Émile Armand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Émile Armand
Nome nativo Émile Armand
Nascimento 26 de março de 1872
11.º arrondissement de Paris
Morte 19 de fevereiro de 1962 (89 anos)
Rouen
Cidadania França
Ocupação escritor
Influências

Émile Armand (pseudônimo de Armand Juin Ernest-Lucien, 26 março de 1872 - 19 de fevereiro de 1963) foi um influente anarquista individualista, francês no início do século XX[1][2] e também um dedicado escritor, propagandista e ativista do amor livre. Escreveu e editou para as publicações anarquistas L’Ère nouvelle (1901–1911), L’Anarchie, L'EnDehors (1922–1939) e o L'Unique (1945–1953).[2]

Vida e ativismo[editar | editar código-fonte]

Armand nasceu em Paris em 26 de março de 1872. Ele era filho de um participante da Comuna de Paris. Inicialmente, ele aceitou o cristianismo, porém nos anos de 1895 e 1896, Armand descobriu o anarquismo através de contatos com a revista Les Temps nouveaux que na ocasião era editada por Jean Grave. Mais tarde, ele escreveu artigos sob o pseudônimo de Junius na revista Le Libertaire de Sébastien Faure. Influências importantes na sua vida foram Leo Tolstoy, Benjamin Tucker, Walt Whitman e Ralph Waldo Emerson.

Armand posteriormente colaborou em outras revistas anarquistas e pacifistas, como La Misere, e L'Universel e Cri Le de Révolte. Em 1901, ele estabeleceu com Marie Kugel (seu companheiro até 1906) a revista L'Ere Nouvelle, que inicialmente aderiu ao anarquismo cristão, [3] posteriormente abraçou o anarco-comunismo e, em 1911, finalmente aderiu ao anarquismo individualista. Ele fundou a Ligue antimilitariste em 1902 com Albert Libertad e Mathias George PARAF-Javal, outro individualista intransigente. Ele procurou aplicar estes princípios dentro de espaços sociais experimentais, eventos e comunas que os grupos anarquistas na França da época chamavam milieux libres.

De 1902 Armand escreveu Causeries populaires e começou uma parceria editorial escrevendo com o importante anarquista individualista Albert Libertad. Em 1905, começou a colaborar na revista L'Anarchie. Neste período foi preso diversas vezes devido seu ativismo como anarquista, pacifista e antimilitarista.

Em 1908, ele publicou o livro Qu'est-ce qu'un anarchiste, e em 1911 se casou com Denise Rougeault, que o ajudou financeiramente e com isso foi capaz de se dedicar mais defendendo suas ideias. A partir de 1922, publicou a revista L' EnDehors por 17 anos. Ao mesmo tempo, ele escreveu Poésies composées en prison e l'Initiation individualiste anarchiste em 1923 e La révolution sexuelle et la camaraderie amoureuse. Em 1931, ele publicou dois livros Ways of communal life without state and authority e Economic and sexual experiences through history,[4] no qual ele apresentou comunidades anarquista e não anarquista de diferentes épocas. Ele revitalizou o pensamento socialista utópico de pensadores como Robert Owen e, especialmente, Charles Fourier com quem ele também compartilhava com os pontos de vista sobre o amor livre e a liberdade de exploração pessoal.[4]

Armand era ateu.[5]

Ele faleceu em Rouen em 19 de fevereiro de 1963.[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • L’idéal libertaire et sa réalisation., 1904.
  • De la liberté sexuelle, 1907.
  • Mon athéisme, 1908.
  • Qu'est-ce qu'un anarchiste ? Thèses et opinions, Paris, Éditions de l'anarchie, 1908, 179 p.
  • Le Malthusianisme, le néo-malthusianisme et le point de vue individualiste, 1910.
  • La Procréation volontaire au point de vue individualiste, 1910.
  • Est-ce cela que vous appelez « vivre ? », 1910.
  • Les Ouvriers, les syndicats et les anarchistes, 1910.
  • Mon point de vue de « l’anarchisme individualiste », 1911.
  • La Vie comme expérience, 1916.
  • Les besoins factices, les stimulants et les individualistes, 1917.
  • Le plus grand danger de l’après-guerre, 1917.
  • Lettre ouverte aux travailleurs des champs, 1919.
  • L’illégalisme anarchiste. Le mécanisme judiciaire et le point de vue individualiste, 1923.
  • L’illégaliste anarchiste est-il notre camarade ?, 1923. in english
  • L’Initiation individualiste anarchiste, 1923.
  • Entretien sur la liberté de l’amour, 1924.
  • L’ABC de « nos » revendications individualistes anarchistes, 1924.
  • Liberté sexuelle, 1925.
  • Amour libre et liberté sexuelle, 1925.
  • Realism and Idealism mixed – Reflections of an Anarchist Individualist. 1926. [6]
  • Ways of Life in Common without State nor Authority: Sexual and Economic Experiences through History. 1931[6]
  • Libertinage and Prostitution: great prostitutes and famous libertines: influence of the sexual act in the political and social life of humanity 1936[6]
  • La révolution sexuelle et la camaraderie amoureuse, 1934.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • L’Anarchie
  • L'Ère nouvelle (1901–1911)
  • Hors du troupeau (1911)
  • Par-delà la Mêlée (1916)
  • L'EnDehors (1922)
  • L’Unique (1945)

Referências

  1. Woodcock identifica ele como o principal anarquista individualista francês na época da Primeira Guerra Mundial (pg. 324). George Woodcock. Anarchism: a history of libertarian ideas. pg 324
  2. a b c Xavier Diez. El anarquismo individualista en España (1923–1939). Virus Editorial. Barcelona. 2007
  3. http://www.la-presse-anarchiste.net/spip.php?rubrique6 L'Ère nouvelle (1901–1911)
  4. a b "Émile Armand" no Ateneo Virutal do Alasbarricadas.org
  5. Se declara como ateu e inimigo de todas as concepções monoteístas e politéistas. Fonte: capítulo "3.5 Mi Ateísmo" do livro "El Anarquismo Individualista. Lo que es, puede y vale." Terramar Ediciones (2003).
  6. a b c Émile Armand. Anarchist Individualism and Amorous Comradeship

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Émile Armand».



  1. Erro de citação: Código <ref> inválido; não foi fornecido texto para as refs de nome comunas