Software aplicativo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Aplicativo)
Ir para: navegação, pesquisa
O OpenOffice.org é um exemplo de um aplicativo.
O GNU Image Manipulation Program (GIMP), versão 2.4.3. GIMP é um Software livre.
Janela do Firefox 4.0 no Ubuntu.
Janela do Google Chrome no Ubuntu.
Cliente de e-mails Thunderbird.
Notepad++.


Software aplicativo (aplicativo ou aplicação) é um programa de computador que tem por objetivo ajudar o seu usuário a desempenhar uma tarefa específica, em geral ligada a processamento de dados. Sua natureza é diferente de outros tipos de software, como sistemas operacionais e ferramentas a eles ligadas, jogos e outros softwares lúdicos.

Categoria[editar | editar código-fonte]

Programas de computador podem ser divididos em duas classes gerais: Software de sistema e Software Aplicativo .

Software de sistema são programas de computador de baixo nível que interagem com o computador num nível muito básico. Podemos citar como exemplos o Sistema Operacional, o firmware (um exemplo de firmware é a BIOS do computador), drivers de dispositivos e a interface gráfica que permite ao usuario interagir com o computador.

Software Aplicativo (normalmente referido como apenas Software) é um software que permite ao usuario realizar uma tarefa especifica. Podemos citar vários exemplos como o Microsoft Office, Internet Explorer, Adobe Photoshop e etc.

O Software de aplicação é exatamente o oposto do Software de sistema

Classificação[editar | editar código-fonte]

Aplicações de softwares são divididas em duas categorias: aplicações horizontais e aplicações verticais. Aplicações horizontais são as mais populares em departamentos e empresas. Aplicações verticais são produtos que atendem a um determinado nicho, para um tipo especifico de negócio ou divisão de uma companhia .

Existem vários tipos de softwares de aplicação:

  • Uma Suite de aplicativos consiste em multiplas aplicações unidas, geralmente com funções complementares, mesma interface e que podem ou não interagir entre si. Exemplos são Microsoft Office, OpenOffice.org and iWork que juntam processadores de texto, planilhas, apresentação e etc. Também existem Suites com outros propositos como o Adobe Creative Suite.
  • Aplicações desenvolvidas por usuário final: são aplicações escritas pelo próprio usuario para adequar um sistema às suas necessidades. Geralmente incluem processadores de palavras, simuladores cientificos, scripts de animação e de gráficos. Um exemplo de aplicação desenvolvida por usuário final são os filtros de e-mail.
  • Software Empresarial: É feito especificadamente para atender as necessidades de processos e fluxo de dados de uma empresa, geralmente de grande porte e com necessidades de compartilhamento de dados como sistemas de departamentos financeiros, sistemas de gerenciamento de clientes, sistemas de gerenciamento de viagens corporativas e sistemas de request de help-desk/suporte.
  • Software de infra-estrutura empresarial: Sistemas de funcionamento empresarial como servidores de e-mail, sistemas para gerenciamento de rede e segurança, sistemas automaticos de back-up e etc.
  • Software de informação profissional: São softwares que atendem às necessidades de indivíduos de criar e gerenciar informações, muitas vezes, para projetos individuais dentro de um departamento, em contraste com a gestão empresarial. Exemplos incluem a gestão de tempo, gestão de recursos, ferramentas de documentação, analítico e colaborativo. Processadores de textos, planilhas, clientes de e-mail e blog, sistema de informações pessoais, individuais e editores de meios de comunicação podem ajudar em tarefas de trabalho com múltiplas informações.
  • Software de simulação: São softwares que simulam outros sistemas com propositos de pesquisa, treinamento e até mesmo entretenimento.
  • Software de desenvolvimento de mídia: São softwares feitos especialmente para atender as necessidades de usuarios que criam mídia eletronica ou impressa com propositos comerciais ou educacionais. Como editors de HTML, animação digital, softwares criadores de audio e video e muitos outros.
  • Aplicativos de celular: São softwares que rodam em dispositivos móveis como smartphones, tablets, players de música portateis, leitores de livro e etc.
  • Software Interpretador de comandos: É um software e que os comandos tem que ser digitados para que alguma ação seja tomada. Exemplos são o DOS e o UNIX.
  • Software de interface de usuário: É um software em que os comandos são acionados por menus, botões e icones utilizando o mouse. Microsoft Windows, Mac OS e Ubuntu são exemplos comuns de Sistemas Operacionais que utilizam uma ou mais interfaces de usuário.
  • Aplicação “server-side”: É um software de terceiros que um usuário decide instalar em sua conta de uma Rede Social, por exemplo um jogo de Facebook como o The Sims Social.
  • Programas de acesso de conteúdo: São programas utilizados exclusivamente para fazer acesso de conteúdo sem edição e podem ou não incluir um segundo software que permite edição de conteúdo. Atendem as necessidades de usuarios que precisam acessar conteudo digital público. Temos como exemplo tocadores de mídia e navegadores web.
  • Softwares educacionais: São softwares relacionados a acesso de conteudo adaptados para estudantes e educadores. Podem ser desde jogos educacionais com intuit de educar e ensinar até edições de aplicativos com soluções otimizadas ao estudo.
  • Software de compartilhamento de informações: Utilizados normalmente por empresas de grande e médio porte para com necessidades de criar, gerenciar e compartilhar informações geralmente entre individuos alocados no mesmo departamento ou projeto.

