Tarragona

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa


Question book.svg
Esta página ou se(c)ção não cita fontes fiáveis e independentes (desde janeiro de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as no texto ou no rodapé, conforme o livro de estilo. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Espanha Tarragona
Tarragona
 
—  Município  —
View of Tarragona and roman amphitheatre.jpg
Bandeira de Tarragona
Bandeira
Brasão de armas de Tarragona
Brasão de armas
Tarragona está localizado em: Espanha
Tarragona
Localização de Tarragona na Espanha
41° 06' 56" N 1° 14' 58" E
Comunidade autónoma Catalunha
Província Província de Tarragona
 - Alcaide Josep Fèlix Ballesteros (Partit dels Socialistes de CatalunyaPSC) (2007)
Área
 - Total 62,35 km²
Altitude 68 m (223 pés)
População (2009)
 - Total 155 563
    • Densidade 2 495/km2 
Gentílico: Tarraconense
Fuso horário CET (UTC+1)
 - Horário de verão CEST (UTC+2)
Código postal 43001 - 43008
Orago Santa Tecla
Sítio www.tarragona.cat/
Localização de Tarragona.

Tarragona é uma cidade de Espanha pertencente à comunidade autónoma da Catalunha. Situa-se a cerca de 100 km a sudoeste de Barcelona, e é capital da província com o mesmo nome.

É banhada pelo Mar Mediterrâneo. Tem grande tradição histórica cultural, é destino de muitos turistas, tanto por suas praias como por seu património histórico e artístico. Está junto a outros doze lugares espanhóis que são considerados Património Mundial da UNESCO.

História[editar | editar código-fonte]

A Tarraco Romana[editar | editar código-fonte]

Com a frase Tarraco Scipionvm Opvs (Tarraco obra dos Cipiões) Plínio, ao final do século I d.C., fez referência ao momento fundacional da cidade. Este primeiro assentamento romano se encontrava muito próximo a um ópido ibérico fundado aos finais do século V a.C. Mano, o imperador de Tarragona venceu uma batalha contra os gregos no século VI com um contingente humano bastante reduzido.

A cidade republicana de Tarraco foi muito possivelmente um núcleo bifocal, com o acampamento militar na parte alta e a área residencial em torno ao povoado ibérico e ao porto. A presença militar estável comportou a chegada não só de soldados, senão também de comerciantes e cidadãos romanos que viram na Hispânia uma terra que lhes oferecia novas oportunidades.

Uma das principais infraestruturas sobre as que se cimentou Tarraco foi, sem nenhuma dúvida, o porto, e sua situação estratégica em cima de uma pequena colina que permitia uma visão mais ampla e uma defesa mais fácil.

A vitória romana sobre os cartagineses e a incorporação da Hispânia à República Romana acelerou o processo de consolidação das defesas da cidade. Ali César reuniu os seus legados durante a guerra civil contra Pompeu, e devido à lealdade mostrada pelos tarraconenses, este concedeu à cidade o título de Colônia Iulia Urbs Triumphalis Tarraconensis.

Foi durante os anos 26-25 a.C. que Tarraco adquiriu uma maior relevância como cidade, devido à presença imperial, Tarraco se consolidou como a capital da Hispânia Citerior Tarraconense, e recebeu um forte impulso urbanístico, uma mostra disto foi a construção do teatro e do forum local.

O Circo Romano em Tarragona.

Durante o século I d.C. a cidade cresceu e se consolidou. O assassinato de Nero, no ano 68, marcou o início de um período de convulsão e guerra civil em todo império. Se iniciava assim a dinastia Flaviana e um momento de grande esplendor para as províncias hispânicas. Vespasiano lhes concedeu o Ius Latii, em torno de 73. A partir deste momento, todos os hispanos foram considerados cidadãos romanos de pleno direito. Desta forma, Tarraco, como capital da Hispânia Tarraconense dispunha de dois foruns: um colonial e outro provincial.

Durante o século II a cidade chegou a sua máxima expressão graças à construção do último de seus grandes edifícios de entretenimento: o anfiteatro. Tarraco foi objeto das incursões francas aos meados do século III. Depois do século III, a cidade recobrou seu dinamismo a partir da recuperação geral que trouxe a chegada ao poder de Diocleciano e de sua tetrarquia desde o ano 285. A partir desta época a cidade se revitalizou.

O cristianismo e sua implantação são elementos imprescindíveis para explicar a Tarraco tardia. O bispo Frutuoso e os diáconos Augurio e Eulogio, foram objetos de perseguição e morte no ano 259. O lugar de sua sepultura acabou por converter-se no centro eclesiástico de Tarraco a partir do século V. Esta igreja, próxima ao rio Francolí, levou a construção de outros edifícios eclesiásticos como uma segunda basílica, muito próxima a primeira, que disponha de um átrio e edifícios agrários vinculados a ela. Todo este subúrbio cristão acabou por converter-se em um centro importante e dinâmico de Tarraco.

A documentação escrita do início do século V mostra uma Tarraco que mantinha estruturas sociais complexas, nas que o bispo metropolitano era o defensor da ordem estabelecido no Império no que Chistianitas era sinônimo de Romanitas.

