Síndrome de Reye

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Síndrome de Reye
Classificação e recursos externos
CID-10 G93.7
CID-9 331.81
DiseasesDB 11463
MedlinePlus 001565
MeSH D012202
Star of life caution.svg Aviso médico

A síndrome de Reye é uma doença grave, de rápida progressão e muitas vezes fatal, que acomete o cérebro e o fígado, ocorre em crianças e está relacionada ao uso de salicilatos em conjunto com uma infecção viral.

Epidemiologia[editar | editar código-fonte]

A doença afeta principalmente crianças, embora possa ocorrer em qualquer idade, variando entre 6 meses e 15 anos. Felizmente, é rara, com uma incidência anual que varia de 0,16 a 0,88 para 100.000 crianças, com variações regionais e redução progressiva desde a década de 80, geralmente explicada pela contra-indicação do uso de aspirina para febre em crianças. (medicamentos como AAS* (Ácido Acetilsalicílico), estão ligados a a esta doença)

  • AAS pronuncia AS

medicamentos com o mesmo Princípio Ativo. AAS,Cibalena,Melhoral,Aspisin,Aspirina,Engov,Sonrisal,Coristina entre outros....

Fisiopatogenia[editar | editar código-fonte]

A fisiopatogenia da Síndrome de Reye não é conhecida. Estudos epidemiológicos demonstraram correlação entre a doença e o uso de salicilatos (especialmente a aspirina) após quadro viral (geralmente influenza ou varicela). A doença não é contagiosa e estudos recentes identificaram lesões na ultraestrutura mitocondrial que provavelmente estão relacionadas à etiologia.

Características clínicas[editar | editar código-fonte]

A Síndrome de Reye é caracterizada por um quadro viral, como gripe ou catapora (varicela - pt), uso de salicilatos para controle dos sintomas e depois encefalopatia metabólica progressiva, com edema cerebral e hipertensão intracraniana (com cefaléia, vômitos e irritabilidade evoluindo para alteração do nível de consciência e coma) e esteatose hepática microvesicular com insuficiência hepática. Pode evoluir com falência neurológica e hepática seguida de falência de múltiplos órgãos e óbito. Não há tratamento específico, apenas suporte intensivo.

Diagnóstico diferencial[editar | editar código-fonte]

Como não há exame diagnóstico específico, pode ser confundida com encefalite, meningite, diabete, overdose de droga, envenenamento, síndrome de morte infantil súbita, doença mental ou insuficiência hepática colestática com encefalopatia.

Críticas ao diagnóstico[editar | editar código-fonte]

Estudos mais recentes sugerem que a Síndrome de Reye não é uma entidade única, mas um grupo heterogêneo de doenças relacionadas não só ao vírus da influenza e varicela e ao uso de salicilatos, mas também ao uso de antieméticos e outras infecções virais. Sugerem ainda que a redução na incidência da síndrome nas últimas décadas deve-se não apenas à restrição do uso de aspirina, mas também ao avanço tecnológico e diagnóstico, que permitiram diferenciar entre uma causa idiopática (a Síndrome de Reye) de outras afecções (vide diagnóstico diferencial).

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Bircher, J, Benhamou, JP et al. Oxford Textbook of Clinical Hepatology, Oxford Medical Publications,1999
  • M Casteels-Van Daele, C Van Geet, C Wouters. Reye syndrome revisited: a descriptive term covering a group of heterogeneous disorders. Eur J Pediatr. 2000; 159(9):641-8
  • Calvani M Reye's syndrome: the death of a syndrome? (Or death by a syndrome?) Recenti Prog Med. 2000; 91(12):675-80