Software Livre, Software Proprietário e Software Comercial[editar | editar código-fonte]

Software Proprietário é um software que é licenciado com direitos exclusivos para o produtor.[1] . Para fazer uso ou qualquer alteração no programa (quando possível) é necessário a compra de uma licença . Alguns dos mais conhecidos softwares proprietários são o Microsoft Windows, o Microsoft Office, o RealPlayer, o Adobe Photoshop, o Mac OS, o WinZip, algumas versões do UNIX, entre outros.

Software Livre, segundo a definição da Free Software Foundation, é qualquer programa que possa ser utilizado, copiado, estudado e redistribuido sem restrições[2] . O Software livre respeita os direitos dos utilizadores permitindo que partilhem com outros o que aprenderam, já respeitante ao lucro, não se opôem ao software vendido almejando lucro (software comercial) desde que respeitem o copyleft.

Software comercial é um software criado com o objetivo de gerar lucro para a empresa que o criou seja pela venda de licenças ou pela utilização de anúncios no programa. Um software comercial muito utilizado é o Windows Live Messenger (antigo MSN Messenger). O programa é considerado um software comercial pois embora seja propriedade da Microsoft e consequentemente, de código fechado, ele gera lucro para a empresa através dos diversos anúncios presentes no programa.

Licenças e tipos de distribuição de software[editar | editar código-fonte]

  • Freeware: Freewares são softwares gratuitos, geralmente para pessoas físicas, havendo uma versão paga para uso corporativo. Geralmente propagandas ou patrocinadores mantém o projeto vivo.
  • Shareware: São softwares que apenas funcionam por um determinado período de tempo (chamado período de avaliação) e depois o usuário deve decidir se adquire ou não o produto.
  • Demo e Trial: Versões demo e trials são versões limitadas. As versões demo são relacionadas a jogos e geralmente são versões incompletas, mais curtas do jogo para que o jogador veja se gosta do jogo, do seu universo e jogabilidade. Versões trial funcionam quase da mesma maneira, os programas funcionam mas não de maneira completa, geralmente não salvando ou exportando os trabalhos realizados por completo, para utilizar todo o seu potencial o usuário deve comprar o software completo ou apenas a sua licença.[3]
  • Beta: Versões ainda em desenvolvimento ou em desenvolvimento constante (como o Gmail e outras aplicações do Google). Após a versão beta é lançada uma versão RC (Release Candidate) que é a última versão antes do lançamento oficial do software.[3]
  • Adware: São programas que vem junto com outros programas, como banners e barras de pesquisa. O adware pode ser uma limitação de um programa shareware, exibindo propagandas e outros tipos de anúncio para sustentar o projeto. O banner é removido depois de comprada a licença
  • Opensource, GPL e GNU: É uma distribuição livre, de código-fonte aberto e disponível gratuitamente para download. O usuário tem total liberdade para fazer suas próprias alterações e posteriormente os desenvolvedores poderão utilizar esse código no projeto seguindo o mesmo padrão GPL (GNU Public License) que é o formato padrão Open-source.
  • Malware: Do inglês, Malicious Software. O termo é utilizado para designar programas que tem como objetivo invadir e danificar sistemas como vírs e cavalos-de-tróia.
  • Spyware: Software que tem como objetivo monitorar as atividades do usuário e coletar suas informações.
  • Existem ainda inúmeros tipos de distribuição como o Bookware que consiste em comprar um determinado livro do autor para que o software se torne legítimo. Alguns desenvolvedores, para ampliar suas coleções pessoais ou hobbies, desenvolveram o Postcardware e o Stampware em que o usuário envia uma carta ou cartão postal e o desenvolvedor envia uma licença ao usuário ou registra o seu software remotamente.

