Sabires

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Sabir)
Ir para: navegação, pesquisa
Para lugares em Azerbaijão, ver Sabir, Azerbaijão.
Sabir é também outro nome para a língua Mediterranean pidgin language Lingua Franca.
Leste próximo em 500 AD, mostrando os Sabires e povos vizinhos.

Os Sabir ou Sabires (também conhecidos como Savirs, Subars, Savars, Suwārs ou Suvars)[1] [2] eram povos que habitavam a depressão Aralo-Caspiana antes da chegada dos Ávaros. Estas tribos eram parte dos turcos, possivelmente de origem huna. O nome Sabir está ligado, de acordo com alguns académicos, ao nome Sibéria (onde pode ter sido um nome alternativo para os povos de dialeto Ugriano Mansi/Vogul) e até com povos do extremo leste de Hsien-pi".[3]

Os Sabires viveram predominantemente na zona de estepe demarcada no Leste pelo Mar Cáspio, no Oeste pelo mar Negro e no sul pela cordilheira do Cáucaso. Prisco de Pânio menciona que os Sabires em 461 atacaram tribos Saragures, Urogues e Onogures, forçando-os a fugir através do Volga. Em 515 invadiram as regiões a sul do Cáucaso, territórios pertencentes aos Iranianos e Bizantinos.[4] Eles eventualmente até fizeram uma aliança com a Pérsia.

Os Sabires, em 552, anteriormente aliados do Império Sassânida, trocaram essa aliança pela com os Bizantinos e invadiram o Cáucaso. Pouco tempo depois, foram conquistados primeiro pelos Ávaros e mais tarde Goturcos. Por volta do século XII quase desapareceram dos registos históricos; provavelmente sendo assimilados pelos Cazares e pelos Búlgaros.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Denis Sinor, The Cambridge History of Early Inner Asia, Volume 1, 1990, p. 235.
  2. Nurettin Koç, İslamlıktan önce Türk dili ve edebiyatı [pre-Islamic Turkic language and literature]: Old Turkic language, İnkılâp kitabevi, 2002, p.52.
  3. David Christian. A History of Russia, Central Asia and Mongolia. Blackwell Publishing, 1998. p. 279.
  4. David Christian. A History of Russia, Central Asia and Mongolia. Blackwell Publishing, 1998, p. 279-280.