Raimundo Berengário III de Barcelona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Raimundo Berengário III

Conde de Barcelona
Raimundo Berengário III no Castelo de Fos, Provença.
Pintura de Mariano Fortuny
Nome completo Raimundo Berengário III de Barcelona, "o Grande"
Nascimento 11 de novembro de 1082
Rodez, Rouergue
Morte 9 de julho de 1131 (49 anos)
Barcelona, Condado de Barcelona
Nacionalidade Catalunha

Raimundo Berengário III (Rodez, Rouergue, 11 de Novembro de 1082 - Barcelona, 9 de Julho de 1131)1 2 , cognominado o Grande, foi conde de Barcelona, de Girona, de Osona a partir de 1082 (juntamente com o tio Berengário Raimundo II e sozinho a partir de 1097); de Besalú, a partir de 1111; da Cerdanha, a partir de 1117; e da Provença, no Sacro Império Romano-Germânico, a partir de 1112. Como conde da Provença ele era Raimundo Berengário I, por direito de sua esposa.

Durante seu governo, os interesses catalães se estenderam sobre ambos os lados dos Pirenéus. Por casamento ou vassalagem, ele incorporou quase todos os condados catalães, exceto o condado de Urgel e Peralada). Herdou os condados de Besalú, em 1111, e o da Cerdanha, em 1117.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Raimundo era filho do conde Raimundo Berengário II, conde de Barcelona e de Matilde da Apúlia. Nasceu menos de um mês antes do assassinato de seu pai.

Ele o sucedeu como co-governante nominal de Barcelona com seu tio, Berengário Raimundo II, de quem muito se suspeita de ter orquestrado o assassinato.

Estátua de Raimundo Berengário III, o Grande.

Raimundo se tornou governante uno, em 1097, quando Berengário foi forçado ao exílio.

Em aliança com o Conde de Urgel (possivelmente Ermengol V), Raimundo conquistou Barbastro e Balaguer.

Em 1118, capturou e reconstruiu Tarragona, que se tornou a sede metropolitana da Igreja na Catalunha (antes disso, os catalães dependiam eclesiasticamente da arquidiocese de Narbona).

Com o apoio papal, através do seu legado apostólico o bispo São Olegário3 , também estabeleceu relações com as repúblicas marítimas italianas de Pisa e de Gênova e, entre 1114 e 1115, juntou-se a elas em cruzada contra a Taifa de Maiorca, com bases piratas mouras de Maiorca e de Ibiza, tomando-as para si. Elas se tornaram suas colônias tributárias e muitos escravos cristãos foram recuperados e libertados.

Com a ajuda mais uma vez de Pisa, Raimundo também marchou sobre dependências mouras na Península Ibérica, tais como Valência, Lleida e Tortosa.

Raimundo faleceu aos 48 anos. Já em seus últimos anos de vida, ingressa na Ordem do Templo, de quem tinha prestado grandes serviços mútuos, e torna-se um cavaleiro templário .

Túmulo com os restos de Raimundo Berengário III, exposto na catedral de Girona.

Os restos de Raimundo Berengário foram sepultados na Catedral de Girona. O túmulo foi inicialmente colocado na galilé do templo, sendo que mais tarde foi movido para o novo edifício gótico pelo rei Pedro IV de Aragão, o Cerimonioso em 1385, que fez-lhe um túmulo revestido de mármore e mandou depositá-lo com uma sua estátua jacente, do Conde, e além disso, o rei mandou-lhe gravar uma lápide com a inscrição:4

En esta tumba yace el cuerpo del ilustre y poderoso barón señor Ramón Berenguer Conde de Barcelona, hijo del señor Ramón Berenguer Conde de Barcelona quien instituyó los Usatges, que por la cantidad y densidad de rizos encrespados fue llamado Cabeza de Estopa, y que, siendo herido, murió en la ciudad de Gerona el cinco de diciembre del año 1082 y fue sepultado en una tumba construida en la presente Seo en el exterior al lado de la puerta. Y posteriormente trasladado por el ilustrísimo príncipe y señor Pedro tercero Rey de Aragón, octavo descendiente del mismo conde el día cinco de noviembre del año del Señor 1385 y quincuagésimo de su reinado".

Relações familiares[editar | editar código-fonte]

Foi filho do conde Raimundo Berengário II (1053 - 1082), conde de Barcelona e de Matilde da Apúlia (c. 10601080), filha de Roberto de Altavila (c. 102517 de julho de 1085).

Casou-se três vezes. Antes de 1103, casou-se com Maria Rodrigues, filha de Rodrigo Dias de Vivar, "El Cid". Eles tiveram duas filhas:

  1. Maria, que se casou com Bernardo III, conde de Besalú;
  2. Ximena, que se casou com Rogério III, conde de Foix.

Após a morte de Maria, ele desposou Almodis (de Mortain), mas que ela morre antes de 1110 de resultar descendência. Almodis .

Em 3 de fevereiro de 1112, Raimundo casou-se novamente com Dulce I da Provença. Seus domínios então se estenderam ao leste até Nice. Raimundo e Dulce tiveram sete filhos:

  1. Raimundo Berengário IV (1113-1162), seu sucessor como conde de Barcelona, de Besalú, de Osona e da Cerdanha;
  2. Berengário Raimundo (c.1114-1144), seu sucessor como conde da Provença
  3. Bernardo (c.1115-c.1117)
  4. Berengária (c.1116-1149), casada com Afonso VIII de Castela;
  5. Estefânia (c.1118-?), casada, primeiramente, com Centulo, conde de Bigorra, e, depois, com Raimundo Arnaldo II, visconde de Marsan;
  6. Mafalda, esposa de Guilherme IV de Castellvell;
  7. Almodis (c.1126-c.1175), casada com Pôncio II de Cevera, visconde de Bas.


Precedido por:
Raimundo Berengário II
Conde de Barcelona, de Girona e de Osona
6 de Dezembro de 1082 - 9 de Julho de 1131
Seguido por:
Raimundo Berengário IV
Precedido por:
Bernardo III
Conde de Besalú e de Ripoll
1111 - 9 de Julho de 1131
Precedido por:
Bernardo
Conde da Cerdanha e de Berga
1117 - 9 de Julho de 1131
Precedido por
Dulce
Conde da Provença e de Focalquier
(com Dulce)

3 de Fevereiro de 1112 - 9 de Julho de 1131
Sucedido por
Berengário Raimundo

Ver também[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Wikcionário Definições no Wikcionário
Commons Imagens e media no Commons

Referências

  1. - Barcelona, Condes de Barcelona - Semanario Pintoresco Español - 09.04.1851
  2. - Hazañas Y Recuerdos de Las Catalanes - Antoni de Bofarull, 1846, publicado por: Harvard College Library
  3. Santo Olegário, bispo, +1136, evangelizo.org, 6 de Março de 2014
  4. O texto literal em latim diz: "In hoc tumulo iacet corpus illustris ac potentis viri domini Raymundi Berengarii Comitis Barchinonae filii domini Raymundi Berengarii Comitis Barchinonae qui Usaticos condidit. Hic propter multitudinem et densitatem crinium crisporum fruit dictus Cap d'Estopes qui vulnerato decessit nonas december in civitate Gerundae anno Domini MLXXXII et fuit sepultus in quoadam tumulo constructo foris in Sede iuxta portam. Et postmodum translatus per illustrissimum principem et dominum Dominum Petrum tertium Aragonum Regem ipsius comitis octavum neptem V die novembre anno Domini MCCCLXXXXV regnique sui quinquagesimo".

Ligações externas[editar | editar código-fonte]