Tailândia (Pará)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Município de Tailândia
"Tailândia"
PA150 em Tailândia ao entardecer

PA150 em Tailândia ao entardecer
Bandeira desconhecida
Brasão desconhecido
Bandeira desconhecida Brasão desconhecido
Hino
Aniversário 10 de maio
Fundação 10 de maio de 1989
Gentílico tailandense
Prefeito(a) Rosinei Pinto de Souza ( Laranja) (PSD)
(2013–2016)
Localização
Localização de Tailândia
Localização de Tailândia no Pará
Tailândia está localizado em: Brasil
Tailândia
Localização de Tailândia no Brasil
02° 56' 49" S 48° 57' 10" O02° 56' 49" S 48° 57' 10" O
Unidade federativa Pará Pará
Mesorregião Nordeste Paraense IBGE/2008 [1]
Microrregião Tomé-Açu IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Acará, Breu Branco, Goianesia do Pará, Tome-Açu e Moju
Distância até a capital 240 km
Características geográficas
Área 4 430,190 km² [2]
População 90 552 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 20,44 hab./km²
Altitude 460 m
Clima Não disponível
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,588 baixo PNUD/2010[4]
PIB R$ 426 736,324 mil IBGE/2012[5]
PIB per capita R$ 4 992,94 IBGE/2012[5]
Página oficial

Tailândia é um município brasileiro do estado do Pará. Localizado a 260 quilômetros da capital estadual Belém, faz parte da mesorregião do Nordeste Paraense, mais propriamente da microrregião de Tomé-açu, limitando-se ao norte com o município de Acará, a leste de Tomé-açu, ao sul com São Domingos do Capim e, a oeste, com o município de Moju e possui uma área de 4.480,37 Km2. O município possui, segundo a previsão do IBGE para 2013, mais de 90.500 habitantes. Teve sua emancipação política em 10 de maio de 1988.

Além da sede do município, Tailândia possui algumas vilas e povoados: as Vilas de Bom Jesus, Nossa Senhora Aparecida, Aui-açú, Betel, Betânia, Cristo Rei, Nossa Senhora de Nazaré, comunidade Bom Remédio, Olho D'água, Santana I e II, São Francisco, Nova Canaã, São João, São Pedro, dentre outras.

História[editar | editar código-fonte]

Na década de 70, a construção da PA-150, que corta o Estado do Pará de norte a sul foi um dos principais motivos que contribuíram com os conflitos pela terra entre fazendeiros – que buscavam incentivos fiscais junto à SUDAM, grileiros – pessoas que se apossavam da terra para fins especulativos e reserva de valor – e posseiros – trabalhadores rurais e pequenos proprietários que se estabeleceram na terra e acompanhavam a abertura da estrada.

Com a intensificação da violência, o então governador do Estado, Alacid Nunes, determinou ao Instituto de Terras do Pará (Iterpa) a intervenção na região. Em 03 de junho de 1978, com a chegada dos primeiros técnicos, a localidade sofreu a intervenção da PM, sob o comando do Tenente Pinheiro, iniciando-se assim o cadastramento dos colonos e a administração do projeto de colonização, demarcação de terras devolutas e distribuição de lotes entre os quilômetros 51 e 183 da PA-150, numa área de 158.400 ha.

Em julho de 1978, em uma das reuniões entre os interventores e a população, decidiu-se questões importantes para a cidade, como o padroeiro – que seria São Francisco de Assis e data de sua homenagem, dia 04 de outubro – e escolheu-se o nome da localidade proposto pelo então interventor, Tenente Pinheiro, que comparou os conflitos da cidade com os que ocorriam no país asiático Tailândia, que passava por uma guerra civil e de fronteiras.

Contudo, Tailândia, que fazia parte do município do Acará, só teve a sua emancipação político-administrativa em 10 de maio de 1988, através da Lei estadual de nº 5.452/88, sancionada pelo governador Hélio da Mota Gueiros, com esforço político de lideranças, como os deputados estaduais Wandenkolk Gonçalves, Pedro Marques, Ademir Andrade, João Batista, entre outros.

A primeira eleição municipal ocorreu em 15 de novembro de 1988, com a eleição do primeiro prefeito e vice, respectivamente Francisco Nazareno Gonçalves de Souza e Francisco Cláudio Mercedes, e os primeiro vereadores: Antonio Marcelino de Lima, Francisco Almeida Barbosa, Manoel Cardoso de Almeida, Francisco Alves Pessoa, Manoel Evangelista dos Santos, Raimundo Wilson Urbano, Marçal Osaki, Rangel Lopes da Silva e Maria Lucinete.

Em 1992 foi realizada e segunda eleição municipal, onde foi eleito Francisco Alves Vasconcelos (Baratão), em 1997. Na terceira eleição, volta à gestão municipal Francisco Nazareno Gonçalves; em outubro de 1999, com o slogan “Viva a Mudança”, é eleito prefeito o sr. Paulo Liberte Jasper, reeleito em 2004, para o mandato de mais quatro anos.

Em fevereiro de 2008, a cidade é palco de uma violenta manifestação contra forças de segurança, após a fiscalização do IBAMA encerrar as atividades de várias madeireiras ilegais na região.[6]

Ainda em 2008, afirmando a vocação democrática do município, realizou-se a sexta eleição para prefeito. Numa disputa acirrada, onde disputaram: Gilberto Miguel Sufredini (Gilbertinho), Valdinei Palhares, Melqui e João Paulo Alves Vasconcelos, foi eleito Gilbertinho o quarto prefeito de Tailândia, com 80% da participação do eleitorado, obteve 40,21% (9.728), dos votos válidos.

