Arlindo Machado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Arlindo Ribeiro Machado Neto (Pompeia, 17 de julho de 1949) é um pesquisador brasileiro, professor do Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica da PUC-SP e do Departamento de Cinema, Rádio e Televisão da ECA-USP e curador de arte.[1] Seu campo de atuação abrange o universo das chamadas "imagens técnicas", ou seja, daquelas imagens produzidas através de mediações tecnológicas diversas, tais como a fotografia, o cinema, o vídeo e as atuais mídias digitais e telemáticas.[2]

Livros (seleção)[editar | editar código-fonte]

  • Eisenstein: Geometria do Êxtase. São Paulo: Brasiliense, 1983.
  • A Ilusão Especular. São Paulo: Brasiliense, 1984.
  • A Arte do Vídeo. São Paulo: Brasiliense, 1988.
  • Máquina e Imaginário: o Desafio das Poéticas Tecnológicas. São Paulo: EDUSP, 1993.
  • Video-Cuadernos VI: Textos de Arlindo Machado. Buenos Aires: Nueva Libreria, 1994.
  • Pré-cinemas e Pós-cinemas. Campinas: Papirus, 1997.
  • A Televisão Levada a Sério. São Paulo: Editora do Senac, 2000.
  • El Paisaje Mediatico. Buenos Aires: Libros de Rojas, 2000.
  • Made in Brasil: Três Décadas do Vídeo Brasileiro. São Paulo: Itaú Cultural, 2003. (Org.)
  • O Sujeito na Tela. Modos de Enunciação no Cinema e no Ciberespaço. São Paulo: Paulus, 2007.
  • Pantanal: a Reinvenção da Telenovela. São Paulo: EDUC, 2008. (com Beatriz Becker)
  • El Sujeto en la Pantalla. La Aventura del Espectador, del Deseo a la Acción. Barcelona: Gedisa Editorial, 2009.

Curadorias (seleção)[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Arlindo Machado». Enciclopédia de Arte e Tecnologia. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  2. «Arlindo Machado». Associação Cultural Videobrasil. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  3. «Programação: Paradigmas do Experimental». MIS. Consultado em 19 de fevereiro de 2014. 
  4. «Agenda: Paradigmas do Experimental». Canal Contemporâneo. Consultado em 19 de fevereiro de 2014. 
  5. «Del insilio». Laboratório Arte Alameda. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  6. «Agenda: Waldemar Cordeiro - Fantasia exata». Canal Contemporâneo. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 
  7. Paula Alzugaray. «Arqueologia do digital». IstoÉ Independente. Consultado em 18 de fevereiro de 2014. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]