Naja haje

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Como ler uma caixa taxonómicaNaja egípcia
L14cobra.jpg

Classificação científica
Reino: Animalia
Filo: Chordata
Classe: Reptilia
Subclasse: Diapsida
Superordem: Lepidosauria
Ordem: Squamata
Subordem: Serpentes
Família: Elapidae
Género: Naja
Espécie: N. haje
Nome binomial
Naja haje
(Linnaeus, 1758)
Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Naja haje
Wikispecies
O Wikispecies tem informações sobre: Naja haje
Snake5.jpg
Egyptian Cobra 001.jpg
Egyptian Cobra 005.jpg

Naja egípcia (Naja haje) é uma espécie de naja nativa do norte e centro da África e da Arábia, sendo uma das maiores najas.

Descrição[editar | editar código-fonte]

A naja egípcia tem entre 1,5 e 2,4 m de comprimento. As características mais reconhecíveis de uma cobra egípcia estão na sua cabeça. A cabeça é grande e achatada, com um focinho largo. Os olhos da cobra são grandes com pupilas redondas. Sua garganta pode variar de 15 a 18 centímetros. A cor é variável, mas a maioria dos exemplares são algumas tonalidades de marrom, muitas vezes com manchas mais claras ou mais escuras, e muitas vezes uma "gota" embaixo do olho. As espécies do noroeste da África (Marrocos, Saara Ocidental) são quase inteiramente pretas.

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Está distribuído em toda a Arábia, Deserto do Saara, Chifre da África e República Democrática do Congo.

Habitat[editar | editar código-fonte]

A naja egípcia normalmente vive em savana seca e as regiões semidesérticas com pelo menos um pouco de água. A naja também podem ser encontradas em oásis, terreno agrícola, morros com vegetação esparsa e gramados. Essas cobras não têm medo dos seres humanos e geralmente entram nas casas. Elas são atraídas para as aldeias humanos por galinhas e ratos que são atraídos pelo lixo. Há também relatos que essas najas nadam no mar Mediterrâneo.

Comportamento[editar | editar código-fonte]

A naja egípcia é silvestre, terrestre e noturna, embora em cativeiro eles parecem tem hábitos diurnos. Pode, no entanto, ser visto sob o sol, muitas vezes no início da manhã. Ele mostra uma preferência por um lar permanente em tocas de animais abandonados, cupinzeiros ou afloramentos de rocha e outros, às vezes entrando habitações humanas para caçar aves domésticas. Geralmente, elas fogem, mas se ameaçada ela assume a postura ereta típica. Suas presas são pequenos mamíferos, lagartos, sapos, cobras e outros.

Veneno[editar | editar código-fonte]

O veneno da cobra egípcia é neurotóxica, principalmente, a quantidade média de veneno normalmente atinge aos 175–200 mg em uma única mordida. Seu veneno afeta o sistema nervoso, interrompendo os sinais nervosos sejam transmitidos para os músculos e em fases posteriores parando os que foram transmitidos para o coração e os pulmões, causando a morte devido à parada cardiorrespiratória. O envenenamento provoca dor local, inchaço grave, contusões, bolhas, necrose e variável de efeitos não-específicos, que podem incluir dores de cabeça, náuseas, vômitos, dor abdominal, diarréia, tontura, desmaio ou convulsão, juntamente com moderada possível paralisia flácida grave. Ao contrário de outras cobras africanas, esta espécie não cospe veneno.

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O nome da espécie haje é a transliteração do árabe حية que significa cobra ou víbora. A Naja annulifera e Naja anchietae foram anteriormente considerados como subespécies de Naja haje, agora foram mostradas como espécies distintas.[1] A população árabe eram há muito reconhecido como uma subespécie separada, Naja haje arabica, e a população marroquina, por sua vez, como Naja haje legionis. Um estudo recente concluiu que a cobra árabe constitui uma espécie separada, Naja arabica, enquanto a subespécie legionis é sinônimo com N. haje. O mesmo estudo identificou também as populações do cerrado da África Ocidental como uma espécie separada e descreveu-o como Naja senegalensis.

Sinonímia[editar | editar código-fonte]

  • Cerastes candidus Laurenti 1768
  • Coluber caecus Gmelin 1788
  • Coluber candidissimus Lacépède 1789
  • Coluber naja Linnaeus 1758: 221
  • Coluber rufus Gmelin 1788
  • Naja ceylonicus Osorio E Castro & Vernon 1989
  • Naja fasciata Laurenti 1768
  • Naja lutescens Laurenti 1768
  • Naja maculata Laurenti 1768
  • Naja naja Stejneger 1907
  • Naja nigra Gray 1830
  • Naja non-naja Laurenti 1768
  • Naja tripudians Merrem 1820
  • Uraeus haje Wallach et al. 2009
  • Vipera haje Daudin 1803

Subespécies[editar | editar código-fonte]

  • Naja haje anchietae Mertens 1937
  • Naja haje arabica Haas 1957
  • Naja haje haje Linnaeus 1758
  • Naja haje legionis Valverde 1989

História[editar | editar código-fonte]

A naja egípcia era representada na mitologia egípcia pela deusa (com cabeça de cobra) Meretseger. Uma naja egípcia - sob a forma de o uraeus representando a deusa Uadjit - era o símbolo de soberania para os faraós, que a incorporou no seu diadema. Esta iconografia foi continuado durante o período helenístico no Egito (305 aC-30 aC).

A maioria das fontes antigas dizem que a Cleópatra e seus dois assistentes cometeram suicídio por ter sido mordido por uma víbora, que se traduz em inglês como "asp". A cobra teria sido contrabandeada para o seu quarto em uma cesta de figos. Plutarco escreveu que ela realizou experimentos em prisioneiros condenados e encontrou veneno mais indolor de todos os venenos mortais. Esta víbora provavelmente teria sido a naja egípcia.

Referências

  1. Broadley, D.G. (1995) The snouted cobra, Naja annulifera, a valid species in southern Africa. Journal of the Herpetological Association of Africa, 44, 26–32.}

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre Répteis, integrado no Projeto Anfíbios e Répteis é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.