António Vicente Campinas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Vicente Campinas
Nome completo António Vicente Campinas
Nascimento 1910
Vila Nova de Cacela Portugal
Morte 1998 (88 anos)
Vila Real de Santo António, Portugal
Nacionalidade Portugal Português
Ocupação Poeta e prosador
Magnum opus O azul do sul é cor do sonho : narrativas

António Vicente Campinas (Vila Nova de Cacela, 1910 - Vila Real de Santo António, 1998) foi um poeta e prosador português algarvio. Tem uma biblioteca com o seu nome em Vila Real de Santo António.

Obras[editar | editar código-fonte]

Começou a editar poesia em 1938, com o livro Aguarelas. Entre as suas obras poéticas conta-se o livro Raiz da Serenidade. Em 1952 publica o seu primeiro romance «Fronteiriços», dedicado aos contrabandistas. Publicou ainda livros de contos. Especialmente famoso é o seu poema "Cantar Alentejano", em honra de Catarina Eufémia, musicado por José Afonso, no álbum "Cantigas de Maio" editado no Natal de 1971[carece de fontes?].

Actividade Política[editar | editar código-fonte]

Militante do Partido Comunista Português, tal fez com que fosse preso e obrigado ao exílio pelo regime do Estado Novo[1].

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Jornal Avante! (20 de janeiro de 2011). «Homenagem a António Vicente Campinas Um escritor militante». Jornal Avante!. Consultado em 11 de fevereiro de 2021 
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.