Praça da República (Póvoa de Varzim)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Praça da República
Praçarepublica povoa varzim.jpg
Placa do largo
Concelho: Póvoa de Varzim
Freguesia(s): UFPVBA
Lugar, Bairro: Centro
Ruas Afluentes: Rua da Junqueira, Rua Manuel Silva, Rua Sousa Campos, rua João Dias, rua da Ponte
Área: c.900 m2
Designação anterior: Largo de São Roque
Rua da Junqueira.JPG
Praça da República, vista para a rua da Junqueira
Toponímia do Grande Porto

A Praça da República, anteriormente designada Largo de São Roque, é um largo entre a Praça do Almada, centro cívico, e a Rua da Junqueira, rua comercial, no centro da cidade da Póvoa de Varzim. É, por vezes, também denominada popularmente como Largo de Santiago.

História[editar | editar código-fonte]

carro americano vindo da Rua da Junqueira em direcção à Praça do Almada.
Antigo hotel.

A Capela de São Roque foi fundada em 1582[1] por Diogo Peres de S. Pedro e sua mulher Maria Fernandes de Faria.[2] entretanto o culto a uma imagem de Santiago (possivelmente do século XV), encontrada na praia, fez crescer o culto a Santiago, justificando a mudança de invocação. Em 1741 erigiu-se ali a Confraria de Santiago e, em 1887, a capela é reformada e aumentada.[3] [4] A fundação do templo prendia-se com o facto de se localizar num cruzamento de caminhos que se uniam num único de acesso à Ribeira, local junto à Enseada da Póvoa.[1]

A rua da Junqueira funcionava já no século XIX como uma intensa rua de actividade comercial e como acesso à praia e ao jogo privado, em especial no nacionalmente conceituado casino Salão Chinês. A praça passou então a funcionar como porta de entrada para as pessoas oriundas das províncias do Minho, de Trás-os-Montes e do Alto Douro, que chegavam por conselho médico para curar vários problemas de saúde, respirando os ares e mergulhar nas águas ricos em iodo da Póvoa. Assim, a praça ganha centralidade e era onde as cocheiras recolhiam os carros. Em 1897 aquando da ampliação da linha de carros americanos, transportes urbanos, é criando um desvio pela praça até à Praia de Banhos.[5]

Dessa forma e respondendo as necessidades de alojamento que se faziam sentir, dá-se a criação de hotéis, e em 1893 já na zona estavam registados vários hotéis: o Aura Campista, na casa n.º 12, e nas imediatas imediações o Hotel do Sinal e o Hotel Universal (1896). Em 1908, era criado o internacional Hotel Europa. Pelas leis do turismo desaparecem todos na primeira metade do século XX.[2]

Morfologia urbana[editar | editar código-fonte]

Centrando a praça, a poente encontra-se a capela que por muito tempo deu o nome ao largo, a Capela de São Roque, hoje mais conhecida como Capela de Santiago.

Do lado direito da Capela de São Roque e Santiago encontram-se o Ritz Café, café tradicional da Póvoa de Varzim aberto ininterruptamente desde 1979, e o Clube Naval Povoense (1904); pela esquerda, inicia-se a rua da Junqueira.

Referências

  1. a b Amorim, Sandra Araújo. Vencer o Mar, Ganhar a Terra. [S.l.]: Na Linha do horizonte - Biblioteca Poveira CMPV, 2004.
  2. a b Baptista de Lima, João. Póvoa de Varzim - Monografia e Materiais para a sua história. [S.l.]: Na Linha do horizonte - Biblioteca Poveira CMPV, 2008.
  3. Património Religioso e Artístico. Portal da Póvoa de Varzim. Povoadevarzim.com.pt.
  4. A urbe tradicional. Portal da Póvoa de Varzim. Povoadevarzim.com.pt.
  5. Planta das ruas por onde se pretende assentar a Linha do Americano (27 de Janeiro de 1903) - Arquivo Municipal da Póvoa de Varzim