Network File System

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Protocolos Internet (TCP/IP)
Camada Protocolo
5.Aplicação HTTP, SMTP, FTP, SSH, Telnet, SIP, RDP, IRC, SNMP, NNTP, POP3, IMAP, BitTorrent, DNS, Ping ...
4.Transporte TCP, UDP, RTP, SCTP, DCCP ...
3.Rede IP (IPv4, IPv6) , ARP, RARP, ICMP, IPsec ...
2.Enlace Ethernet, 802.11 WiFi, IEEE 802.1Q, 802.11g, HDLC, Token ring, FDDI, PPP,Switch ,Frame relay,
1.Física Modem, RDIS, RS-232, EIA-422, RS-449, Bluetooth, USB, ...
Human-folder-remote-nfs.svg

NFS (acrônimo para Network File System) é um sistema de arquivos distribuídos desenvolvido inicialmente pela Sun Microsystems, Inc., a fim de compartilhar arquivos e diretórios entre computadores conectados em rede, formando assim um diretório virtual. O protocolo Network File System é especificado nas seguintes RFCs: RFC 1094, RFC 1813 e RFC 3530 (que tornou obsoleta a RFC 3010).

Finalidade[editar | editar código-fonte]

O cliente NFS tem por finalidade tornar o acesso remoto transparente para o usuário do computador, e esta interface cliente e servidor, executada pelo NFS através dos protocolos Cliente-Servidor, fica bem definida quando o usuário ao chamar um arquivo/diretório no servidor, lhe parece estar acessando localmente, sendo que está trabalhando com arquivos remotos.

Para que os clientes tenham acesso aos arquivos, é feita uma requisição ao servidor que, dependendo das permissões do cliente, responde confirmando a requisição. A partir desse ponto a hierarquia de diretórios e arquivos remotos passa a fazer parte do sistema de arquivos local da máquina.

Existe neste ponto uma relação com o Sistema de Nomeação de Arquivos, pois há a necessidade de se criar o endereço daqueles arquivos ou diretórios. Este sistema cuida de identificar a localização de um determinado arquivo ou diretório, quando se é fornecido seu nome ou caminho. Para isso o sistema deve oferecer uma resolução por nomes (mapeamento de nomes de arquivos legíveis por humanos – strings, para nomes de arquivos legíveis por máquinas – números manipuláveis por máquinas) ou resolução por localização (mapeamento de nomes globais para uma determinada localização), ou ainda, ambas.

Utilização[editar | editar código-fonte]

Um exemplo da utilização do NFS é a disponibilização das áreas de trabalho dos usuários em toda a rede e, quando este efetua o login, seu diretório de trabalho pode ser acessado via NFS. Supondo que o usuário mude de estação de trabalho, o seu diretório pode ser disponibilizado novamente nesta estação e sem que nenhuma configuração adicional seja realizada.

Sua interface é pública e muito utilizada para o compartilhamento de leituras e organizações acadêmicas, pelas vantagens de, entre outras: transparência; unificação de comandos; redução de espaço local; independência de sistemas operacionais e hardware.

Para um sistema cliente-Servidor, o cliente pode sempre que logar na máquina "importar" automaticamente os diretórios e arquivos que o mesmo criou na sua área pessoal, por exemplo (para implementar esse sistema de importacão de arquivo associado a um usuário em específico é necessário ter configurado um Sistema com LDAP ou NIS, além do NFS).

Implementação[editar | editar código-fonte]

Para que os clientes possam acessar o servidor NFS é necessário que os seguintes daemons estejam executando[1] :

nfsd - daemon NFS, que atende requisições dos clientes NFS.
mountd - daemon de montagem NFS, que executa as solicitações que o nfsd lhe passa.
portmap - daemon portmapper, permite que clientes NFS descubram qual porta o servidor NFS está utilizando.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Referências

  1. FreeBSD Handbook - NFS (em português)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]