Émile Armand

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Émile Armand

Émile Armand (pseudônimo de Armand Juin Ernest-Lucien, 26 março de 1872 - 19 de fevereiro de 1963) foi um influente anarquista individualista, francês no início do século XX[1] [2] e também um dedicado escritor, propagandista e ativista do amor livre. Escreveu e editou para as publicações anarquistas L’Ère nouvelle (1901–1911), L’Anarchie, L'EnDehors (1922–1939) e o L'Unique (1945–1953).[2]

Vida e ativismo[editar | editar código-fonte]

Armand nasceu em Paris em 26 de março de 1872. Ele era filho de um participante da Comuna de Paris. Inicialmente, ele aceitou o cristianismo, porém nos anos de 1895 e 1896, Armand descobriu o anarquismo através de contatos com a revista Les Temps nouveaux que na ocasião era editada por Jean Grave. Mais tarde, ele escreveu artigos sob o pseudônimo de Junius na revista Le Libertaire de Sébastien Faure. Influências importantes na sua vida foram Leo Tolstoy, Benjamin Tucker, Walt Whitman e Ralph Waldo Emerson.

Armand posteriormente colaborou em outras revistas anarquistas e pacifistas, como La Misere, e L'Universel e Cri Le de Révolte. Em 1901, ele estabeleceu com Marie Kugel (seu companheiro até 1906) a revista L'Ere Nouvelle, que inicialmente aderiu ao anarquismo cristão, [3] posteriormente abraçou o anarco-comunismo e, em 1911, finalmente aderiu ao anarquismo individualista. Ele fundou a Ligue antimilitariste em 1902 com Albert Libertad e Mathias George PARAF-Javal, outro individualista intransigente. Ele procurou aplicar estes princípios dentro de espaços sociais experimentais, eventos e comunas que os grupos anarquistas na França da época chamavam milieux libres.

De 1902 Armand escreveu Causeries populaires e começou uma parceria editorial escrevendo com o importante anarquista individualista Albert Libertad. Em 1905, começou a colaborar na revista L'Anarchie. Neste período foi preso diversas vezes devido seu ativismo como anarquista, pacifista e antimilitarista.

Em 1908, ele publicou o livro Qu'est-ce qu'un anarchiste, e em 1911 se casou com Denise Rougeault, que o ajudou financeiramente e com isso foi capaz de se dedicar mais defendendo suas ideias. A partir de 1922, publicou a revista L' EnDehors por 17 anos. Ao mesmo tempo, ele escreveu Poésies composées en prison e l'Initiation individualiste anarchiste em 1923 e La révolution sexuelle et la camaraderie amoureuse. Em 1931, ele publicou dois livros Ways of communal life without state and authority e Economic and sexual experiences through history,[4] no qual ele apresentou comunidades anarquista e não anarquista de diferentes épocas. Ele revitalizou o pensamento socialista utópico de pensadores como Robert Owen e, especialmente, Charles Fourier com quem ele também compartilhava com os pontos de vista sobre o amor livre e a liberdade de exploração pessoal.[4]

Armand era ateu.[5]

Ele faleceu em Rouen em 19 de fevereiro de 1963.[2]

Obras[editar | editar código-fonte]

  • L’idéal libertaire et sa réalisation., 1904.
  • De la liberté sexuelle, 1907.
  • Mon athéisme, 1908.
  • Qu'est-ce qu'un anarchiste ? Thèses et opinions, Paris, Éditions de l'anarchie, 1908, 179 p.
  • Le Malthusianisme, le néo-malthusianisme et le point de vue individualiste, 1910.
  • La Procréation volontaire au point de vue individualiste, 1910.
  • Est-ce cela que vous appelez « vivre ? », 1910.
  • Les Ouvriers, les syndicats et les anarchistes, 1910.
  • Mon point de vue de « l’anarchisme individualiste », 1911.
  • La Vie comme expérience, 1916.
  • Les besoins factices, les stimulants et les individualistes, 1917.
  • Le plus grand danger de l’après-guerre, 1917.
  • Lettre ouverte aux travailleurs des champs, 1919.
  • L’illégalisme anarchiste. Le mécanisme judiciaire et le point de vue individualiste, 1923.
  • L’illégaliste anarchiste est-il notre camarade ?, 1923. in english
  • L’Initiation individualiste anarchiste, 1923.
  • Entretien sur la liberté de l’amour, 1924.
  • L’ABC de « nos » revendications individualistes anarchistes, 1924.
  • Liberté sexuelle, 1925.
  • Amour libre et liberté sexuelle, 1925.
  • Realism and Idealism mixed – Reflections of an Anarchist Individualist. 1926. [6]
  • Ways of Life in Common without State nor Authority: Sexual and Economic Experiences through History. 1931[6]
  • Libertinage and Prostitution: great prostitutes and famous libertines: influence of the sexual act in the political and social life of humanity 1936[6]
  • La révolution sexuelle et la camaraderie amoureuse, 1934.

Publicações[editar | editar código-fonte]

  • L’Anarchie
  • L'Ère nouvelle (1901–1911)
  • Hors du troupeau (1911)
  • Par-delà la Mêlée (1916)
  • L'EnDehors (1922)
  • L’Unique (1945)

Referências

  1. Woodcock identifica ele como o principal anarquista individualista francês na época da Primeira Guerra Mundial (pg. 324). George Woodcock. Anarchism: a history of libertarian ideas. pg 324
  2. a b c Xavier Diez. El anarquismo individualista en España (1923–1939). Virus Editorial. Barcelona. 2007
  3. http://www.la-presse-anarchiste.net/spip.php?rubrique6 L'Ère nouvelle (1901–1911)
  4. a b "Émile Armand" no Ateneo Virutal do Alasbarricadas.org
  5. Se declara como ateu e inimigo de todas as concepções monoteístas e politéistas. Fonte: capítulo "3.5 Mi Ateísmo" do livro "El Anarquismo Individualista. Lo que es, puede y vale." Terramar Ediciones (2003).
  6. a b c Émile Armand. Anarchist Individualism and Amorous Comradeship

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  • Este artigo foi inicialmente traduzido do artigo da Wikipédia em inglês, cujo título é «Émile Armand».


Ícone de esboço Este sobre Anarquismo é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


  1. Erro de citação: Tag <ref> inválida; não foi fornecido texto para as refs chamadas comunas