Papiros de Elefantina

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Papiros de Elefantina ou Papiros Elefantinos é o nome dado ao conjunto de arquivos em papiro e documentos manuscritos que pertenceram aos membros de uma comunidade judaica que habitavam Elefantina (antigo Yeb), perto de Assuã, no Alto Egito, entre 495 e 399 a.C..

As primeiras indicações da existência desta comunidade foram reveladas nos papiros adquiridos por Giovanni Belzoni. Outros textos, incluindo ostracas, também foram comprados no final do século XIX. A escavação arqueológica em isla começou em 1904, produzindo vários arquivos, cujos textos revelavam fascinantes detalhes da vida cotidiana daquele grupo.

Os papiros estão escritos em aramaico, a língua franca do Império Aquemênida dos séculos V e IV a.C. parte do Egito e Palestina. Esta comunidade judaica possuiu seu próprio templo a YHVH, em isla de Elefantina, situado junto a capela erigida antigamente para culto ao deus local Khnum.

os achados indicam que durante o período do exílio em Babilónia , os judeus que fugiram para Elefantina, no Alto Egito, estabeleceram um templo e um altar.[1]

Os papiros fazem menção a Sambalá, governador de Samaria, e confirmam o registro bíblico , mostrando que o aramaico usado no Esdras é característico daquele período, pois as cartas foram escritas num estilo e numa linguagem similares aos papiros elefantinos.(Neemias 4:1)

Os principais arquivos judaicos são:

  • Mibtahian: 11 documentos jurídicos, arquivo de uma família, 471-410 a.C..
  • Ananiah: 13 documentos jurídicos, arquivo de uma família, 456-402 a.C..
  • Yedaniah: 11 cartas e uma lista, arquivo comunal, 419-407 a.C..

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. (Jewish Antiquities [Antiguidades Judaicas], XIII, 62-68 [iii, 1]; The Jewish War, VII, 420-432 [x, 2, 3]); it-1 p. 98 Altar.