Tarraco continuou sendo uma das principais metrópoles hispânicas durante a monarquia visigoda até que o panorama mudou radicalmente com a conquista da cidade pelos exércitos islâmicos e sua incorporação ao Andalus até o ano 713. A partir deste momento, a cidade entrou em um largo e obscuro período que não concluiu até a conquista impulsionada pelos Condes Catalães no século XII, que comportou no restabelecimento da sede metropolitana de Tarragona.

Tarragona Medieval (s.XII-XV)[editar | editar código-fonte]

A Torre do Pretório.

Em 1129, o arcebispo de Tarragona, Oleguer Bonestruga, mediante um pacto feudo-vassalático, cedeu a cidade, como um principado eclesiástico, a um mercenário normando, Robert Bordet, que havia servido às ordens de Alfonso I de Aragão. Em 14 de março de 1129, este cavalheiro foi nomeado "Príncipe de Tarragona", na qualidade de defensor e protetor. A partir da feudalização de Tarragona, os normandos, comandados por Bordet, chegaram e se instalaram na cidade. Robert Bordet aproveitou uma antiga torre romana ainda em pé, a atual Torre do Pretório, para estabelecer seu castelo. Se iniciava assim um primeiro processo de colonização da cidade, dirigido sobre o terreno por Robert, mas controlado desde Barcelona pelo arcebispo.

A situação na cidade se complicou com a morte de Oleguer e a eleição de seu sucessor. Em 1146, o novo arcebispo, Bernat Tort, um homem de confiança do Conde de Barcelona, se estabeleceu na cidade. Iniciava-se assim um processo marcado pelos contínuos conflitos jurídicos entre Robert Bordet e os seguintes arcebispos.

A Tarragona do final do século XII já era um núcleo urbano plenamente consolidado que se havia convertido no centro diretor de um amplo território, a cidade cresceu e passou a ocupar toda a área interna do Fórum Provincial. Assim se mantinha, de certa forma, a estrutura arquitectônica herdada da época romana. A cidade cresceu para fora da área dos grandes monumentos, ao redor dos castelos. A Catedral começou a ser construída em 1171. O interior da grande praça do Fórum romano foi urbanizada no final do mesmo século.

Lugares de Interesses[editar | editar código-fonte]

Aqueduto romano da Ponte do Diabo, que abastecia de água Tarraco desde a época de Augusto.

O conjunto arqueológico que formou as ruínas romanas de Tarraco foi declarado Patrimônio da Humanidade pela UNESCO e, 2000. Dentre os pontos turísticos de maior destaque estão:

  • O Casco Antigo: Na parte alta da cidade, coincide com o antigo fórum provincial romano. Está rodeado pela muralha da Antiga Roma cuja longitude até o século III a.C. era de uns 4 km. Entretanto, na atualidade somente se conserva ao redor de 1 km e uma porta original. O Casco Antigo, conhecido popularmente como "Parte Alta", é hoje em dia uma das zonas mais visitadas tanto pelos turistas.
  • O anfiteatro: Do século I, em seu interior conserva também restos de uma basílica visigoda e uma igreja romana.
  • O mercado central: Edifício modernista do ano de 1915, desenhado pelo arquiteto Josep Maria Jujol i de Barberà.
  • O Balcão do Mediterrâneo: Mirador situado sobre um encosta a borda do mar de onde se pode contemplar parte da cidade, o porto, a estação, o anfiteatro, a praia e A Ponta do Milagre.
Anfiteatro.
  • A Ponta do Milagre é cenário onde se celebra a cada ano, no mês de julho, durante seis noites, o famoso Concurso Internacional de Castelos de Fogos de Artifícios de Tarragona no qual participam importantes empresas pirotécnicas espanholas e estrangeiras. *[1]
  • O Circo romano: Dentro do casco antigo da cidade.
  • A Catedral de Tarragona: é um exponente magnífico de templo religioso cristão iniciado no século XII. Seu estilo arquitectônico está entre o romano e o gótico.
  • O Portal de Santo Antônio: é uma porta da muralha construída em 1737, em pedra e mármore.
  • O Porto de Tarragona: um dos mais importantes da Espanha.
  • La Rambla: típica rua catalã no centro da cidade.

Economia[editar | editar código-fonte]

Tarragona tem um dos maiores portos de Espanha, e tem uma universidade: a Universitat Rovira i Virgili.

Pirâmide humana (3d9f) realizada pela Colla Jove dels Xiquets de Tarragona, durante o festival de Santa Tecla de 2009.

Além da pujante economia local marcada pela presença de grandes multinacionais do setor químico, um porto e modernos centros de pesquisa, Tarragona possui também boa infra-estrutura turística. A cidade possui um charmoso centro medieval intra-muros e abriga inúmeras festas e festivais ao longo do ano. No mês de setembro, a cidade torna-se palco de belas apresentações dos grupos locais de pirâmides humanas, atraindo legiões de moradores e turistas ao seu centro histórico.

Perto de Tarragona localizam-se a estância balnear de Salou e o parque temático Port Aventura da Universal Studios, um dos maiores da Europa.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Tarragona
Ícone de esboço Este artigo sobre Municípios da Espanha é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.