SCUM Manifesto

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Text document with red question mark.svg
Este artigo ou secção contém uma ou mais fontes no fim do texto, mas nenhuma é citada no corpo do artigo, o que compromete a confiabilidade das informações. (desde maio de 2013)
Por favor, melhore este artigo introduzindo notas de rodapé citando as fontes, inserindo-as no corpo do texto quando necessário.

SCUM Manifesto é um livro escrito por Valerie Solanas em 1967 e apresenta uma proposta para a destruição do sexo masculino e construção de uma sociedade de mulheres.

Muita especulação tem rodeado o significado de SCUM. Várias fontes, incluindo o New York Times, têm interpretado a palavra como um acrônimo para "Society for Cutting Up Men", mas a expressão, que Solanas rejeitou, não aparece no seu trabalho. De acordo com o manifesto, SCUM refere-se às "mulheres dominadoras, seguras de si mesmas, confiantes de suas próprias capacidades, mordazes, desagradáveis, violentas, egoístas, independentes, orgulhosas, em busca de emoções, que vão aonde querem, arrogantes, que se consideram aptas a governar o universo, que percorreram até os limites dessa ‘sociedade’ e estão dispostas a ir muito mais além do que ela tem a oferecer", mulheres que "segundo os padrões de nossa ‘cultura’ são a Escória". Quando de sua publicação, o livro causou muita polêmica, tanto pelas idéias que defende, quanto pelo estilo literário que oscila entre agressivo e debochado. Seu conteúdo gira em torno da destruição do sexo masculino, que acusa ser responsável por transformar o mundo num monte de lixo e representar os piores vícios contra as mulheres, que, livres da influência dos homens, são seres propriamente humanos e dignos de existência. Entre suas propostas estão eliminar o sistema dinheiro-trabalho — que dá poder e controle aos homens —, instaurar a automação completa, parar de reproduzir o sexo masculino e assassinar todos aqueles homens que não estejam colaborando de maneira consciente ou inconsciente com SCUM.

No manifesto, Valerie Solanas declara guerra ao estabelecimento patriarcal em todas as suas múltiplas formas: o governo, o capitalismo, a economia, a lei, o trabalho, a família e a sexualidade masculina; e defende a construção de uma sociedade livre do poder masculino, dirigida por mulheres. Ela usa o termo homens para condenar todas as pessoas de qualquer sexo que perpetuam a supremacia das instituições patriarcais, que ela acredita com toda sinceridade serem ameaças mortais à humanidade. Solanas também denuncia todas as formas de fuga, separatismo e elitismo, que, em sua opinião, comprometem seriamente as aplicações políticas mais amplas de SCUM.


Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Wiki letter w.svg Este artigo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o. Editor: considere marcar com um esboço mais específico.