Aspabedes

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Aspabedes (em persa médio:𐭮𐭯𐭠𐭧𐭯𐭲; na forma mais antiga spāhpat; lit. "chefe do exército" ou "general") foi um título persa médio utilizado para designar o general persa. Originário do Império Aquemênida, quando era grafado em sua forma persa antiga spadapati, sobreviveu no Império Parta, quando foi uma posição hereditária duma das sete grandes casas, e no Império Sassânida. O título foi também adotado pelos armênios (asparapetes) e georgianos (aspaspeti), bem como pelo Reino do Hotan (spāta) e os sogdianos (spʾdpt) na Ásia Central. É também atestado nas fontes gregas como aspabedes (ἀσπαβέδης).[1][2]

Originalmente havia um único aspabedes, chamado "aspabedes do Irã [Império Sassânida]" (eran-spahbed), que funcionou como o generalíssimo do exército sassânida. Do período de Cosroes I (r. 531–579) em diante, o ofício foi dividido em quatro, com um aspabedes para cada uma das direções cardiais. Após a conquista muçulmana da Pérsia, o aspabedes do Oriente conseguiu manter sua autoridade sobre as regiões montanhosas inacessíveis do Tabaristão, na costa sul do mar Cáspio, onde o título, frequentemente em sua forma islâmica ispabade ou isbabade (em persa: اسپهبذ‎; em árabe: اصبهبذ; transl.: işpahbadh ou işbahbadh), sobreviveu como um título real até as conquistas mongóis do século XIII. O título foi revivido no século XX pela dinastia Pálavi, na forma persa moderna sepabode (em persa: سپهبد; transl.: sepahbod), equivalente a um tenente-general de três estrelas, ficando abaixo do artexibode (general completo). Um título equivalente, ispasalar, ganhou grande circulação em todo mundo muçulmano nos séculos X-XV.

Uso na Pérsia pré-islâmica[editar | editar código-fonte]

O título é atestado no Império Aquemênida em sua forma persa antiga spadapati (de *spāda- "exército" e *pati- "chefe"[1]), significando o comandante-em-chefe do exército. O título continuou em uso sob o Império Parta, onde parece ter sido uma posição hereditária em uma das sete grandes casas da nobreza. O Império Sassânida, que sucedeu o Império Parta, manteve o título, que é atestado em uma série de inscrições do século III. Até o começo do século VI, havia um único detentor do título, o aspabedes do Irã, que, de acordo com a lista de precedência providenciada pelo historiador árabe do século IX Iacubi, ocupou a quinta posição na hierarquia cortesã.[2]

As fontes bizantinas e siríacas registram alguns oficiais seniores que podem ter sido titulares no começo do século VI. Durante a Guerra Anastácia de 502–506, um certo Boes, que negociou com o mestre dos ofícios Flávio Céler e morreu em 505, é nomeado nas fontes siríacas como um astabide (astabid). O indivíduo de nome incerto que lhe sucedeu nas negociações também tinha este título. Embora isto possa ser interpretado pelos estudiosos modernos como um título novo, é provável que seja simplesmente uma forma corrompida de aspabedes, uma vez que as fontes gregas dão o nome de um segundo homem como Aspebedo ou Aspécio.[3] Novamente, durante a Guerra Ibérica (526–532), um homem chamado Aspebedes (Bawi em siríaco), de acordo com o historiador Procópio de Cesareia um tio materno de Cosroes I (r. 531–579), aparece. Em 527, ele tomou parte nas negociações com os emissários bizantinos, e em 531 liderou uma invasão na Mesopotâmia junto com Chanaranges e Mermeroes. Ele foi executado por Cosroes logo depois de sua ascensão por conspirar com outros nobres para derrubá-lo em favor de seu irmão Zamasfes.[4][5]

Reforma de Cosroes I[editar | editar código-fonte]

Dracma com efígie de Cosroes I (r. 531–579)

Para conter o poder do generalíssimo super-poderoso, Cosroes I — embora esta reforma possa já ter sido planejada por seu pai, Cavades I (r. 499–531) — dividiu o ofício de aspabedes do Irã em quatro comandos regionais, correspondentes às quatro direções cardiais (kust, cf. As capitais provinciais do Irã): o "chefe do exército do Oriente (Coração)" (kust ī khwarāsān spāhbed), o "chefe do exército do Sul (kust ī nēmrōz spāhbed), o "chefe do exército do Ocidente" (kust ī khwarbārān spāhbed) e o "chefe do exército do Azerbaijão" (kust ī Ādurbādagān spāhbed, onde a província noroeste do Azerbaijão substitui o termo "norte" por causa de suas conotações negativas").[6] Como esta reforma foi mencionada apenas em fontes literárias posteriores, a historicidade desta divisão, ou sua sobrevivência após o reinado de Cosroes I, foi questionada no passado,[7] mas a descoberta recente de uma série de treze selos, que fornecem os nomes de oito aspabedes, fornece evidência contemporânea dos reinados de Cosroes I e seu sucessor, Hormisda IV (r. 479–490); P. Pourshariati sugere que dois podem ser datados do reinado de Cosroes II (r. 590–628). Os oito aspabedes conhecidos são:[1][8]

