Antônio Joaquim Pereira de Magalhães

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

António Joaquim Pereira de Magalhães (Cabo Verde, Minas Gerais, 24 de Abril de 1784) foi um tenente-coronel da Guarda Nacional, Juiz de Paz, jornalista, proprietário rural e um dos fundadores das cidades de Machado e Muzambinho, ambas em Minas Gerais.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de José Pereira de Magalhães e Leonor de Siqueira Gaia Pereira de Magalhães, descendia, por parte de sua mãe, do bandeirante Lourenço Castanho Taques, do Capitão-mor governador Pedro Vaz de Barros e de Luzia Leme, esta, tia do bandeirante Fernão Dias Pais. Era, ainda, pelo ramo de seus bisavós paternos - Antônio de Oliveira Setúbal e Isabel de Oliveira Colaço - primo em terceiro grau de Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.

Casou-se em 1808, em Caeté, com Maria Joaquina Feliciana e foi um dos fundadores da Freguesia de São José da Boa Vista, hoje Muzambinho, conforme relata o "Almanaque Sul Mineiro" de 1874 em sua pagina 390.

Na área em que hoje se situam os municípios de Muzambinho e Guaxupé, desmembrados de Cabo Verde, Magalhães formou sua fazenda Passa Quatro, tornando-se abastado proprietário por muitos anos.[1] O censo de 1831 lhe atribuía a propriedade de 23 escravos, em Machado, e 24 em Alfenas, cidade onde, em 1817, nascera seu filho, o professor major Joaquim Leonel Pereira de Magalhães, o qual viria a casar-se, em segundas núpcias, com Ana Custódio de Moraes Navarro, irmã do Barão de Cabo Verde

Em 1º de Dezembro de 1812, o governo de Minas Gerais o nomeou capitão de ordenanças do Distrito de Machado, mais tarde denominado Santo Antônio de Machado, em sua homenagem [2]. Em 1829, o Bispado de São Paulo o autorizou a construir em Douradinho, uma capela sob a invocação do Divino Espirito Santo, sendo também de sua iniciativa a construção dos edifícios da câmara municipal e da cadeia pública de Jacuí.

Após haver atuado em dois jornais da região - o Universal e o Astro de Minas, (Arq. Pub. Mineiro, DF da Vila de S. Carlos do Jacuí - SP 1 - SP 33, cx 96, nº 79) - muda-se para as imediações de Cabo Verde e, já patenteado tenente-coronel, exerce o cargo de juiz de paz daquela cidade entre 1838 e 1839.

Encontrando-se viúvo, vende em 1858 parte de suas propriedades e, em 1865, idealiza e sugere à municipalidade de Formosa (Alfenas) a construção de um novo caminho em direção ao rio Sapucaí, doando parte de suas terras para viabilizar o projeto.

Antonio Joaquim Pereira de Magalhães era trisavô paterno de Tarcísio de Magalhães Sobrinho (o ator Tarcísio Meira), do empresário e mecenas Oscar Americano. Foi, também, trisavô materno do médico sanitarista da Rockefeller Foundation Adhemar Paoliello - que, por sua vez, era bisneto do Barão de Cabo Verde - e bisavô materno do cientista Vital Brazil.

Referências

  1. Carvalho, Adilson de A Freguesia de Nossa Senhora da Assumpção do Cabo Verde e sua História.
  2. Arquivo Publico Mineiro - DF 690, fls. 148 e DF da vila de São Carlos do Jacui - SP 1 - SP 33, cx. 96, nº 79.
  • BRAZIL, Lael Vital Vital Brazil Mineiro da Campanha, uma genealogia brasileira p.130, § II.
  • Almanaque Sul Mineiro de 1874 , p. 390.
  • SOARES, Moacyr Bretas - "Muzambinho, sua história e seus homens".