Siegfried Buback

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Siegfried Buback
Siegfried Buback, 1976.
Nascimento 3 de janeiro de 1920
Wilsdruff, Alemanha
Morte 7 de abril de 1977
Karlsruhe, Alemanha
Nacionalidade Alemanha alemão
Ocupação Procurador-geral da República Federal da Alemanha (Alemanha Ocidental) (1974-1977)

Siegfried Buback (Wilsdruff, 3 de janeiro de 1920 - Karlsruhe, 7 de abril de 1977) foi o procurador-geral da República alemã entre 1974 e 1977.

Buback foi um dos maiores inimigos do grupo de extrema-esquerda Fração do Exército Vermelho (Grupo Baader-Meinhof) durante seu período no cargo, implacável na perseguição jurídica aos membros da organização. Sua determinação contra os extremistas acabou custando-lhe a vida.

Em 7 de abril de 1977, foi assassinado numa emboscada nas ruas da cidade de Karlsruhe junto com seus guarda-costas dentro de um carro, sendo todos metralhados por uma dupla do Baader-Meinhof numa motocicleta.[1] Sua morte abriu a série de atentados que caracterizou o período chamado de Outono Alemão e que só se encerraria em outubro com a morte do empresário Hanns-Martin Schleyer, sequestrado e executado pelos terroristas, no último atentado de vulto da organização.[1]

Os fatos com relação a seu assassinato nunca tiveram os detalhes esclarecidos até 2007, trinta anos após sua morte, quando um dos ex-integrantes da RAF, Peter-Jürgen Boock, contou a seu filho que os tiros que mataram Buback teriam sido dados pelo ex-terrorista Stefan Wisniewski,[2] que cumpriu vários anos de prisão relativos a outras atividades da RAF mas nunca teve seu nome ligado à morte de Buback.[3] Verena Becker, outra ex-integrante do Baader-Meinhof e também acusada pela morte de Buback com vários indícios de sua participação nela, desde os anos 80, quando depois de presa colaborou com as investigações, alegava que Wisniewski seria o autor dos tiros, apesar de outros terem sido condenado pelo atentado.[1]

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]