Exploração

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Disambig grey.svg Nota: "Explorador" redireciona a este artigo. Para outros significados, veja Explorador (desambiguação).

Exploração é o ato de pesquisar ou viajar, com o intuito de descobrir e conhecer regiões desconhecidas, com intuito científico, econômico e/ou militar.[1] O termo também pode ser empregado para descrever as primeiras incursões de povos de uma cultura em um ambiente geográfico e cultural de outros povos (ver invasão, colonização, e imperialismo). Apesar de a exploração existir desde os primórdios da raça humana, o ápice dessa atividade ocorre entre período dos descobrimentos ou das grandes explorações marítimas, nos séculos XV e XVI e o apogeu da era dos grandes impérios coloniais, no século XIX. Em pesquisa científica, a exploração é um dos três objetivos da pesquisa (os outros dois são a descrição e a explicação). A exploração pode ainda ser uma tentativa de desenvolver um entendimento inicial de algum fenômeno.

Conceito[editar | editar código-fonte]

Exploração (como a ciência de forma mais geral), particularmente sua compreensão e uso foram criticamente discutidos como sendo historicamente enquadrados e usados, o mais tardar desde a Era das Descobertas até a era contemporânea da exploração espacial,[2][3][4][5][6] para empreendimentos colonialistas, discriminação e exploração, revigorando conceitos como a "fronteira" (como no frontierismo) e destino manifesto.[7]

Exploração médica[editar | editar código-fonte]

A Exploração médica é o ato de examinar o corpo para se obter um diagnóstico.[8]

Períodos históricos notáveis ​​de exploração humana[editar | editar código-fonte]

Navegação na galera fenícia[editar | editar código-fonte]

Os fenícios (1550 AEC a 300 AEC) comercializavam em todo o Mar Mediterrâneo e na Ásia Menor, embora muitas de suas rotas ainda sejam desconhecidas hoje. A presença de estanho em alguns artefatos fenícios sugere que eles podem ter viajado para a Grã - Bretanha. De acordo com a Eneida de Virgílio e outras fontes antigas, a lendária Rainha Dido era uma fenícia de Tiro que navegou para o Norte da África e fundou a cidade de Cartago.

Exploração cartaginesa da África Ocidental[editar | editar código-fonte]

Hanno, o Navegador (500 a.C.), um navegador cartaginense que explorou a costa ocidental da Africa.

Exploração grega e romana do norte da Europa e Thule[editar | editar código-fonte]

Explorações romanas[editar | editar código-fonte]

Exploração da África

Os romanos organizaram expedições para cruzar o deserto do Saara com cinco rotas diferentes:

Todas essas expedições eram apoiadas por legionários e tinham principalmente fins comerciais. Apenas o feito pelo imperador Nero parecia ser um preparativo para a conquista da Etiópia ou da Núbia: em 62 d.C., dois legionários exploraram as nascentes do rio Nilo.

Um dos principais motivos das explorações era conseguir ouro usando o camelo para transportá-lo.[9]

As explorações próximas às costas ocidental e oriental da África eram apoiadas por navios romanos e profundamente relacionadas com o comércio naval (principalmente em direção ao Oceano Índico). Os romanos também organizaram várias explorações no norte da Europa e exploraram até a China na Ásia.

30 AC-640 DC
Com a aquisição do Egito ptolomaico, os romanos começaram a negociar com a Índia. O Império agora tem uma conexão direta com o comércio de especiarias que o Egito estabeleceu a partir de 118 AC.
100 AD-166 AD
Começam as relações romano-chinesas. Ptolomeu escreve sobre o Golden Chersonese (ie Península Malaia) e o porto comercial de Kattigara, agora identificado como Óc Eo no norte do Vietnã, então parte de Jiaozhou, uma província do Império Han chinês. Os textos históricos chineses descrevem embaixadas romanas, de uma terra que eles chamaram de Daqin.
Século 2
Comerciantes romanos chegam ao Sião, Camboja, Sumatra e Java.
161
Uma embaixada do imperador romano Antonino Pio ou de seu sucessor Marco Aurélio chega ao imperador chinês Huan de Han em Luoyang.
226
Um diplomata ou comerciante romano chega no norte do Vietnã e visita Nanjing, na China, e a corte de Sun Quan, governante do leste de Wu.