Em 2012 o mandato do prefeito Gilbertinho foi cassado em decorrência de um processo movido desde 2008 por Valdinei Palhares, que assumiu a prefeitura de Tailândia aos 14 de agosto de 2012.Mais recentemente, no último pleito (2012), candidataram-se à prefeito (a) Hígia Frota, Gilbertinho e Valdinei Palhares. Dez dias antes da eleição Gilbertinho foi substituído por Ney da Saúde, até então vereador e candidato à reeleição. O resultado da votação para muitos

foi o mais esperado, para outros surpreendente: Rosinei Pinto de Souza (Ney da Saúde) foi eleito prefeito com 17.524 votos (55,07%) (ver AQUI), em segundo lugar ficou Hígia Frota com 7.884 votos, (24,77%), Valdinei obteve 6.415 votos (20,16%).

Economia[editar | editar código-fonte]

Tailândia é muito conhecida pelo forte potencial econômico, sendo referência mundial no cultivo do óleo de palma de dendê. Grandes empresas têm se instalado em Tailândia e a economia do município tem se tornado cada vez mais destaque na região.

Depois da criação da localidade de Tailândia, em julho de 1978, o isolamento da sede municipal do Acará, com a insuficiência de recursos financeiros, falta de assistência social, à educação e à saúde, a consciência de sua importância sócio-econômica e a insatisfação social e política, o desejo de emancipação foi crescendo.

Com a emancipação, as principais fontes de arrecadação do município foram impostos sobre Venda a Varejo de Combustíveis (IVVC), taxas de alvarás de funcionamento e IPTU, deixando de arrecadar quotas do ICMS pela deficiência de fiscalização, inclusive de controle de saída de produtos, como a madeira e o  gado, ou seja, o início de sua emancipação economicamente não foi muito fácil.

O setor primário foi o segmento que mais absorveu mão-de-obra. A pecuária e o extrativismo madeireiro se implantaram muito antes da colonização, através de projetos financiados pela lei de incentivos fiscais.

O rápido fator migratório, incentivada pelos proprietários de grandes áreas de terras e serrarias, que traziam mão-de-obra de outras localidades e Estados em grande leva, ajudou a dinamizar a economia baseada na pecuária e extração de madeira.

Segundo dados da Secretaria de Estado de Planejamento do Pará (SEPLAN), somente em 1989, a agricultura ocupava mais de  3.000   postos   serviços, para 500 empregadores e 30 autônomos, ganhando a perder de vista a pecuária, com 220 trabalhadores para 50 estabelecimentos. A outra parcela da economia estava distribuída no comércio varejista, serviços públicos e em atividades de profissionais liberais.

Assim, é notório compreender a estratificação da sociedade tailandense, onde a maior renda era concentrada nas mãos de proprietários de grandes áreas e empresários do setor madeireiro; a média renda, entre pequenos proprietários, profissionais liberais, comerciantes e funcionários públicos; e a menor renda, distribuída aos trabalhadores de serrarias, carvoarias e trabalhadores rurais.

Outro destaque importante para a economia da região é a implantação do Grupo AGROPALMA, na produção de dendê, e a agroindústria.

Embora, contribuindo com um Produto Interno Bruto (PIB) de R$ 266.236,00 (IBGE/2007), até 2008 foi mesmo a madeira que dominava a economia municipal. No entanto, a ilegalidade do extrativismo madeireiro era constante, como o corte ilegal da floresta, contribuindo com a degradação da floresta Amazônica e o meio ambiente, utilização de documentação falsa e sonegação de impostos.

Então em março de 2008, o Governo Federal determinou a intervenção na região através da Operação “Arco de Fogo”, que autuou, multou, confiscou madeiras ilegalmente retiradas e destruiu carvoarias. Essa ação, sem um planejamento para mudança no modelo econômico da região, respeitando o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) de 0,700 da população, considerado médio, o impacto dessa intervenção provocou desemprego em massa.

Mas em junho de 2009, num esforço de reverter as consequências da Operação “Arco de Fogo”, os governos Federal e Estadual, articulado junto com a prefeitura municipal, foi realizado o Mutirão “Arco Verde” com o objeto de regularização fundiária, abertura de crédito rural e construir uma consciência de defesa do meio ambiente.

Agora, o principal desafio do município e dos governos estadual e federal deve ser a legalização fundiária e o incentivo a diversos projetos que venham a reverter a situação econômica, gerando desenvolvimento, emprego e renda, através de ações economicamente viáveis e sustentáveis do ponto de vista da preservação do meio ambiente, constituindo assim um novo modelo econômico para a região.

Referências

  1. a b Divisão Territorial do Brasil Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1 de julho de 2008). Visitado em 11 de outubro de 2008.
  2. IBGE (10 out. 2002). Área territorial oficial Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Visitado em 5 dez. 2010.
  3. Estimativa Populacional 2013 (PDF) Censo Populacional 2013 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) (1º de julho de 2013). Visitado em 29 de agosto de 2012.
  4. Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil Atlas do Desenvolvimento Humano Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) (2010). Visitado em 21 de setembro de 2013.
  5. a b PIBMunicipal2008-2012 Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Visitado em 19 dez. 2014.
  6. Multidão cerca fiscais do Ibama em Tailândia, Pará - Notícias 2008 - IBAMA - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ibama.gov.br (19/02/08). Visitado em 31 de maio de 2012.
Ícone de esboço Este artigo sobre municípios do estado do Pará é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.