António Rafael

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para o bispo português, veja António José Rafael.
NoFonti.svg
Esta biografia de uma pessoa viva cita fontes confiáveis e independentes, mas elas não cobrem todo o texto. (desde janeiro de 2014) Ajude a melhorar esta biografia providenciando mais fontes confiáveis e independentes. Material controverso sobre pessoas vivas sem apoio de fontes confiáveis e verificáveis deve ser imediatamente removido, especialmente se for de natureza difamatória.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
António Rafael
Informação geral
Nascimento 9 de dezembro de 1971 (45 anos)
País  Portugal
Gênero(s) Rock, Electrónica
Instrumento(s) Teclados, Guitarra
Período em atividade 1988 - presente

António Rafael Vilaça e Moura do Vale Machado[1] (Braga, 9 de dezembro de 1971) é um músico português, mais conhecido pelo seu trabalho com a banda Mão Morta.


Biografia[editar | editar código-fonte]

De 1979 a 1985 frequentou o Conservatório de Música Calouste Gulbenkian, em Braga, tendo obtido o 4.º grau do curso de ‘’Piano’’. Bacharel em ‘’Turismo’’ pelo Instituto Politécnico de Viana do Castelo (1994), concluiu a licenciatura na Escola Superior de Educação de Coimbra (2001). Tirou depois o mestrado em ‘’Gestão e Desenvolvimento em Turismo’’ pela Universidade de Aveiro (2005). Entre 2003 e 2013 foi professor convidado no Instituto Superior de Administração e Gestão, no Porto. É, desde 2010, professor convidado na Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Viana do Castelo e, desde 2013, na Porto Business School. Trabalha ainda, e desde 1995, como consultor privado na área de turismo. Integra, desde 1990, o grupo de rock português Mão Morta, com as funções de teclista e guitarrista, para além de ser compositor e produtor.

Antes de integrar os Mão Morta, António Rafael colaborou com os Bateau Lavoir (1988), como teclista, e com os Rua do Gin (1990), como baterista, tendo ainda estado na origem dos Baile de Baden-Baden onde, de 1988 a 1990, tocou bateria. Paralelamente aos Mão Morta foi membro fundador de outras bandas independentes portuguesas, como os Um Zero Amarelo (activos de 1990 a 2001, com retorno em 2012), Jazz Iguanas (2006) e Governo (activos de 2007 a 2012). Com Adolfo Luxúria Canibal criou o projecto de ‘’Spoken Word’’ Estilhaços (desde 2004). É um dos fundadores das cooperativas Imetua-Cooperativa Artística e Cultural (2003) e Auaufeiomau-Cooperativa Cultural (2011), bem como da editora de música alternativa Cobra (2003).

Entre 2000 e 2002 foi responsável por sonoplastia para CD-Rom e para páginas Internet. Vem compondo, desde 2001, bandas-sonoras originais para teatro e, desde 2010, para documentários etnográficos e outras obras videográficas. Fez ainda sonoplastia para bailados (2003 e 2011) e criou ambientes sonoros para exposições (1998-2000) e instalações (2013).


Discografia[editar | editar código-fonte]

Com Mão Morta[editar | editar código-fonte]

Com Um Zero Amarelo[editar | editar código-fonte]

  • Um Zero Amarelo. NorteSul. Oeiras: 2000. CD
  • Born From Porn. Cobra. Braga: 2013. CD

Com Jazz Iguanas[editar | editar código-fonte]

  • Jazz Iguanas. Cobra. Braga: 2006. CD

Com Adolfo Luxúria Canibal[editar | editar código-fonte]

Com Governo[editar | editar código-fonte]

  • Propaganda Sentimental. Optimus. Lisboa: 2009. CD


Bandas Sonoras Originais[editar | editar código-fonte]

Filmes[editar | editar código-fonte]

  • Müller no Hotel Hessischer Hof - Nuno Tudela (Documentário Musical, VHS, NorteSul, 1998 / DVD, Cobra, 2005)
  • Maldoror por Mão Morta - Manuel Leite (Documentário Musical, DVD, Cobra, 2008)
  • Água-Arriba, Histórias de Barcos e Homens - Carlos Eduardo Viana (Documentário Etnográfico, 2010)
  • Águas em Conta - Carlos Eduardo Viana (Documentário Etnográfico, 2011)
  • S. João D’Arga - Carlos Eduardo Viana (Documentário Etnográfico, 2011)
  • S/título (мій голос) - João Onofre e Adolfo Luxúria Canibal (Vídeo-Arte, 2011)
  • Argaço - Carlos Eduardo Viana (Documentário Etnográfico, 2012)
  • Ao Lobo da Madragoa - Pedro Bastos (Ficção, 2012)


Peças de Teatro[editar | editar código-fonte]

  • Guiado por Deus e pelo Diabo – Sindicato de Poesia (Braga, 2001)
  • A Saque – Joe Orton. Encenação Almeno Gonçalves. Teatroesfera (Massamá, 2002)
  • Auto da Revisitação – Pedro Eiras e Jorge Louraço Figueira. Encenação António Fonseca. Teatro Nacional de S. João (Porto, 2002)
  • Galináceos – Paula Sousa e Paulo Oom. Encenação Paulo Oom. Teatroesfera (Massamá, 2003)
  • A Estalajadeira – Carlo Goldoni. Encenação António Durães. Companhia de Teatro de Braga (Braga, 2004)
  • Os Portas – John Godber. Encenação Almeno Gonçalves. Sola do Sapato (Lisboa, 2004)
  • Shakers – Jane Thornton e John Godber. Encenação Almeno Gonçalves. Sola do Sapato (Lisboa, 2005)
  • Acredita, Estou Possuído! – Ronaldo Ciambroni. Encenação Almeno Gonçalves. Sola do Sapato (Lisboa, 2005)


Bailados[editar | editar código-fonte]

  • Seeds – Helena Mendonça (Braga, 2003)
  • Princesas – Helena Mendonça (Braga, 2011)


Exposições[editar | editar código-fonte]

  • Metalmorphosis – Hugo Delgado e Nuno Cláudio (Fotografia e Pintura - Braga, 1998)
  • Com a Casa na Cidade – Nuno Cláudio (Pintura - Braga, 1999)
  • Impressões de Viagens – Rosário Forjaz (Pintura - Braga, 2000)
  • The Wall of Pleasure – Tiago Estrada (Pintura – Nova Iorque, 2013)


Referências

  1. «Lista de associados da Audiogest» (PDF). Actividades Culturais / Ministério da Cultura. 25 de Julho de 2007. Consultado em 2 de Janeiro de 2014 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]