Altamiro Carrilho

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Altamiro Carrilho
Informação geral
Nome completo Altamiro Aquino Carrilho
Nascimento 21 de dezembro de 1924
Origem Santo Antônio de Pádua,  Rio de Janeiro
País Brasil
Data de morte 15 de agosto de 2012 (87 anos)
Gênero(s) Choro
Instrumento(s) Flauta transversal

Altamiro Aquino Carrilho (Santo Antônio de Pádua, 21 de dezembro de 1924 - Rio de Janeiro, 15 de agosto de 2012)[1] [2] foi um músico, compositor e flautista brasileiro.

Altamiro gravou mais de cem discos, compôs cerca de duzentas canções, tendo se apresentado em mais de quarenta países difundindo o Choro brasileiro.[1] É o flautista com maior número de gravações registradas na história do disco no Brasil,[3] além de ser considerado por críticos e especialistas da área, como um dos maiores flautistas da história do instrumento.[4]

Era considerado pelo flautista francês Jean Pierre Rampal o melhor flautista do mundo.[5]

Discografia[editar | editar código-fonte]

  • Juntos (2002) (participação/Dois no Choro, EUA)
  • Millenium (2000)
  • Flauta Maravilhosa (1996)
  • Brasil Musical - Série Música Viva - Altamiro Carrilho e Artur Moreira Lima (1996)
  • Instrumental No CCBB- Altamiro Carrilho e Ulisses Rocha (1993)
  • Cinqüenta anos de Chorinho (1990)
  • Bem Brasil (1983)
  • Clássicos em Choro Vol. 2 (1980)
  • Clássicos em Choro (1979)
  • Altamiro Carrilho (1978)
  • Antologia da Flauta (1977)
  • Antologia do Chorinho Vol. 2 (1977)
  • Antologia da Canção Junina (1976)
  • Antologia do Chorinho (1975)
  • Pixinguinha, de Novo - Altamiro Carrilho e Carlos Poyares (1975)
  • A flauta de prata e o bandolim de ouro - Altamiro Carrilho e Niquinho (1972)
  • A furiosa ataca o sucesso (1972)
  • Dois bicudos (1966)
  • Altamiro Carrilho e sua bandinha no Largo da Matriz (1966)
  • A banda é o sucesso (1966)
  • Choros imortais nº 2 (1965)
  • Uma flauta em serenata (1965)
  • Altamiro Carrilho e sua bandinha nas Festas Juninas (1964)
  • No mundo encantado das flautas de Altamiro Carrilho (1964)
  • Choros imortais (1964)
  • Recordar é Viver Nº 2(1963)
  • Bossa Nova in Rio (1963)
  • Recordar é Viver nº 3 (1963)
  • A Bandinha viaja pelo Norte (1962)
  • Vai Da Valsa (1961)
  • Desfile de Sucessos (1961)
  • O melhor para dançar - Flauta e Órgão (1961)
  • Era só o que flautava (1960)
  • A bordo do Vera Cruz (1960)
  • Parada de Sucessos (1960)
  • Chorinhos em desfile (1959)
  • Dobrados em desfile (1959)
  • Boleros em desfile nº 2 (1959)
  • Altamiro Carrilho e sua bandinha na TV - nº 2 (1958)
  • Homenagem ao Rei Momo (1958)
  • Boleros em Desfile (1958)
  • Enquanto houver amor (1958)
  • Recordar é viver (1958)
  • Revivendo Pattápio (1957)
  • Altamiro Carrilho e sua flauta azul (1957)
  • Ouvindo Altamiro Carrilho (1957)
  • Natal (1957)
  • Altamiro Carrilho e sua bandinha na TV (1957)

Referências

  1. a b Morre no Rio o flautista Altamiro Carrilho aos 87 anos Portal G1 (15/8/2012). Visitado em 15/08/2012.
  2. Flautista Altamiro Carrilho morre de câncer aos 87 anos Jornal O Globo (15/8/2012). Visitado em 15/08/2012.
  3. Diniz; André "Joaquim Callado, o Pai do Choro" Jorge Zahar Editor 2008, pág. 95 ISBN 9788537800850
  4. Silva; Water (Pica-Pau) "Vou te contar; Histórias de Música Popular Brasileira" Editora Codex 2002, pág. 297, 2º parágrafo
  5. Flautista Altamiro Carrilho morre aos 87 anos O Estado de S.Paulo (15 de agosto de 2012). Visitado em 17 de agosto de 2012.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Albin, Ricardo Cravo. "MPB, A História de Um Século". Rio de Janeiro: Atrações Produções Ilimitadas/MEC/Funarte, 1997.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Accordrelativo20060224.png Este artigo sobre um(a) músico(a) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.