), travões, habitabilidade e principalmente a nível estétito. Como sempre os mais tradicionalistas desconfiam das mudanças mas será com certeza uma nova página da história deste roadster que seguramente não ficará por aqui.

As características únicas deste carro justificam plenamente o título (Livro de Recordes do Guinness) de roadster mais vendido do mundo.

Os fãs[editar | editar código-fonte]

Dada a (relativa) exclusividade deste automóvel, existem por todo o mundo clubes de aficionados e Portugal não é excepção, com um clube nacional e um fórum de grande sucesso na internet onde os membros partilham gostos e interesses, são normalmente feitos encontros e eventos que reúnem os fãs deste automóvel único.