Exploração chinesa da Ásia Central[editar | editar código-fonte]

Durante o século 2 a.C., a dinastia Han explorou grande parte do hemisfério norte oriental. Começando em 139 AC, o diplomata Han Zhang Qian viajou para o oeste em uma tentativa malsucedida de assegurar uma aliança com os Da Yuezhi contra os Xiongnu (os Yuezhi foram expulsos de Gansu pelos Xiongnu em 177 AC); no entanto, as viagens de Zhang descobriram países inteiros que os chineses desconheciam, incluindo os vestígios das conquistas de Alexandre o Grande (r. 336–323 a.C.). Quando Zhang retornou à China em 125 a.C., ele relatou suas visitas a Dayuan (Fergana),Kangju (Sogdiana) e Daxia (Bactria, anteriormente o Reino Greco-Bactriano que acabava de ser subjugado pelo Da Yuezhi). Zhang descreveu Dayuan e Daxia como países agrícolas e urbanas, como a China, e embora ele não se aventurou lá, descrito Shendu (o Rio Indo vale do noroeste da Índia) e Anxi (Arsácida territórios) mais a oeste.[10][11][12]

Idade Viking[editar | editar código-fonte]

Assentamentos e viagens vikings

De cerca de 800 DC a 1040 DC, os vikings exploraram a Islândia e grande parte do hemisfério norte ocidental por meio de rios e oceanos. Por exemplo, sabe-se que o explorador viking norueguês Erik, o Vermelho (950–1003), navegou e se estabeleceu na Groenlândia depois de ser expulso da Islândia, enquanto seu filho, o explorador islandês Leif Ericson (980–1020), chegou à Terra Nova e a vizinha costa norte-americana, e acredita-se que seja o primeiro europeu a pousar na América do Norte.

Polynesian Age[editar | editar código-fonte]

Mapa de expansão austronésico

Os polinésios eram um povo marítimo, que povoou e explorou o Pacífico central e sul por cerca de 5 000 anos, até cerca de 1280 quando descobriram a Nova Zelândia. A principal invenção para sua exploração foi a canoa outrigger, que fornecia uma plataforma rápida e estável para transportar mercadorias e pessoas. Com base em evidências limitadas, acredita-se que a viagem à Nova Zelândia foi deliberada. Não se sabe se um ou mais barcos foram para a Nova Zelândia, ou o tipo de barco, ou os nomes daqueles que migraram. Estudos de 2011 no Wairau Bar, na Nova Zelândia, mostram uma alta probabilidade de que uma das origens tenha sido a Ilha Ruahine nas Ilhas da Sociedade. Os polinésios podem ter usado a predominante ventos alísios chegarão à Nova Zelândia em cerca de três semanas. As Ilhas Cook estão em linha direta ao longo do caminho de migração e podem ter sido um ponto de parada intermediário. Existem semelhanças culturais e linguísticas entre os habitantes das Ilhas Cook e os Maori da Nova Zelândia. Os primeiros maoris tinham diferentes lendas sobre suas origens, mas as histórias foram mal interpretadas e reinterpretadas em relatos escritos confusos de primeiros historiadores europeus na Nova Zelândia, tentando apresentar um padrão coerente de colonização maori na Nova Zelândia.

A modelagem matemática baseada em estudos do genoma do DNA, usando técnicas de ponta, mostrou que um grande número de migrantes polinésios (100–200), incluindo mulheres, chegaram à Nova Zelândia por volta da mesma época, por volta de 1280. Otago Estudos universitários tentaram vincular padrões distintos de DNA de dentes, que mostram influência dietética especial, com lugares nas Ilhas da Sociedade ou próximos a eles.[13]

Exploração chinesa do Oceano Índico[editar | editar código-fonte]

O explorador chinês Wang Dayuan ( fl. 1311–1350) fez duas viagens importantes de navio ao Oceano Índico. Durante 1328–1333, ele navegou ao longo do Mar da China Meridional e visitou muitos lugares no Sudeste Asiático e chegou até o Sul da Ásia, desembarcando no Sri Lanka e na Índia, e até mesmo foi para a Austrália. Então, em 1334–1339, ele visitou o Norte da África e o Leste da África. Mais tarde, o almirante chinês Zheng He (1371-1433) fez sete viagens à Arábia, África Oriental, Índia, Indonésia e Tailândia.

