Articaína

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Estrutura química de Articaína
Articaína
Star of life caution.svg Aviso médico
Nome IUPAC (sistemática)
(RS)-methyl 4-methyl-3-(2-propylaminopropanoylamino)thiophene-2-carboxylate hydrochloride
Identificadores
CAS 23964-57-0
ATC ?
PubChem ?
Informação química
Fórmula molecular C13H20N2O3S 
Massa molar 320.836 g/mol
Sinónimos Septanest, Ultracaína
Farmacocinética
Biodisponibilidade ?
Metabolismo Plasma sanguíneo e fígado
Meia-vida 1,25 hora
Excreção Rins (5 a 10% inalterados)
Considerações terapêuticas
Administração subcutânea
DL50 ?

Articaína é um anestésico local utilizado na odontologia.

Apresentações[editar | editar código-fonte]

Hidroclorito de Articaína 4% com epinefrina 1:100,000 para injeção.

Regulamentação do uso[editar | editar código-fonte]

A Articaína foi primeiro aprovado para uso na Alemanha em 1976 e após para uso na Europa. No Brasil teve seu uso aprovado em 1999 e nos Estados Unidos obteve a aprovação do FDA no ano 2000.

Características[editar | editar código-fonte]

Possui qualidades como: uma rápida capacidade de ação e boa duração da ação anestésica.

Estrutura e metabolismo[editar | editar código-fonte]

Articaína é único entre o grupo dos anestésicos locais porque contém um grupo thiophene, e também porque possui os grupos amida e éster conjuntamente. Articaína é um anestésico do tipo amida de ação intermediária. Entretanto, com a associação do grupo éster permite que haja metabolismo no plasma pela enzima pseudocolinesterase.

Complicações[editar | editar código-fonte]

Sérias complicações estão associadas com a Articaína: Parestesia longa ou permanente tem sido reportada como efeito adverso do anestésico e ocorre mais frequentemente quando há associação com a lidocaína.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]