Alberto de Sousa Costa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Alberto de Sousa Costa (Vila Pouca de Aguiar, 10 de Maio de 1879 - 11 de Janeiro de 1961) foi um escritor português. Foi casado com a escritora e feminista Emília de Sousa Costa.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Alberto de Sousa Costa era bacharel em Direito pela Universidade de Coimbra. Em 1911 criou a Tutoria da Infância organismo do Ministério da Justiça que visava julgar todos os processos, cíveis e criminais, relativos aos menores. Junto das Tutorias funcionavam os Refúgios da Tutoria, que asseguravam o acolhimento temporário dos menores com vista à observação das situações que os envolviam. Exerceu o cargo de secretário da Tutoria Central da Infância de Lisboa e, posteriormente, do Tribunal do Comércio.

Na sua carreira literária, dedicou-se ao conto, à novela, ao romance, ao teatro, à crónica, à literatura de viagens e ao ensaio, tendo sido um excelente camilianista. Foi um ficcionista de reconstituição histórica e de pitoresco regional. Os seus cenários preferidos retratavam a burguesia coimbrã e os rurais da região do Douro.

Na area da imprensa, encontra-se colaboração da sua autoria nas revistas Serões[1] (1910-1911), Illustração portugueza[2], iniciada em 1903, Atlântida[3] (1915-1920), Terra portuguesa [4] (1916-1927), Portugal na guerra[5] (1917) e na Revista Municipal [6] (1939-1973) publicada pela Câmara Municipal de Lisboa.

Obras publicadas[editar | editar código-fonte]

Contos e novelas[editar | editar código-fonte]

  • 1907 - Excêntricos
  • 1927 - Canto do Cisne
  • 1931 - Como se Faz um Ladrão

Romances[editar | editar código-fonte]

  • 1914 - Ressurreição dos Mortos
  • 1917 - A Pecadora
  • 1936 - Miss Século XX

Crónicas[editar | editar código-fonte]

  • 1925 - Milagres de Portugal
  • 1936 - Mapa Falado de Portugal

Evocações históricas[editar | editar código-fonte]

  • 1919-30 - Páginas de Sangue (em dois volumes)
  • 1935 - Heróis Desconhecidos (Lisboa Revolucionária)

Obras teatrais[editar | editar código-fonte]

  • 1921 - Frei Satanás
  • 1923 - A Marquesinha

Ensaio[editar | editar código-fonte]

  • 1959 - Camilo no Drama da Sua Vida

Fontes bibliográficas[editar | editar código-fonte]

  • Portugal Século XX - Portugueses Célebres, Lisboa: Círculo de Leitores, 2003, página 97

Referências