Era Européia dos Descobrimentos[editar | editar código-fonte]

As viagens transatlânticas de Cristóvão Colombo
As viagens de ida e volta da Índia portuguesa correm nos oceanos Atlântico e Índico, com o Giro do Atlântico Norte (volta do mar) recolhido pelos navegadores de Henrique e a rota de ida dos ventos do Atlântico Sul que Bartolomeu Dias descobriu em 1488, seguida e explorada pelas expedições de Vasco da Gama e Pedro Alvares Cabral

A Era dos Descobrimentos, também conhecida como Era da Exploração, é um dos mais importantes períodos de exploração geográfica da história humana. Tudo começou no início do século XVI e durou até o século XVII. Nesse período, os europeus descobriram e / ou exploraram vastas áreas das Américas, África, Ásia e Oceania. Portugal e Espanha dominaram os primeiros estágios de exploração, enquanto outras nações europeias seguiram, como Inglaterra, Holanda e França.

Explorações importantes durante este período foram para vários continentes e regiões ao redor do globo. Na África, exploradores importantes deste período incluem Diogo Cão (c. 1452 - c. 1486) que descobriu e subiu o rio Congo e alcançou as costas da atual Angola e Namíbia; e Bartolomeu Dias (c. 1450–1500), o primeiro europeu a chegar ao Cabo da Boa Esperança e outras partes da costa sul-africana.

Exploradores de rotas da Europa para a Ásia, o Oceano Índico e o Oceano Pacífico incluem Vasco da Gama (1460-1524), um navegador que fez a primeira viagem da Europa para a Índia e de volta pelo Cabo da Boa Esperança, descobrindo o oceano rota para o leste; Pedro Álvares Cabral (c. 1467/1468 - c. 1520) que, seguindo o caminho de Vasco da Gama, reivindicou o Brasil e liderou a primeira expedição que ligou Europa, África, América e Ásia; Diogo Dias, que descobriu a costa oriental de Madagascar e dobrou a esquina da África; exploradores como Diogo Fernandes Pereira e Pedro Mascarenhas (1470–1555), entre outros, que descobriu e mapeou as Ilhas Mascarenhas e outros arquipélagos.

António de Abreu (c. 1480 - c. 1514) e Francisco Serrão (14? –1521) conduziram a primeira frota europeia diretamente para o Oceano Pacífico (nas suas margens ocidentais) e através das Ilhas Sunda, chegando às Molucas. Andres de Urdaneta (1498–1568) descobriu a rota marítima da Ásia para as Américas.

No Oceano Pacífico, Jorge de Menezes (c. 1498–?) Descobriu a Nova Guiné. García Jofre de Loaísa (1490–1526) descobriu as Ilhas Marshall.

Descoberta da américa

As explorações das Américas começaram com a descoberta inicial da América por Cristóvão Colombo (1451-1506), que liderou uma expedição castelhana (espanhola) através do Atlântico, descobrindo a América. Após a descoberta da América por Colombo, várias expedições importantes foram enviadas para explorar o hemisfério ocidental. Isso incluiu Juan Ponce de León (1474–1521), que descobriu e mapeou a costa da Flórida; Vasco Núñez de Balboa (c. 1475–1519), que foi o primeiro europeu a ver o Oceano Pacífico da costa americana (depois de cruzar o istmo do Panamá), confirmando que a América era um continente separado da Ásia; Aleixo Garcia (14? –1527), que explorou os territórios do atual sul do Brasil, Paraguai e Bolívia, cruzando o Chaco e alcançando os Andes (próximo a Sucre).

Álvar Núñez Cabeza de Vaca (1490–1558) descobriu o rio Mississippi e foi o primeiro europeu a navegar pelo Golfo do México e cruzar o Texas. Jacques Cartier (1491–1557) desenhou os primeiros mapas de parte do Canadá central e marítimo; Francisco Vázquez de Coronado (1510–1554) descobriu o Grand Canyon e o Rio Colorado; Francisco de Orellana (1511–1546) foi o primeiro europeu a navegar ao longo do rio Amazonas.

