Aberfoyle

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Aberfoyle
A rua principal de Aberfoyle.
A rua principal de Aberfoyle.
Dados Gerais
Nação Escócia
Região Stirling
População 576[1] (2001)
est. 650[2] (2006) habitantes
Localização
Aberfoyle está localizado em: Reino Unido
Aberfoyle
56° 10' 37.62" N 4° 22' 39.24" O
Cidade do Reino Unido Reino Unido

Aberfoyle (em gaélico escocês: Obar Phuill) é uma aldeia no Condado de Registro de Perth e o distrito do governo local de Stirling, na Escócia. O assentamento fica 43 quilômetros a noroeste de Glasgow.

A cidade está situada às margens do rio Forth, na base do monte Craigmore (420 metros de altura). Desde 1885, quando o Duque de Montrose construiu uma estrada no lado oriental do Craigmore para ligar a antiga estrada à entrada do desfiladeiro Trossachs, Aberfoyle tornou-se rota alternativa para Trossachs e Loch Katrine; esta estrada, conhecida como Duke's Road ou Duke's Pass, foi aberta ao público em 1931, quando a Comissão Florestal adquiriu o terreno.

O Loch Ard, cerca de três quilômetros a oeste de Aberfoyle, situa-se a 40 metros acima do nível médio do mar. Tem cinco quilômetros de comprimento (incluindo a faixa estreita na extremidade leste) e um quilômetro e meio de largura. Na extremidade oeste fica Eilean Gorm (a ilha verde), e próximo à margem noroeste está a queda de água de Ledard. Dois quilômetros a noroeste fica o Loch Chon, 90 metros de altitude, dois quilômetros de comprimento, e um quilômetro e meio de largura. Ele escoa pelo rio Avon Dhu até o Loch Ard, que escoa por sua vez, pelo rio Forth.

Indústria[editar | editar código-fonte]

As pedreiras de ardósia, que operavam no monte Craigmore desde a década de 1820 até a década de 1950, agora estão desativadas; foram o principal meio industrial de Aberfoyle. Outras atividades incluíram uma ferraria, fundada na década de 1720, bem como a fiação de e uma fábrica de algodão.

A partir de 1882, a aldeia foi servida pela estação ferroviária de Aberfoyle, o trecho final da ferrovia Strathendrick e Aberfoyle, que seguia até Glasgow via Dumbarton ou Kirkintilloch. A estação foi fechada ao tráfego de passageiros em 1951, e os serviços restantes de carga cessaram em 1959.

As indústrias acima encerraram suas atividades desde então, e Aberfoyle é mantida principalmente pela indústria florestal e pelo turismo.[3]

Turismo[editar | editar código-fonte]

No começo os visitantes foram atraídos a Aberfoyle e áreas vizinhas após a publicação do poema narrativo A Dama do Lago, de Sir Walter Scott em 1810. O poema descreve a beleza de Loch Katrine.

Aberfoyle se denomina A Porta de Entrada para os Trossachs, e sua localização facilita aos visitantes acessarem as atrações como o Loch Lomond e o Priorado de Inchmahome, no lago de Menteith. Um posto de informação turística dirigido pela VisitScotland situado no centro da cidade, oferece informação gratuita, venda de suvenirs e atua como uma central de reservas para muitos dos locais de hospedagem domiciliar e hotéis.

O Aberfoyle Golf Club foi construído em 1860 e está situado bem ao sul da cidade, perto do restaurante Rob Roy. Aberfoyle também faz parte do Loch Lomond and The Trossachs National Park.[4]

Aberfoyle também é sede do maior campo de aventura da Go Ape, no Reino Unido, com a mais longa tirolesa do país.

