The Pillow Book

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
The Pillow Book
O Livro de Cabeceira (PT/BR)
 Reino Unido /  França
1996 • 126 min 
Direção Peter Greenaway
Produção Kees Kasander
Terry Glinwood
Jean-Louis Piel...
Elenco Vivian Wu
Ken Ogata
Ewan McGregor
Yoshi Oida
Idioma inglês
japonês
cantonês
mandarim
francês
Cinematografia Sacha Vierny
Edição Peter Greenaway
Chris Wyatt
Lançamento 12 de maio de 1996 (Festival de Cannes)
Cronologia
Último
Último
The Baby of Mâcon (1993)
8½ Women (1999)
Próximo
Próximo
Página no IMDb (em inglês)

The Pillow Book (em Portugal e no Brasil, O Livro de Cabeceira) é um filme franco-britânico de 1996, dirigido por Peter Greenaway, baseado nas Notas de Cabeceira da escritora medieval japonesa Sei Shōnagon.

Sinopse[editar | editar código-fonte]

Gtk-paste.svg Aviso: Este artigo ou se(c)ção contém revelações sobre o enredo.

Em Quioto, uma jovem chamada Nagiko recebe um estranho presente de aniversário de seu pai, um calígrafo célebre, que resolve desenhar uma escrita no rosto da criança. Anos mais tarde, quando Nagiko se torna mulher, a sua vida sexual irá ser marcada por aquele voto. Ela procura incessantemente um amante ideal, alguém que satisfaça um desejo de cumplicidade entre o corpo e a escrita. Depois de alguns fracassos, acaba por encontrar em Hong Kong um tradutor ocidental da língua japonesa (Jerome), que a seduz imediatamente. Mas Jerome mantém uma relação homossexual com um homem muito mais velho, facto que Nagiko não perdoa.

Gtk-paste.svg Aviso: Terminam aqui as revelações sobre o enredo.

Elenco[editar | editar código-fonte]

Sobre o filme[editar | editar código-fonte]

The Pillow Book baseia-se num livro homónimo escrito por uma dama que viveu na corte japonesa do século X. Greenaway transpôs a acção do filme para a actualidade, utilizando os motivos estéticos e plásticos que sempre caracterizaram o seu trabalho. Tal como em outros dos seus filmes em que as personagens femininas são as mais fortes, também aqui Nagiko é a personagem que começa passivamente por ser o "papel", acaba por se transformar perversamente na "pluma"[1] . Um filme que pode ser lido como uma metáfora de como o poder sensual da escrita e da literatura pode levar ao êxtase físico.

Referências

  1. Francisco Ferreira, A lascívia da escrita, Expresso, 26-6-1999.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre um filme é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.