As rotas das viagens do Capitão James Cook. A primeira viagem é mostrada em vermelho, a segunda viagem em verde e a terceira viagem em azul.
Outras explorações

Fernão de Magalhães (1480-1521) foi o primeiro navegador a cruzar o Oceano Pacífico, descobrindo o Estreito de Magalhães, as Ilhas Tuamotus e Marianas, e conseguindo uma circunavegação quase completa da Terra, em várias viagens, pela primeira vez. Juan Sebastian Elcano (1476–1526), ​​completou a primeira circunavegação global.

Na segunda metade do século XVI e no século XVII, a exploração da Ásia e do Oceano Pacífico continuou com exploradores como Andrés de Urdaneta (1498–1568), que descobriu a rota marítima da Ásia para as Américas; Pedro Fernandes de Queirós (1565–1614), que descobriu as Ilhas Pitcairn e o arquipélago de Vanuatu; Álvaro de Mendaña (1542–1595), que descobriu o arquipélago de Tuvalu, as Marquesas, as Ilhas Salomão e a Ilha Wake.

Os exploradores da Austrália incluíram Willem Janszoon (1570–1630), que fez o primeiro desembarque europeu registrado na Austrália; Yñigo Ortiz de Retez, que descobriu e alcançou o leste e o norte da Nova Guiné; Luis Váez de Torres (1565–1613), que descobriu o Estreito de Torres entre a Austrália e a Nova Guiné; Abel Tasman (1603–1659), que explorou o norte da Austrália, descobriu a Tasmânia, a Nova Zelândia e Tongatapu.

Na América do Norte, os principais exploradores incluíram Henry Hudson (156? –1611), que explorou a Baía de Hudson no Canadá; Samuel de Champlain (1574–1635), que explorou o Rio São Lourenço e os Grandes Lagos (no Canadá e no norte dos Estados Unidos); e René-Robert Cavelier, Sieur de La Salle (1643–1687), que explorou a região dos Grandes Lagos dos Estados Unidos e Canadá, e toda a extensão do rio Mississippi.

Idade Moderna[editar | editar código-fonte]

Rota da Expedição Lewis e Clark

Muito depois da idade de ouro das descobertas, outros exploradores completaram o mapa mundial, como vários exploradores russos, alcançando a costa do Pacífico siberiano e o estreito de Bering, na extremidade extrema da Ásia e do Alasca (América do Norte); Vitus Bering (1681–1741) que, a serviço da Marinha Russa, explorou o Estreito de Bering, o Mar de Bering, a costa norte-americana do Alasca e algumas outras áreas do norte do Oceano Pacífico; e James Cook, que explorou a costa leste da Austrália, as ilhas havaianas e circum-navegou o continente Antártico.

Ainda havia explorações significativas que ocorreram bem na era moderna. Isso inclui a expedição Lewis e Clark (1804-1806), uma expedição terrestre enviada pelo presidente Thomas Jefferson para explorar a recém-adquirida Compra da Louisiana e encontrar uma rota aquática interior para o Oceano Pacífico, junto com outros objetivos para examinar a flora e a fauna do continente. Em 1818, o pesquisador britânico Sir John Ross foi o primeiro a descobrir que as profundezas do mar são habitadas por vida ao capturar águas-vivas e vermes em cerca de 2 000 m (6 562 pés) de profundidade com um dispositivo especial. A Expedição de Exploração dos Estados Unidos (1838-1842) foi uma expedição enviada pelo presidente Andrew Jackson, a fim de fazer um levantamento do Oceano Pacífico e das terras vizinhas.

As condições extremas no fundo do mar requerem métodos e tecnologias elaborados para suportá-las. No século XX, a exploração em alto mar avançou consideravelmente por meio de uma série de invenções tecnológicas, que vão desde o sistema de sonar, que pode detectar a presença de objetos debaixo d'água por meio do uso do som, até submersíveis tripulados de mergulho profundo. Em 1960, Jacques Piccard e o tenente da Marinha dos Estados Unidos Don Walsh desceram no batiscafo Trieste até a parte mais profunda dos oceanos do mundo, a Fossa das Marianas. Em 2018, DSV Limiting Factor, pilotado por Victor Vescovo, completou a primeira missão ao ponto mais profundo do Oceano Atlântico, mergulhando 8 375 m (27 477 pés) abaixo da superfície do oceano até a base da Fossa de Porto Rico. Com o advento das imagens de satélite e da aviação, a exploração da superfície da Terra em grande parte cessou, no entanto, a cultura de muitas tribos desconectadas ainda permanece sem documentação e deixada para ser explorada. A exploração urbana é a exploração de estruturas feitas pelo homem, geralmente ruínas abandonadas ou componentes ocultos do ambiente feito pelo homem.[14][15]

