Alano español

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alano Español
Spanish Alano 1.jpg
Nome original Alano español
Outros nomes Buldogue espanhol
Alano espanhol
Alão espanhol
País de origem Flag of Spain.svg Espanha
Características
Peso 34-40 kg
Altura do macho 58-64 cm na cernelha
Altura da fêmea 56-61 cm na cernelha
Pelagem curto
Cor variações de tigrado, fulvo e cor de lobo(sable wolf color)
Expectativa de vida 11-14 anos
Notas Reconhecida apenas pela Real Sociedad Canina de España.

Alano espanhol (em castelhano: Alano español), também chamado de buldogue espanhol, é uma raça de cão originária da Espanha e utilizada como cão de agarre na caça de grandes animais, em especial javalis.[1]

O alano espanhol está fortemente relacionado ao Dogo espanhol. Quase se extinguiu por completo no século XX, mas foi recuperado através de cruzamentos. Alguns cinófilos consideram que o Alano espanhol original tenha realmente se extinguido por completo, e que este moderno seja uma raça nova, similar fisicamente.

Aparência[editar | editar código-fonte]

Alano espanhol tigrado escuro com orelhas naturais em show de conformação

O Alano Espanhol é um cão grande do tipo molossoide, com uma cabeça grande e robusta. Os machos não devem ser menor do que 58 centímetros na altura da cernelha, e deve pesar entre 34 e 40 kg sendo que as fêmeas são ligeiramente menores.

A pelagem é curta e grossa, mas nunca aveludada, e é mais frequentemente um tigrado do que outras cores; fulvo, preto, ou cinzento são outras cores da raça. Peito branco é aceitável, mas não a prevalência de branco. Pode ou não ter focinho preto.[2]

O focinho é curto e com o maxilar inferior ligeiramente côncava e muito grande, nariz largo preto. As orelhas são inseridas altas e pode ser naturais ou cortadas. A pele é muito espessa, com pregas no pescoço e algumas rugas no rosto.[3]

História[editar | editar código-fonte]

Alguns autores consideram que o alano español descende de cães antigos chamados Alaunt(Alano) que eram utilizados na briga com touros ou no pastoreio de gado, desde a época dos Sármatas na Ásia Central, no século I.[4]

A existência dos alanos na Espanha remonta há vários séculos, mas não está muito claro a sua origem. Alguns acreditam que esta raça molosoide foi difundida pela Europa pelos alanos, no século IV e foi levado para a Península Ibérica e norte da África pelos vândalos durante uma transumância.

Gravura de Francisco de Goya retratando os cachorros lutando contra touros em 1816.

Esses povos eram conhecidos por manter os cães boiadeiros grandes que se tornaram a base para muitos tipos regionais de Alaunt. A primeira referência escrita formal para a raça em Espanha está em um capítulo do século XIV: "Livro da Caça de Alfonso XI"(Libro de la Montería de Alfonso XI), no qual os cães de caça chamado alanos são descritos como cães de belas cores.[5] Os cães deste tipo viajaram com os exploradores espanhóis e foram usados como cães de guerra (como era o seu papel na Eurásia antes da migração) na subjugação dos povos índios (nativo americano), bem como na captura de escravos.[6]

A luta entre um touro e cães alanos foi gravada por Francisco de Goya, em sua série sobre La Tauromaquia em 1816[7]. Além de sua utilização na arena, os alanos também foram utilizados para outras caças como o javali.

Os cães de grande porte começaram a desaparecer à medida que o trabalho começou a mudar. Grande jogo tornou-se rara, pátios foram modernizadas e já não usam cães para prender o gado, o uso foi proibido em touradas, e em 1963, os alanos foram deixados para ser extinto. Na década de 1970 um grupo de amadores e estudantes de veterinária fizeram de casa em casa pesquisas no norte e oeste da Espanha, e encontraram alguns exemplares desses cães na região do Basco, Enkarterri e Cantábria, sendo usado para pastorear gado semi-selvagem e caçar selvagens como javali. Um padrão foi escrito e os cães foram documentadas e foram criados, e os alanos foram reconhecido como raça independente pela La Real Sociedad Canina de España em 2004, embora estudos anteriores na Universidade de Córdova tinha esclarecido que o alano é uma raça distinta de qualquer outra raça a nível genético. O Ministério da Agricultura da Espanha reconhece o alano español como uma raça autóctone espanhola.

Apesar da raça em Espanha ainda é pouca populosa e não reconhecida internacionalmente pela Fédération Cynologique Internationale, há exemplos de alanos foram exportados para a América do Norte, onde por alguns criadores estão promovendo o temperamento e a habilidade de caça.

Temperamento[editar | editar código-fonte]

Desde que a raça começou a ser utilizada para a caça em matilhas, passou a ser sociável com outros cães.[8] Todos os cães de grande porte deve ser bem socializados com os seres humanos e outros animais quando jovens, se forem para ser como animais de estimação. Grandes cães caçadores, tais como o alano necessitam de atividades e exercícios regularmente.

Raças similares[editar | editar código-fonte]

Os cães grandes que são similares na aparência e podem coincidir com a história dos alanos espanhóis, inclusive os molossos das Ilhas Canárias como o Dogo Canário (Perro de Presa Canario), o Mastim espanhol, o Dogo espanhol, e o sul-americano Cimarron Uruguayo, que também parece um pouco, e é descendente dos cães dos exploradores e conquistadores espanhóis.

Controvérsias[editar | editar código-fonte]

Dados históricos recolhidos por estudiosos relatam que o verdadeiro Alano espanhol teria sido completamente extinto no início do século XX. E que portanto, o atual "Alano espanhol" é uma reconstrução do Antigo Alano Espanhol, e que esta reconstrução teria sido realizada através do cruzamento de diversas raças. [9]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. https://www.dogbreedinfo.com/alanoespanol.htm
  2. padrão espanhol, página 5(em castelhano) Arquivado em 2 de outubro de 2009, no Wayback Machine.
  3. padrão espanhol, página 2(em castelhano) Arquivado em 12 de dezembro de 2009, no Wayback Machine.
  4. «Criadero de Alanos de Nueva España». Consultado em 23 de dezembro de 2010. Arquivado do original em 28 de janeiro de 2010 
  5. Alano Español in El Mundo del Perro Magazine, retrieved 23/02/2009
  6. Derr, Mark (2004). A Dog's History of America. [S.l.]: North Point Press. pp. 23–45. ISBN 978-0-86547-631-8. Resumo divulgativo 
  7. La Tauromaquia Arquivado em 17 de maio de 2008, no Wayback Machine.
    25, "Echan perros al toro" Eles soltaram os cães no touro Arquivado em 6 de março de 2002, no Wayback Machine.
  8. El Mundo del Perro Magazine article
  9. A verdade sobre o Alano espanhol(texto em espanhol)

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Alano español
Ícone de esboço Este artigo sobre cães é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.