Figuras históricas[editar | editar código-fonte]

Aberfoyle tem ligações com muitas figuras históricas, como Rob Roy e Maria I da Escócia. Rob Roy nasceu nas proximidades do Loch Katrine, e o seu bem conhecido hábito de roubar gado trouxe-o para as cercanias de Aberfoyle.[5] Atualmente há uma árvore na aldeia, que contam ter Rob Roy subido nela e se escondido para escapar das garras da lei. Também, Maria I da Escócia, visitou muitas vezes o Priorado de Inchmahome, nas proximidades, quando era criança, e durante seu curto reinado. Ela também se hospedou no priorado, especialmente em 1547, onde se sentia protegida do Exército inglês.

No entanto, a mais histórica personagem local é o reverendo Robert Kirk, nascido em 1644. Foi o reverendo Kirk, que providenciou a primeira tradução em gaidhlig do Livro de Salmos, porém, é mais lembrado pela publicação de seu livro The Secret Commonwealth of Elves, Fauns, and Fairies em 1691.[6][7] Kirk fez uma pesquisa por muito tempo sobre fadas, e recolheu em seu livro vários relatos pessoais e histórias de pessoas que alegavam tê-las visto. Foi após isto, quando Kirk era ministro da paróquia de Aberfoyle, que morreu em circunstâncias incomuns.

Kirk por muito tempo acreditou que o local Doon Hill (ou Fairy Knowe como é mais conhecido), era a porta de entrada para a "Comunidade Secreta", ou a terra das fadas. Era um lugar onde Kirk visitava frequentemente, fazendo caminhadas diárias de lá até sua mansão. A história diz que as fadas de Doon Hill estavam irritadas com o reverendo Kirk por ele ter ido até o domínio da corte de Unseelie, onde tinha sido avisado para não ir, e decidiram prendê-lo em Doon Hill. Em uma noite de maio de 1692, o reverendo Kirk saiu para uma caminhada até o morro, apenas de camisola. Alguns relatos afirmam que ele simplesmente desapareceu, ou que subitamente desmaiou. Foi encontrado e trazido para casa, mas morreu logo depois. Foi sepultado no jardim de sua própria casa, embora as lendas locais afirmem que as fadas retiraram seu corpo, e o caixão contém apenas pedras. Dizem que o enorme pinheiro que se encontra no alto da Doon Hill contém o espírito aprisionado de Kirk.

O primo de Kirk, Graham de Duchray, afirmou que o espectro de Kirk visitou-o durante a noite, e disse-lhe que tinha sido levado pelas fadas. Tendo deixado sua viúva, esperando um filho, o espectro de Kirk disse a Graham que ele apareceria no batismo da criança, e que Graham deveria jogar uma faca de ferro na aparição, libertando Kirk das garras das fadas. Porém, quando o espectro de Kirk apareceu, Graham ficou aparentemente tão chocado com a visão que não atirou a faca, e o fantasma de Kirk desapareceu para sempre.

Hoje em dia, os visitantes em Doon Hill escrevem seus pedidos em pedaços de seda branca, ou outro pano branco, e os amarram nos galhos das árvores para que as fadas os atendam. Diz-se também que, se correr sete vezes em volta do grande pinheiro, as fadas aparecerão.

Notas

  1. Scotland's Census Results Online, ed. (29 de abril de 2001). «Comparative Population Profile: Aberdour Locality». Consultado em 27 de março de 2010 
  2. General Register Office for Scotland
  3. «Aberfoyle Feature». Undiscovered Scotland. Consultado em 27 de março de 2010 
  4. «About Aberfoyle». Perthshire-Scotland. Consultado em 27 de março de 2010 
  5. John Hood. Old Aberfoyle, Thornhill and the Forth Villages. Catrine, Ayrshire: Stenlake Publishing, 2000. p. 3. ISBN 9781840331103
  6. Robert Kirk. The Secret Commonwealth of Elves, Fauns, and Fairies. [S.l.]: New York Review of Books Classics, 2006. ISBN 1590171772
  7. John Bruno Hare (27 de fevereiro de 2004). «The Secret Commonwealth of Elves, Fauns, and Fairies». Consultado em 27 de março de 2010 

Referências

Ligações externas[editar | editar código-fonte]