Philip Guston

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Philip Guston (Montreal, 27 de Julho de 1913Woodstock, Nova Iorque, 7 de Junho de 1980) foi um importante pintor norte-americano.

Philip Guston trabalhando no projecto do mural para o Pavilhão do WPA, Feira Internacional de Nova Iorque, 1939

Biografia / Obra[editar | editar código-fonte]

Nascido no Canadá, no seio de uma família judia oriunda de Odessa, Guston passou a maior parte da infância e juventude em Los Angeles, onde fez amizade com Jackson Pollock. Foi um artista em grande parte autodidata; não completou o ensino secundário e apenas frequentou o Otis Art Institute durante um breve período.[1]

A sua obra inicial pode conotar-se com as preocupações político-sociais do Movimento Muralista Mexicano. Em 1934 realiza - em parceria com Reuben Kadish -, um grande mural em Morelia, México, a convite de David Alfaro Siqueiros. Em 1935 fixa-se em Nova Iorque, realizando murais para o WPA (Federal Arts Project / Works Progress Administration), e em 1941 parte para Iowa City, para ensinar na School of Art and Art History; postas de parte as grandes encomendas, dedica-se a uma arte mais íntima e pessoal.[2]

Na década de 1950 regressa a Nova Iorque, abandona a figuração e integra-se na corrente abstracta emergente – Escola de Nova Iorque / Expressionismo Abstracto –, a par de Mark Rothko, Willem de Kooning ou Jackson Pollock. O seu trabalho integra a grande exposição The New American Painting, organizada pelo Museu de Arte Moderna de Nova Iorque em 1958, que dá a conhecer, na Europa, os mais importantes artistas do movimento.[3]

Em 1962 realiza uma grande exposição retrospectiva no Guggenheim Museum de Nova Iorque. A partir de 1968 regressa à figuração, apresentando os primeiros trabalhos dessa nova via numa exposição controversa na Marlborough Gallery de Nova Iorque em 1970.[4]

Durante a década de 1970 Guston isola-se em Woodstock, e realiza uma obra intensamente pessoal, antecipando e influenciando a figuração expressionista que haveria de se afirmar internacionalmente já depois da sua morte.[5]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • ASHTON, Dore. A Critical Study of Philip Guston (1976). Berkeley; Los Angeles; Oxford: University of California Press, 1990. ISBN: 0-520-06931-5
  • AUPING, Michael. Philip Guston: Retrospective. New York: Thames & Hudson; Modern Art Museum of Fort Worth, 2003. ISBN: 0-500-09308-3
  • BOTELHO, Manuel. Guston em contexto: até ao regresso da figura. Lisboa: Livros Vendaval, 2007. ISBN: 978-972-8984-05-2
  • MAYER, Musa. Night Studio: A Memoir of Philip Guston (1988). New York: Da Capo Press, 1997. ISBN: 0-306-80767-X
  • STORR, Robert. Philip Guston. New York, London, Paris: Abbeville Press, 1983. ISBN: 1-55859-250-4

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. ASHTON, Dore. A Critical Study of Philip Guston (1976). Berkeley; Los Angeles; Oxford: University of California Press, 1990. ISBN 0-520-06931-5
  2. ASHTON, Dore. A Critical Study of Philip Guston (1976)
  3. ASHTON, Dore. A Critical Study of Philip Guston (1976)
  4. ASHTON, Dore. A Critical Study of Philip Guston (1976)
  5. ASHTON, Dore. A Critical Study of Philip Guston (1976)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.