Nome Comando Rei Família
Chir-Burzen
(Simah-i Burzin)
Oriente Cosroes I Carenida
Dād-Burzēn-Mihr
(Bozorgmer)
Oriente Hormisda IV Carenida
Varam Adurma
(Baram-i Adar-maan)
Sul Cosroes I & Hormisda IV Desconhecida
Wēh-Shāhbur Sul Cosroes I Desconhecida
Pirag-i Sharvaraz
(Charbaraz)
Sul Cosroes II Mirânida
Vistachm
(Bistam)
Ocidente Cosroes II & Hormisda IV Ispabudã
Gorgon ou Gorgen
(Glones Miranes)
Norte Cosroes I Mirânida
Sēd-hōsh (?) Norte Cosroes I Mirânida

Outros titulares do posto são difíceis de identificar a partir das fontes literárias, uma vez que este ofício oi mantido em conjunto com outros ofícios e títulos, tais como Xarvaraz ("Javali do império"), que são frequentemente tratados como nomes pessoais. Um outro fator da confusão nas fontes literárias posteriores é o uso intercambiável com os postos provinciais juniores de marzobam ("diretor da fronteira, marquês") e paigosbã ("guardião do distrito").[1]

Período islâmico[editar | editar código-fonte]

Tabaristão[editar | editar código-fonte]

Dirrã de prata do último aspabedes dabuída, Curxida do Tabaristão (r. 740–761)

Durante a conquista muçulmana da Pérsia, o aspabedes do Coração aparentemente retirou-se para as montanhas do Tabaristão. Lá ele convidou o último xá sassânida, Izdegerdes III (r. 632–651), para encontrar refúgio, mas Izdegerdes recusou, e foi morto em 651.[9] Como muitos outros governantes locais ao longo dos antigos domínios sassânidas, incluindo aqueles das províncias vizinhas do Gorgan e Gilam, o aspabedes em seguida fez um acordo com os árabes, o que permitiu que ele permanecesse como um governante praticamente independente do Tabaristão em troca de um tributo anual.[10] Isto marcou a fundação da dinastia dabuída, que governou o Tabaristão até 759–761, quando foi conquistada pelos abássidas e incorporada ao califado como uma província. Os primeiros governantes da dinastia são mal atestados; eles cunharam moedas próprias com legendas pálavi e um sistema de datação começando com a queda da dinastia sassânida em 651, e reivindicaram os títulos Gīlgīlan, Padashwargarshah ("xá de Patashwargar", o antigo nome das montanhas do Tabaristão) e aspabedes do Coração.[2][11]

O título aspabedes foi também reivindicado por outras linhas dos governantes locais na região, que alegaram descendência distante no passado sassânida: a família Karen, que se viu como herdeira dos dabuídas e governou o centro e oeste do Tabaristão até 839/840, e a dinastia bavandida nas montanhas orientais, cujos vários ramos sobreviveram até bem depois das conquistas mongóis do século XIII. O título foi também usado pelos vizinhos dailamitas. Em alguns textos posteriores desta região, o título veio a significar simplesmente um chefe local.[2][11]

Ásia Central[editar | editar código-fonte]

No Coração, o título sobreviveu em uso entre os príncipes sogdianos locais. O aspabedes de Bactro, al-Ichcande, é mencionado em 709, o aspabedes de Nasa em 737, e o mesmo título é usado em conexão com o rei de Cabul no começo do século IX. Nos anos 1090, aparece como o nome pessoal de um comandante seljúcida, Isfabade, que assumiu o controle de Meca por um tempo.[2]

Na Armênia[editar | editar código-fonte]

O Reino da Armênia, que foi governado por um ramo da dinastia arsácida, adotou o termo primeiro em sua forma persa antiga, gerando o armênio asparapetes e então novamente, sob influência sassânida, da forma persa média, dando a forma aspaapetes (aspahapet). O título foi usado, como na Pérsia, pelo comandante-em-chefe do exército real, e foi utilizado em direito hereditário pela família Mamicônio.[2]

Referências

  1. a b c d «SPĀHBED» (em inglês). Consultado em 4 de julho de 2014 
  2. a b c d e f Bosworth 1997, p. 207–208.
  3. Martindale 1980, p. 169.
  4. Chaumont 1987, p. 825–826.
  5. Martindale 1992, p. 137.
  6. Pourshariati 2008, p. 95ff.
  7. Pourshariati 2008, p. 94-95.
  8. Pourshariati 2008, p. 98–101, 470 (Tabela 6.3).
  9. Kennedy 2007, p. 187.
  10. Kennedy 2007, p. 178–179, 192.
  11. a b Madelung 1975, p. 198–200.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bosworth, C. E. (1997). «Ispahbadh». The Encyclopedia of Islam, New Edition, Volume IV: Iran–Kha. Leida e Nova Iorque: BRILL. ISBN 90-04-05745-5 
  • Chaumont, M. L. (1987). «ASTABED». Enciclopédia Irânica, Vol. II. Nova Iorque: Columbia University Press 
  • Kennedy, Hugh (2007). The Great Arab Conquests: How the Spread of Islam Changed the World We Live In. Filadélfia: Da Capo Press. ISBN 0297865595 
  • Madelung, W. (1975). «The Minor Dynasties of Northern Iran». In: Frye, R.N. The Cambridge History of Iran, Volume 4: From the Arab Invasion to the Saljuqs. Cambridge: Cambridge University Press. ISBN 978-0-521-20093-6 
  • Martindale, J. R.; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1980). The prosopography of the later Roman Empire - Volume 2. A. D. 395 - 527. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press 
  • Martindale, John Robert; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, J. (1992). The Prosopography of the Later Roman Empire. Volume III: A.D. 527–641. 3. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 9780521201605 
  • Pourshariati, Parvaneh (2008). Declínio e queda do Império Sassânida. Nova Iorque: IB Tauris & Co Ltd. ISBN 978-1-84511-645-3