Serra da Piedade

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Igreja da Piedade no Alto da Serra.

A Serra da Piedade é uma formação rochosa situada na Microrregião de Belo Horizonte, município de Caeté, no Brasil. Possui uma altitude de 1.751 metros.

História[editar | editar código-fonte]

A Serra da Piedade já era conhecida desde o princípio do século XVII. Lourenço Caetano Taques é considerado o desbravador da região de Caeté, como consta em Carta Régia de 23 de março de 1664, pela descoberta dos "Sertões de Caeté". Na verdade, a Serra da Piedade é a mesma Serra do Sabarabuçu e, portanto, está ligada às lendas das minas de prata, que desde final do século XVI excitaram os espiritos aventureiros que queriam crer que naquela latitude havia abundância de prata, a exemplo do que acontecia na Serra do Potosi, no Peru.

Vista da Cidade de Caeté do Alto da Serra.

A única construção histórica preservada hoje é a Capela Nossa Senhora da Piedade, localizada no topo da serra, tendo sua construção sido iniciada por volta de 1704 e concluída por volta de 1770.

Em 1817 o sábio francês Auguste de Saint-Hilaire visitou a Serra da Piedade[1] e lá passou vários dias. Observou que a igreja era cercada de edifícios onde moravam eremitas e romeiros. Um dos moradores era a irmã Germana. Uma mulher de cerca de trinta e cinco anos, penitente que quase não comia e dada a crises de histeria. O povo acreditava tratar-se de uma santa. O sábio francês improvisou alguns experimentos para tentar se convencer de que os transes da irmã eram uma farsa, mas na verdade não conseguiu provar isto. Ele de fato, se interessou muito pelo caso e andou até consultando um estudo que o médico mineiro Dr. Antônio Gonçalves Gomide escreveu sobre o assunto em 1814 e concordando com a tese de que o caso da irmã não tinha nada de sobrenatural. Xavier da Veiga, andou coletando alguns documentos antigos contendo advertências que o médico levou do governador por seu envolvimento com “libertinagem e livros perniciosos”. Em 1819 vamos encontrá-lo envolvido com uma devassa por ser chefe de clubes ligados a fatos escandalosos (?). Mas em 1823 e 1826 vamos encontrá-lo na nobre condição de deputado constituinte e senador do Império. Saint-Hilaire, notório conservador, provavelmente não soube de nada disso e ficou feliz de ter a obra do dr. Gomide no meio da sua biblioteca.

Gruta do Eremita, onde Frei Rosário se recolhia.

O bispo de Mariana D. Frei José da Santíssima Trindade também relata as crises de Germana e comedidamente, informa que não estava devidamente comprovado que elas não fossem de origem sobrenatural. Spix e Martius igualmente estiveram na serra e da mesma forma, registraram a existência de uma tal personagem singular comentando, contudo, que ela já não mais lá se encontrava por ter sido proibida de exercer suas faculdades catalépticas pelas autoridades da igreja.

Pelos relatos dos nossos viajantes feitos entre 1820 e 1840, o que se pode observar é que, naquele período, a instituição da serra esteve na mais completa decadência, entregue a fanáticos e charlatões. A capelinha contudo, se manteve e hoje, no meio de várias modernidades é a única construção que preserva a história mística do lugar.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Pertencente à região metropolitana de Belo Horizonte, é um divisor de águas, contribuindo para a formação do Rio Doce, entre outros. É a continuação da Serra do Curral e localiza-se no limite norte do Quadrilátero Ferrífero, sua altitude chega aos 1700 metros de altura, por isso os ventos são constantes na região, e durante o inverno é comum a formação de geada.

Abriga o Observatório Astronômico da UFMG e os radares do CINDACTA, que monitoram os céus da região. O santuário de Nossa Senhora da Piedade, a padroeira do estado de Minas Gerais, é um local tradicional de romarias e está vinculado a muitas lendas.

Preservação[editar | editar código-fonte]

Serra da Piedade (Vista parcial de Caeté).

A lei estadual 15.178 de 16 de junho de 2004 uma área de 1.945 hectares para preservação dos mananciais, da fauna e da flora. O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais estabeleceu as diretrizes para o tombamento da área, definindo as atividades que podem ser exercidas na região e as medidas de preservação paisagística, cultural e ambiental que devem ser adotadas. No caso da exploração mineral, a área degradada terá que ser reconstituída pela empresa exploradora, como está previsto no artigo 225 da Constituição Federal.

Acesso[editar | editar código-fonte]

Pode ser feito pela BR-381, vindo de Belo Horizonte.

Com acesso também pela cidade de Sabará, MG, com duração aproximada de 1 hora e 15 minutos, partindo do centro de BH, com uma estrada bastante sinuosa.

Referências

  1. Duarte, Regina Horta (org.). Serra da Piedade. 2. ed. Belo Horizonte: CEMIG, 2004. p. 10. ISBN 85-87929-25-9.