Exemplos[editar | editar código-fonte]

  • Navegador web: utilizados para acessar a internet e seu conteúdo. Antigamente funcionavam apenas como visualizador de mídia mas agora podem ser utilizados para jogos, edição de textos e demais serviços na nuvem. Os mais famosos são o Internet Explorer da Microsoft, o Firefox da Mozilla e o Chrome do Google.
  • Correio eletrônico: aplicativos de gerenciamento e leitura de e-mails. Existem soluções pagas, como o Microsoft Outlook e soluções gratuitas como o Mozilla Thunderbird. Também existem soluções como o Mail do Macintosh que vem como parte do sistema.
  • Bate-papo ou chat: softwares de bate-papo são softwares de troca de mensagens entre usuários que podem ou não estar online ao mesmo tempo. Antigamente esses softwares precisavam estar instalados na máquina cliente (como o iChat e o antigo MSN Messenger, da Apple e Microsoft respectivamente) ou então apenas em um servidor (como o chat UOL) mas a evolução da internet e o serviço em nuvem quebraram essa barreira e soluções como o Windows Live Messenger funcionam tanto no cliente como no servidor e oferece serviços integrados como a integração com o Facebook. Hoje em dia soluções de chat podem ser encontradas facilmente em sites de forúm ou qualquer outro que contenha um banco de dados de usuários.
  • Aplicativos para desenvolvimento: aplicativos para desenvolvimento são aplicativos que reconhecem uma ou mais linguagens de programação e oferecem assitência e uma plataforma sólida para desenvolvedores realizarem seu trabalho. Temos como exemplo soluções gratuitas como o Dreamweaver e soluções proprietárias como o Dreamweaver da Adobe. Aplicativos para desenvolvimento podem reconhecem e compilar diversas linguagens de programação ou apenas uma especifica ou uma categoria específica.
  • Aplicativos para telefonia e videoconferência: aplicativos de telefonia são soluções que utilizam da tecnologia da internet para realizar chamadas de voz entre dois computadores (ou dois IPs diferentes). Com a evolução da tecnologia temos essas soluções também presentes em outras plataformas como Smartphones e tablets. Um exemplo disso é o Facetime da Apple que permite video-conferência entre iPhones, iPods, Macbooks e iPads. E versões do Skype para celular permitindo chamadas VOip em Smartphones e quebrando barreiras entre celular e computador.
  • Aplicativos CAD/CAM Solid/Works, AutoCAD, Rz CAD Textil, Audaces, Lectra, Gerber: aplicativos para desenho industrial. Utilizandos predominantemente em ambiente empresarial e industrial.
  • Aplicativos de automação de processos na Administração Pública e de Processo eletrônico: aplicativos que dão suporte a gerencia de processos e auxiliam na administração e processamento de dados de uma empresa. Auxiliam no compartilhamento de dados entre setores e democratização da informação dentro de uma organização.

Referências

  1. Categorias de software grátis e não grátis - Projeto GNU - FSF. Projeto GNU. Página visitada em 19 de julho de 2012.
  2. Lee, Matt (29 Dezembro 2009). O que é Software Livre?. Free Software Foundation. Página visitada em 6 de Agosto de 2012.
  3. a b Baixaki - Licenças de uso de softwares. www.baixaki.com.br. Página visitada em 11 de agosto de 2012.