Antônio Soares Amora

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, comprometendo a sua verificabilidade(desde abril de 2017). Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Antônio Soares Amora
Nome completo Antônio Augusto Soares Amora
Nascimento 18 de abril de 1917
São Paulo
Morte 19 de janeiro de 1999 (81 anos)
São Paulo
Nacionalidade Brasileiro
Ocupação Educador, professor, poeta e escritor

Antônio Augusto Soares Amora (São Paulo, 18 de abril de 1917 – São Paulo, 19 de janeiro de 1999), foi um pioneiro, educador, professor, poeta, escritor e ex-presidente da Academia Paulista de Letras

Ele produziu, na década de 70, o Telecurso Segundo Grau, além de ser o responsável pela criação dos primeiros cursos profissionalizantes e de comercio exterior exibidos na televisão. Professor doutorado, ele foi o fundador e primeiro diretor da Faculdade de Letras da UNESP, em Assis, além de professor titular da disciplina de Literatura Portuguesa da USP.

Logo após a criação da Fundação Padre Anchieta em 1969, Antônio Soares Amora foi convidado pelo então presidente José Bonifácio Coutinho Nogueira para assumir a diretoria do Departamento de Ensino da TV Cultura. Em 1971 Antônio Amora deixou o canal, retornando em 1975 como presidente da Fundação Padre Anchieta, cargo que ocupou até 1979. Desde 1994 exercia o cargo de presidente do conselho curador da Fundação.

Antônio Soares Amora morreu na tarde de 19 de janeiro de 1999, aos 81 anos, em decorrência de um infarto agudo do miocárdio. Ele estava na sede da TV Cultura e se sentiu mal. Com parada cardiorrespiratória, foi levado ao Hospital Metropolitano, mas não resistiu. O professor não tinha problemas cardíacos, mas sofria de diabetes. Foi enterrado no Cemitério São Paulo.

Referências[editar | editar código-fonte]

  • Obituário Impresso do Jornal Diário de São Paulo, 22 de janeiro de 1999