Aloísio Roque Oppermann

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Aloísio Roque Oppermann
Arcebispo da Igreja Católica
Arcebispo-emérito de Uberaba
Atividade eclesiástica
Congregação Congregação dos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus
Diocese Arquidiocese de Uberaba
Nomeação 29 de fevereiro de 1996
Entrada solene 1 de maio de 1996
Predecessor Dom Benedito de Ulhôa Vieira
Sucessor Dom Paulo Mendes Peixoto
Mandato 1996 - 2012
Ordenação e nomeação
Ordenação presbiteral 29 de junho de 1961
Taubaté, SP
por Dom Francisco Borges do Amaral
Nomeação episcopal 2 de fevereiro de 1983
Ordenação episcopal 21 de abril de 1983
Ituiutaba, SP
por Dom Carlo Furno
Lema episcopal CHRISTVS DOMINVS
Cristo é o Senhor
Nomeado arcebispo 29 de fevereiro de 1996
Brasão arquiepiscopal
Template-Metropolitan Archbishop.svg
Dados pessoais
Nascimento São Vendelino
19 de junho de 1936
Morte Uberaba
26 de abril de 2014 (77 anos)
Nacionalidade brasileiro
Progenitores Mãe: Maria Ledur
Pai: Jacó Afonso Oppermann
Funções exercidas -Bispo de Ituiutaba (1983-1988)
-Bispo-coadjutor de Campanha (1988-1991)
-Bispo de Campanha (1991-1996)
dados em catholic-hierarchy.org
Arcebispos
Categoria:Hierarquia católica
Projeto Catolicismo

Dom Aloísio Roque Oppermann, SCJ (São Vendelino, 19 de junho de 1936Uberaba, 26 de abril de 2014) foi um bispo católico brasileiro. Foi o terceiro arcebispo da Arquidiocese de Uberaba.

Formação[editar | editar código-fonte]

Filho de Jacó Afonso Oppermann e Maria Ledur, foi batizado no dia 21 de junho de 1936. Fez seus estudos no convento da Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus - SCJ - Dehonianos: realizou seus estudos fundamentais no Seminário de Corupá-SC; estudou Filosofia em Brusque-SC e cursou Teologia em Taubaté-SP.

Presbiterato[editar | editar código-fonte]

Foi ordenado presbítero pelas mãos de Dom Francisco Borges do Amaral no dia 29 de junho de 1961, em Taubaté-SP.

Atividades antes do episcopado[editar | editar código-fonte]

Especializou-se em Orientação educacional, Biologia e Pastorais Eclesiais. Foi Professor de Colégios da Congregação e Orientador Educacional, Reitor de Seminário, Pároco em Curitiba-PR e na Paróquia Divino Espírito Santo de Varginha-MG, onde até hoje os dehonianos são os administradores.

Episcopado[editar | editar código-fonte]

Foi sagrado bispo em 21 de abril de 1983, por Dom Carlo Furno em Ituiutaba. Em 2 de fevereiro desse mesmo ano havia sido nomeado o primeiro bispo da Diocese de Ituiutaba, exercendo nela, por seis anos, seu ministério episcopal. Foi, também, bispo da Diocese de Campanha por sete anos e, no dia 1º de maio de 1996, tomou posse como arcebispo da Arquidiocese de Uberaba, ministério que exerceu por 16 anos.[1] Faleceu em 26 de abril de 2014 aos 77 anos de idade.[2]

Brasão e lema[editar | editar código-fonte]

  • Descrição: Escudo eclesiástico talhado: o 1º de jalde, com um Cordeiro Pascal branco, ao natural, chagado no peito de goles, nimbado de blau e coroado de jalde, sendo que o cordeiro sustenta um estandarte de goles com haste de sable; o 2º de blau com sete chamas de jalde linguadas de goles. O escudo está assente em tarja branca, na qual se encaixa o pálio branco com cruzetas de sable. O conjunto pousado sobre uma cruz trevolada, de dois traços, de ouro. O todo encimado pelo chapéu eclesiástico com seus cordões em cada flanco, terminados por dez borlas cada um, tudo de verde, forrado de vermelho. Brocante sob a ponta da cruz um listel de blau com a legenda: CHRISTVS DOMINVS, em letras de jalde.
  • Interpretação: O escudo obedece às regras heráldicas para os eclesiásticos. O campo de jalde (ouro) traduz nobreza, autoridade, premência, generosidade, ardor e descortínio. O Cordeiro Pascal representa Nosso Senhor Jesus Cristo, sacerdote e vítima, que ofereceu sua vida para a redenção dos homens. A Chaga lembra a Congregação dos Sacerdotes do Sagrado Coração de Jesus (Congregatio Sacerdotum a Sacro Corde Iesu), à qual o bispo pertence. O Nimbo simboliza a santidade do cordeiro e a coroa a sua realeza. O estandarte simboliza a vitória (NIKH) de Cristo e sendo vermelho simboliza: o fogo da caridade inflamada no coração do bispo pelo Divino Espírito Santo, bem como, valor e socorro aos necessitados. A haste, por seu esmalte sable (negro), simboliza: a sabedoria, a ciência, a honestidade, a firmeza e a obediência ao Sucessor de Pedro. O campo de blau (azul) representa o manto de Nossa Senhora, e traduz a confiança e a devoção filial do bispo que colocou toda a sua vida sacerdotal sob a proteção da Mãe de Deus, sendo que este esmalte significa: justiça, serenidade, fortaleza, boa fama e nobreza. As sete línguas de fogo representam os sete dons do Espírito Santo: sabedoria, entendimento, conselho, fortaleza, ciência, piedade e temor de Deus, com os quais ilumina os bispos no governo da Igreja, sendo de jalde têm o simbolismo deste metal, já acima descrito e, mechadas de goles, também têm este significado. O pálio demonstra a dignidade arquiepiscopal.

