Sofiologia

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Iconografia Russa, Sophia, a Sagrada Sabedoria, 1812.

Sofiologia (do Grego Σοφία "Sabedoria") (em Russo София) é um conceito filosófico relativo à Sabedoria, bem como um conceito teológico referente à Sabedoria de Deus. A sofiologia possui suas origens na tradição helênica, no platonismo, no gnosticismo; suas derivações no misticismo cristão (Hildegard de Bingen (1098-1179), Jakob Böhme (1575–1624), Jane Leade (1624-1704)), no cristianismo esotérico (Rosacrucianismo), Igreja Ortodoxa Oriental, nos Teólogos Russos dos séculos XIX e XX (Sergei Bulgakov através da influência de Vladimir Solovyov, Nicolas Berdiaev), na espiritualidade da Nova Era, bem como no feminismo contemporâneo. Alguns vêem Sophia como uma divindade por si só. Alguns interpretam-na como representando a Noiva de Cristo, outros como o aspecto feminino de Deus que representa a sabedoria (Provérbios 8[1] e 9).

Veja também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Iconografia e Imagens de Sophia (Sabedoria Divina)[editar | editar código-fonte]

Filme[editar | editar código-fonte]

Textos e ensaios relativos à Sophia[editar | editar código-fonte]

Textos relativos à sofiologia[editar | editar código-fonte]

BADIA, Denis Domeneghetti e PAULA CARVALHO, José Carlos de. Pessoa, Grupos e Comunidade: o personalismo ontológico de N. Berdiaev, suas ampliações na antropologia hermenêutica e na educação fática. São Paulo: Plêiade, 2002.

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. Por exemplo, do versículo 22 ao 31: 22.Iahweh me criou, primícias de sua obra, de seus feitos mais antigos. 23.Desde a eternidade fui estabelecida, desde o princípio, antes da origem da terra. 24.Quando os abismos não existiam, eu fui gerada, quando não existiam, os mananciais das águas. 25.Antes que as montanhas fossem implantadas, antes das colinas, eu fui gerada; 26.ele ainda não havia feito a terra e a erva, nem os primeiros elementos do mundo. 27.Quando firmava os céus, lá estava eu, quando traçava a abóboda sobre a face do abismo; 28.quando condensava as nuvens no alto, quando se enchiam as fontes do abismo; 29.quando punha um limite ao mar: e as águas não ultrapassavam o seu mandamento, quando assentava os fundamentos da terra. 30.eu estava junto com ele como mestre-de-obra, eu era o seu encanto todos os dias, todo o tempo brincava em sua presença: 31. brincava na superfície da tera, encontrava minhas delícias entre os homens. - extraído da Bíblia de Jerusalém.