Abu Abdalá Alcaim

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o califa de Córdoba do início do século XI, veja Maomé II de Córdoba. Para outras acepções, veja Alcaim.
Abu Abdalá Alcaim
Nome nativo القائم بأمر الله السعدي
Nascimento Século XV
Morte 1517
Cidadania Marrocos
Filho(s) Ahmed al-Araj, Mohammed ech-Cheikh
Ocupação político
Título sultão

Abu Abdalá Maomé Almadi Alcaim Biamir Alá (em árabe: أبو عبد الله محمد المهدي القائم بأمر الله; transl.: abū ʿabd allāh muḥammad al-mahdī al-qāʾim bi-ʾamr allāh; Tamegroute ?, c.1460 - 1517), melhor conhecido somente como Abu Abdalá Alcaim, foi um monarca marroquino dos séculos XIV-XV, fundador da dinastia saadiana e do Sultanato Saadiano que controlou boa parte do território do atual Marrocos.

Origem[editar | editar código-fonte]

Ele era de origem árabe, e pretendia ao título de Xarife como descendente do profeta Maomé e de seu neto Haçane ibne Ali, filho mais velho de Ali e de Fátima. Este parentesco prestigioso que era admitido por todos na época, foi posto em dúvida no século XVII; ele poderia não descender de Maomé mas da sua ama Halima da tribo dos Banu Sade de onde viria o nome de Saadianos dado à dinastia[1].

Santa Cruz do Cabo de Gué[editar | editar código-fonte]

Em 1506, segundo Leão, o Africano, quando a Fortaleza de Santa Cruz do Cabo de Gué (Agadir), capitaneada por João Lopes de Sequeira, ainda não estava acabada, vieram assaltá-la as tribos dos Haha e do Suz, para "reaver" a fortaleza de "Guarguessem". Receberam a ajuda de gente de terra longínqua e elegeram por chefe da armada o Xerife Maomé Alcaim. Como o cerco durava, com morte de muitos, a gente do Suz fez um pacto com o Xerife, pondo uma tropa de 500 cavalos à disposição dele, para combater os cristãos. O Xerife serviu-se dessas forças para ocupar a região e tomar o poder[2].

Segundo cerco da Santa Cruz[editar | editar código-fonte]

No mês de Agosto de 1511, é por iniciativa da irmandade Xadhiliyya, que Abu Abdalá Alcaim, instalado em Tarudante, sul de Marrocos, perto de Agadir, começa uma guerra santa contra os Portugueses, com uma tentativa novamente falhada contra a Fortaleza de Santa Cruz do Cabo de Gué[3], que será tomada em 1541 por seus filhos[3].

Mas provavelmente em fins de 1512, foi possivelmente o mesmo Xerife que conquistou o Castelo de Bem Mirão, que o capitão da fortaleza de Santa Cruz João Lopes de Sequeira também tinha edificado perto de Tamgahrt : "o qual lhe tomarão os Mouros por traição"[4].

Foi pai dos sultões Amade al-Araje e Maomé al-Xeique, este último acabando por reinar sobre o Marrocos inteiro.

Notas e referências

  1. Charles-André Julien, Histoire de l'Afrique du Nord, des origines a 1830, éd. Payot, Paris, 1994, p. 573
  2. Chronique de Santa-Cruz du Cap de Gué (Agadir). Texte portugais du XVIeme siècle, traduit et annoté par Pierre de Cenival. Paris, Paul Geuthner. 13, rue Jacob, 13. 1934. p. 23
  3. a b Kevin Shillington (2005). CRC Press, ed. Encyclopedia of African history, Band 1 (em inglês). [S.l.: s.n.] p. 893. 1824 páginas. ISBN 1579584535 
  4. Chronique de Santa-Cruz du Cap de Gué. p. 24

Bibliografia[editar | editar código-fonte]


Precedido por
Icone-Islam.svg
Saadianos

1509 - 1517
Sucedido por
Amade al-Araje em Marraquexe
e
Maomé al-Xeique no Suz