O lema: “Cristo é o Senhor”, traduz a fé e a confiança total do Bispo na divindade de Nosso Senhor Jesus Cristo, em nome de quem exerce seu ministério sacerdotal.

Sucessão[editar | editar código-fonte]

Na Diocese de Ituiutaba, Dom Aloísio Roque foi o primeiro bispo (1983-1988) e foi sucedido por Dom Paulo Sérgio Machado.

Na Diocese de Campanha, Dom Aloísio Roque foi o quinto bispo (1988-1996), sucedeu a Dom Tarcísio Ariovaldo Amaral e foi sucedido por Dom Diamantino Prata de Carvalho.

Na Arquidiocese de Uberaba, Dom Aloísio Roque foi o sexto bispo e o terceiro arcebispo (1996-2012), sucedeu a dom Benedito Ulhoa Vieira.

Ordenações presbiterais[editar | editar código-fonte]

Dom Aloísio Roque ordenou, até o ano de 2011, 86 padres. Sendo que na Arquidiocese de Uberaba foram ordenados 52 sacerdotes:

  • Elcimar Benedito da Silva
  • Jaime Ribeiro da Silva
  • Luciano Gomes dos Santos
  • José Carlos Fernandes
  • Helder Henrique de Souza
  • Marcelo Lázaro Pinto
  • Carlos Alberto da Silva
  • Paulo César Teixeira, PIME
  • Vanderlei Bueno da Silva
  • Antonio Carlos Santos
  • José Edílson da Silva
  • Carlos Alexandre de Souza
  • Ricardo Alexandre Fidelis
  • Sandro Dalmolin
  • Sebastião Aparecido Braga
  • Vanildo Massaro de Brito
  • Alessandro Bobinton P. Silva
  • Anderson Alves Costa
  • Alvimar Santana Bhering
  • Sandro Romério de Lima
  • Marino Molina
  • Clair Rossa
  • Márcio André Ferreira Soares
  • João Dairton Fernandes Amaral
  • Alex Pereira dos Santos
  • Otair Cardoso da Cruz
  • Roberto Francisco de Oliveira
  • Paulo Ferreira Silva
  • Paulo Sergio Colombo
  • Aloízio José Nunes de Azevedo Jr.
  • José Bezerra Pereira
  • Valdiney Eduardo Ferreira
  • Ernane da Silveira
  • José Rinaldo da Silva
  • Júnior Roseno da Silva
  • Dario Palacio Palacio
  • Ricardo Luiz de Melo
  • Eliseu Pereira de Carvalho
  • Edson José Nogueira
  • Rogério Consentino Aguiar
  • Edmar Augusto Costa
  • Manoel Romes da Silva
  • Reinaldo Duarte Vasconcelos Filho
  • Vanderei Izaumi da Silva
  • Adailton Carlos da Silva Ribeiro
  • André Camargos Araújo
  • Fábio Meira dos Santos
  • Juliano Evangelista Nascimento
  • Saulo Emílio Pinheiro Moraes
  • Fabiano Roberto Silva dos Santos
  • Bruno Machado Pinheiro Miranda
  • Oitaé Botachin

Ordenação episcopal[editar | editar código-fonte]

Dom Aloísio Roque ordenou, no ano de 2011, 01 bispo na Arquidiocese de Uberaba:

  • Mons. Antonio Braz Benevente

Atividades e contribuições[editar | editar código-fonte]

Foi membro do Conselho Permanente da CNBB. Por doze anos coordenou os trabalhos da Pastoral Litúrgia em Minas Gerais e no Espírito Santo e foi membro da Coordenação nacional de Liturgia.

Obras[editar | editar código-fonte]

Dom Roque, como gostava de ser chamado, fez várias pequenas publicações de cunho pastoral: "Respingos de Vida"; "O Enviado"; "Uma Proposta Desafiadora"; "Para que o Sol Resplandeça"; "Colóquios e Encontros"; e "Flashes da Vida de um Bispo".

Referências

Precedido por
-
Brasão episcopal.
Bispo de Ituiutaba

1983 - 1988
Sucedido por
Paulo Sérgio Machado
Precedido por
Tarcísio Ariovaldo Amaral
Brasão episcopal.
Bispo de Campanha

1991 - 1996
Sucedido por
Diamantino Prata de Carvalho
Precedido por
Benedito de Ulhôa Vieira
brasão episcopal.
Arcebispo de Uberaba

1996 - 2012
Sucedido por
Paulo Mendes Peixoto