Exploração espacial[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Exploração espacial

A exploração espacial começou no século XX com a invenção de foguetes exo-atmosféricos. Isso deu aos humanos a oportunidade de viajar até a Lua e enviar exploradores robóticos a outros planetas e muito mais.

Ambas as sondas Voyager 1 e Voyager 2 deixaram o Sistema Solar.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Infopédia. «exploração | Definição ou significado de exploração no Dicionário Infopédia de Termos Médicos». Infopédia - Dicionários Porto Editora. Consultado em 24 de setembro de 2021 
  2. Renstrom, Joelle (18 de março de 2021). «The Troubling Rhetoric of Space Exploration». Undark Magazine. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  3. Caroline Haskins (14 de agosto de 2018). «The racist language of space exploration». The Outline (em inglês). Consultado em 20 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2019 
  4. DNLee (26 de março de 2015). «When discussing Humanity's next move to space, the language we use matters.». Scientific American (em inglês). Consultado em 20 de setembro de 2019. Cópia arquivada em 14 de setembro de 2019 
  5. Drake, Nadia (9 de novembro de 2018). «We need to change the way we talk about space exploration». National Geographic. Consultado em 19 de outubro de 2019. Cópia arquivada em 16 de outubro de 2019 
  6. Alan Marshall (fevereiro de 1995). «Development and imperialism in space». Space Policy (11(1)): 41-52. doi:10.1016/0265-9646(95)93233-B. Consultado em 28 de junho de 2020 
  7. Roy, Rohan Deb; Conversation, The (9 de abril de 2018). «Science Still Bears the Fingerprints of Colonialism». Smithsonian Magazine. Consultado em 15 de agosto de 2021 
  8. «Conceito de exploração». Conceito.de. Consultado em 3 de janeiro de 2021 
  9. Roth, Jonathan 2002. The Roman Army in Tripolitana and Gold Trade with Sub-Saharan Africa. APA Annual Convention. New Orleans.
  10. di Cosmo 2002, pp. 247–249; Yü 1986, p. 407; Torday 1997, p. 104; Morton & Lewis 2005, pp. 54–55.
  11. Torday 1997, pp. 105–106.
  12. Torday 1997, pp. 108–112.
  13. Otago University. Wairau Bar Studies 2011.Dr L. Matisoo-Smith.2011.
  14. «Jacques Piccard: Oceanographer and pioneer of deep-sea exploration - Obituaries, News». London: The Independent. 5 de novembro de 2008. Consultado em 17 de setembro de 2010 
  15. Neate, Rupert (22 de dezembro de 2018). «Wall Street trader reaches bottom of Atlantic in bid to conquer five oceans». The Guardian (em inglês). ISSN 0261-3077. Consultado em 2 de junho de 2019 

Fontes[editar | editar código-fonte]

  • di Cosmo, Nicola (2002), Ancient China and Its Enemies: The Rise of Nomadic Power in East Asian History, ISBN 978-0-521-77064-4, Cambridge: Cambridge University Press 
  • Morton, William Scott; Lewis, Charlton M. (2005), China: Its History and Culture, ISBN 978-0-07-141279-7 Fourth ed. , New York City: McGraw-Hill 
  • Torday, Laszlo (1997), Mounted Archers: The Beginnings of Central Asian History, ISBN 978-1-900838-03-0, Durham: The Durham Academic Press 
  • Yü, Ying-shih (1986), «Han Foreign Relations», in: Denis Twitchett; Michael Loewe, The Cambridge History of China, ISBN 978-0-521-24327-8, I: the Ch'in and Han Empires, 221 B.C.–A.D. 220, Cambridge: Cambridge University Press, pp. 377–462 

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

Links externos[editar | editar código-fonte]

Wikiquote
O Wikiquote possui citações de ou sobre: Exploração
Wikcionário
O Wikcionário tem o verbete exploração.