Abel Tasman

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Abel Tasman
Nome completo Abel Janszoon Tasman
Nascimento 1603
Lutjegast, Groningen, Países Baixos
Morte 10 de outubro de 1659 (56 anos)
Batávia, Java, Indonésia
Ocupação navegador, explorador e comerciante

Abel Janszoon Tasman (Lutjegaste, 1603Batávia, 10 de outubro de 1659) foi um navegador, explorador e comerciante neerlandês. Foi o primeiro explorador europeu conhecido a alcançar a Nova Zelândia e as ilhas de Fiji e Van Diemen's Land (agora Tasmânia).

Vida[editar | editar código-fonte]

Trabalhou para a Companhia das Índias Orientais. Dirigiu uma importante viagem de exploração pelo oceano Índico e pelo sul do Pacífico, em busca de oportunidades de comércio e ouro, mas também para encontrar uma possível rota para o Chile. Tasman foi o primeiro europeu a avistar a Tasmânia, em 1642, bem como a Nova Zelândia, numa viagem que tinha por objectivo a descoberta da Austrália.

As rotas de Abel Tasman

Em sua homenagem, alguns lugares receberam seu nome: a ilha de Van Diemen's Land recebeu o nome de Tasmânia, o Mar de Tasman entre a Austrália e a Nova Zelândia e um parque nacional na Nova Zelândia.[1]

Mapas de Tasman[editar | editar código-fonte]

Mapa de Abel Tasman, por volta de 1644, também conhecido como mapa de Tasman 'Bonaparte'

Mantido na coleção da Biblioteca Estadual de Nova Gales do Sul está o mapa da Tasmânia, que se acredita ter sido desenhado por Isaac Gilsemans ou concluído sob a supervisão de Franz Jacobszoon Visscher. O mapa também é conhecido como mapa de Bonaparte, pois já foi propriedade do príncipe Roland Bonaparte, sobrinho-neto de Napoleão. O mapa foi concluído algum tempo depois de 1644 e é baseado nas cartas originais desenhadas durante a primeira e segunda viagens de Tasman. Como nenhum dos diários ou registros compostos durante a segunda viagem de Tasman sobreviveu, o mapa de Bonaparte permanece como um importante artefato contemporâneo da viagem de Tasman à costa norte do continente australiano.[2][3][4]

Vestíbulo da Biblioteca Estadual de Nova Gales do Sul, mostrando um mosaico do mapa da Tasmânia embutido no chão

O mapa da Tasmânia revela amplamente a extensão do entendimento que os holandeses tinham do continente australiano na época. O mapa inclui as costas oeste e sul da Austrália, encontradas acidentalmente por viajantes holandeses enquanto viajavam pelo Cabo da Boa Esperança para a sede da VOC em Batávia. Além disso, o mapa mostra os rastros das duas viagens de Tasman. De sua segunda viagem, o mapa mostra a área das Ilhas Banda, na costa sul da Nova Guinée grande parte da costa norte da Austrália. No entanto, a área do Estreito de Torres não foi examinada; isso apesar de ter recebido ordens do Conselho VOC em Batávia para explorar a possibilidade de um canal entre a Nova Guiné e o continente australiano.[2][5]

Há um debate quanto à origem do mapa. Acredita-se amplamente que o mapa foi produzido na Batávia; no entanto, também foi argumentado que o mapa foi produzido em Amsterdã. A autoria do mapa também foi debatida: embora o mapa seja comumente atribuído a Tasman, agora acredita-se que tenha sido o resultado de uma colaboração, provavelmente envolvendo Franchoijs Visscher e Isaack Gilsemans, que participaram de ambas as viagens de Tasman. Se o mapa foi produzido em 1644 também está sujeito a debate, como um relatório da empresa VOC em dezembro de 1644 sugere que naquela época nenhum mapa mostrando as viagens de Tasman estava completo.[4][6]

Em 1943, uma versão em mosaico do mapa, composta de mármore colorido e latão, foi embutida no piso do vestíbulo da Biblioteca Mitchell em Sydney. O trabalho foi encomendado pelo bibliotecário principal William Ifould, e concluído pelos Irmãos Melocco de Annandale, que também trabalharam no Memorial de Guerra ANZAC em Hyde Park e na cripta da Catedral de Santa Maria, em Sydney.[7][3][8]

Homenagens[editar | editar código-fonte]

Como ocorreu a diversos exploradores famosos, o nome de Tasman foi homenageado em diversos lugares. Estes incluem:

Referências

  1. Edward Duyker, The Discovery of Tasmania: Journal Extracts from the Expeditions of Abel Janszoon Tasman and Marc-Joseph Marion Dufresne 1642 & 1772, St David's Park Publishing/Tasmanian Government Printing Office, Hobart, 1992, pp. 106, ISBN 0 7246 2241 1.
  2. a b Patton, Maggie (2014). Pool, David, ed. Tasman's Legacy. Mapping our world. Canberra: National Library of Australia. pp. 140–142. ISBN 9780642278098 
  3. a b «The tasman map». State Library of New South Wales. Discover Collections. 2012 
  4. a b Hooker, Brian N. (novembro de 2015). «New Light on the Origin of the Tasman-Bonaparte Map». The Globe (78). Consultado em 8 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 4 de julho de 2021 – via Informit 
  5. Jeans, D.N. (1972). Historical Geography of New South Wales to 1901. [S.l.]: Reed Education. p. 24. ISBN 0589091174 
  6. Anderson, G (2001). The Merchant of the Zeehaen: Isaac Gilsemans and the voyages of Abel Tasman. Wellington: Te Papa Press. pp. 155–158. ISBN 0909010757 
  7. Kevin, Catherine (2005). «Melocco, Galliano (1897–1971)». Australian Dictionary of Biography. National Centre of Biography, Australian National University. Consultado em 9 de agosto de 2016. Cópia arquivada em 19 de agosto de 2016 
  8. Tasman Map in the Mitchell Vestibule, State Library of NSW

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Abel Tasman
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.